Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Puxa sacos...

Puxa sacos...

Categoria: Outros
Visitas: 31
Comentários: 4
Puxa sacos...

Tem pessoas que já nascem com este Dom: Puxar o saco. A gente logo percebe isso, principalmente, quando a pessoa começa a te bajular muito,e a contar tudo que acontece na Empresa..ninguém merece..

O que é Puxa Saco:
Puxa saco é um adjetivo ou substantivo usado com sentido pejorativo que significa adulador, bajulador, baba ovo.

Um puxa saco é conhecido por rasgar seda, ou seja, elogiar alguém excessivamente com o objetivo de conseguir alguma coisa para o seu próprio benefício. Normalmente, os puxa-sacos mostram uma profunda admiração perante alguém que é superior em alguma hierarquia, como por exemplo, um patrão ou professor. Por exemplo: Ele só conseguiu aquele cargo na empresa porque é um puxa saco.

Quer dizer tem pessoas que não tem o conhecimento que você tem, mas sempre esta a mil passos na sua frente..
É Verdade que os puxas sacos estão longe de serem extintos da face da terra. Tem gente que puxa para ser promovido na Empresa. E para muitos chefes, é até bom ter um olho a mais dentro da empresa. Mas será que isso é inconveniente? Sinceramente, eu nunca puxei o saco e nem gosto disso.

"Não puxo saco de ninguém, detesto que puxem meu saco também. Não faço amizades por conveniências, não sei rir se não estou achando graça, não atendo o telefone se não estou com vontade de conversar."
— Caio Fernando Abreu.

É Exatamente eu....

Veja os mandamentos dos Puxa Saco

Quando o chefe chegar seja o primeiro a dar bom dia, com um grande sorriso nos lábios.

Toda vez que seu chefe espirrar diga “saúde”, não importa a quantidade de espirro.

Morra de rir das piadas que seu chefe conta, mesmo que seja a mais sem graça do mundo.

Cole um adesivo no carro com a seguinte frase: “Eu Amo Meu Chefe”.

Tente se parecer ao máximo com seu chefe.

Nunca saia do escritório antes dele.
Demonstre sempre muita eficiência.
Quando te passar uma tarefa, faça-a o mais rápido possível.

Se o chefe por acaso soltar um pum finja que não ouviu e nem sentiu nada.

Seja sempre muito atencioso com seu chefe, demonstrando sempre muito carinho por sua pessoa.

9 dicas para conquistar seu chefe sem ser "puxa-saco" - InfoMoney

Veja mais em: 9 dicas para conquistar seu chefe sem ser "puxa-saco" - InfoMoney
Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/carreira/gestao-e-lideranca/noticia/3051201/dicas-para-conquistar-seu-chefe-sem-ser-puxa-saco

Em primeiro lugar, um puxa-saco nunca é bom. Lembre-se disto: Você faz o que faz por não ter opção mesmo, afinal, sua vida não tinha sentido nenhum antes de seguir esta notável carreira. Mas existem puxa-sacos amadores e puxa-sacos profissionais. Um puxa-saco profissional é aquele que consegue sobressair aos demais puxa-sacos. Lógico que o saco é igual ao coração de uma mãe, onde sempre cabe mais um, mas no saco sempre vai existir aquele que agarra mais saco que os demais. Em outras palavras: Enquanto o puxa-saco amador elogia o terno do dono, o puxa-saco profissional abana o rabinho e se enrosca nas pernas do dono. Um puxa-saco profissional deve ser mais sem personalidade que os demais puxa-sacos, ou melhor, deve ter personalidade nula. Um puxa-saco amador ainda possui um pouco de personalidade, e isto é ruim, muito ruim.

O puxa-saco profissional é aquele que consegue eliminar qualquer traço de personalidade. Para ser um puxa-saco de sucesso, não pode ter opinião própria. Aliás, para ser um puxa-saco de sucesso, não pode nem ter opinião; o puxa-saco profissional deve apenas concordar. É isto que caracteriza um puxa-saco de respeito. Um puxa-saco profissional nunca afirma e confirma ser um puxa-saco. Um puxa-saco de talento, por mais sanguessuga que possa ser, detesta quando alguém lhe chama de puxa-saco.


Patricia Santos

Título: Puxa sacos...

Autor: Patricia Santos (todos os textos)

Visitas: 31

622 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Leonard das Neves OliveiraLeonard das Neves Oliveira

    02-10-2014 às 01:49:04

    Bem verdadeira a análise desse tipo de gente em seu texto Patrícia. Infelizmente essa categoria de pessoa não existe apenas no meio profissional, podemos encontrar esses puxa-sacos na família, na faculdade, ou ainda em qualquer manifestação social. Fica aqui uma sugestão que você escreve sobre esse tema em outros contextos. Sucesso!

    ¬ Responder
  • Luene ZarcoLuene

    28-07-2014 às 19:36:49

    Não suporto nem estar por perto de gente que fica puxando saco, principalmente, de alguém que supostamente se diz "importante". Temos que usar a sinceridade e pronto!

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    09-05-2014 às 12:43:20

    Não gosto de gente que vive bajulando, acredito que tem limites. Também é diferente de ser cordial, gentil. Então, a sinceridade faz a diferença. Normalmente, o puxa saco aproxima-se com outras intenções. Adorei seu texto!

    ¬ Responder
  • Patricia SantosPatricia Santos

    21-05-2014 às 17:09:34

    OBRIGADA

    ¬ Responder

Comentários - Puxa sacos...

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios