Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Quem não tem um desejo

Quem não tem um desejo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 1
Quem não tem um desejo

Os desejos das grávidas permanecem, ainda hoje, um mistério para toda a comunidade científica, que apenas avança motivos hipotéticos para que tal suceda. Deficiência nutricional, carência emocional, desejo de chamar a atenção, são apenas algumas das razões apontadas para esta particularidade que apenas afeta metade das grávidas (cerca de 50% da mulheres grávidas referem ter já sentido desejo por algum alimento especial).

Popularmente, afirma-se que é o bebé que deseja esses alimentos e, consequentemente, a mãe é impelida a ingeri-los; outro mito popular refere que, caso a mãe não consuma esse alimento, o bebé pode nascer com um rosto semelhante ao do alimento que «exigiu» durante a gravidez (um tomate, por exemplo).

Os alimentos mais vezes requestados pelas grávidas incluem comidas muito doces ou muito salgadas ou condimentadas. Frutas, como ananás, morangos, manga ou coco são também alguns dos alimentos desejados. Muitas mulheres chegam, inclusivamente, a acordar durante a noite e a solicitar, sem espaço para recusa, aos seus maridos que lhes tragam o alimento pretendido. Desde que a satisfação do pedido não se transforme num pesadelo para o companheiro – pela impossibilidade de encontrar o alimento em causa – não é errado aceder-se ao mesmo, muito pelo contrário: este gesto transformar-se-á num mimo adicional para a mulher que, ao atravessar uma fase tão delicada da sua vida, agradecerá o carinho do esposo. De qualquer maneira, há que salientar que o bebé não será prejudicado se, por acaso, o alimento não chegar à mulher.

Portanto, se lhe apetecer comer iogurte com presunto, batatas com arroz, esparguete com chocolate, leite condensado à colherada ou salsichas regadas com caramelo, por que não? Poderá sempre satisfazer os seus desejos, mas tenha em atenção a regulação do seu peso e controle rigorosamente o seu nível de glicemia no sangue, bem como a tensão arterial. Estes fatores são fundamentais para que os desejos não se venham a tornar em sérios empecilhos para a sua saúde e do bebé.

Finalmente, existem grávidas cujos desejos fogem bastante do normal ou aceitável. Certas mulheres desejam, verdadeiramente, comer substâncias como gelo, carvão, pó, terra, sabão, pasta de dentes, plasticina, etc. A esta fenómeno atribui-se a designação de «pica». A pica parece ter origem em fatores culturais (uma mulher que tenha crescido no campo pode desejar, de repente, comer palha ou terra) e fisiológicos, uma vez que a anemia costuma estar associada a estes casos. O médico terá de avaliar a situação e impedir que a grávida venha a ingerir quaisquer destas substâncias – que poderiam pôr em perigo a sua própria vida.


Isabel Rodrigues

Título: Quem não tem um desejo

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

629 

Imagem por: MeaganJean

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãogilbertos

    07-05-2014 às 00:16:58

    amo mulheres gravidas...que bela foto, claro li o texto

    ¬ Responder

Comentários - Quem não tem um desejo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Imagem por: MeaganJean

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios