Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Gotas de Verde

Gotas de Verde

Categoria: Outros
Visitas: 2
Gotas de Verde

… E um dia, apareceste.

Bateste-me à porta e esboçaste um sorriso, ao ver-me de novo.
Creio que sorri também, por um momento, mas reparei nos teus olhos tristes e o meu sorriso dissipou-se, então…

Estupefacto pela tua presença, fiquei mudo, tentando ver se seria um sonho ou se estaria acordado.

E, por isso tu me perguntaste se eu não te convidava para entrar.
Atrapalhado, envergonhado pela minha inacção, apressei-me a fazer um gesto, quase uma vénia, apontando-te o interior da casa.
Entraste.

Estava sozinho nesse momento. Os meus pais tinham saído, por isso, levei-te para a sala.
Sentámo-nos, tu no sofá comprido, eu no maple, quase de frente para ti.
E depois das habituais perguntas acerca de como iam as coisas nas nossas vidas, como ia a saúde e o emprego, perguntaste-me como estava o meu coração.

Tentando não ser muito dramático, disse apenas que estava sozinho, não resistindo a acrescentar um “ainda…” que te revelava há quanto tempo assim estava.

Permanecia sozinho, desde que quiseste sair da minha vida. Pensava que “apenas” querias acabar a nossa relação, mas tu fechaste mesmo todas as portas, todo o contacto. E durante muito tempo (talvez não tanto como me pareceu), não me senti mais do que uma vaga memória de um passado teu, que eu nem sei com que sentimentos recordavas; não parecia ser mais do que um mero cliente do teu negócio – e nunca quis deixar de o ser para não pensares que o fazia por represália, ao mesmo tempo que, desse modo, sentia que continuava a ajudar-te, de certa forma, continuando a preocupar-me com o teu sucesso e desejando contribuir como pudesse.

Tal como te havia declarado numa carta, o meu coração estava em coma, desde que havíamos decidido o fim do nosso romance. Estava como que congelado, bloqueado naquele ponto do tempo. E, claro, ainda sentindo o mesmo amor…

Mas não te repeti essas palavras… não foi necessário, pois percebeste-as veladas no tal “ainda”! Confesso que essa palavra não me saiu com franca inocência. E tu também o percebeste, porque és uma mulher inteligente, porque me conheces bem e tens uma boa experiência no que toca a relações.

A minha resposta pôs-te mais à vontade para me falares do que te havia trazido à minha porta. Pediste-me que me sentasse a teu lado e pegaste-me nas mãos. Estavam frias, as tuas …

Não me deixaste dizer mais nada. Ao pegares nas minhas mãos, calaste a pergunta que já ia sair dos meus lábios

E começaste a contar-me uma história. Uma história de opções, de ilusões, de cedências, de decepções, de tratos menos bons, de lágrimas, arrependimentos e saudade. A relação que tinhas iniciado, depois de terminares a nossa, não te tinha realizado. Muito pelo contrário. Mas, como é teu hábito, foste calando as primeiras desilusões ou desencontros. E acumulaste frustrações até que não pudeste mais e saíste. Nesse momento, olhaste para trás, na tua vida, procurando um momento diferente, um momento mais intenso e bonito. E lembraste-te de nós. Lembraste-te do homem que fui para ti. Apesar dos meus erros e da minha situação, tinha sido a pessoa mais carinhosa e que mais se tinha dado a ti. E isso fez-te falta. Nunca me havias esquecido, totalmente. Nunca tinhas deixado de acreditar que conseguiríamos ser felizes. No fundo, nunca tinhas deixado de gostar de mim e, por isso, te tinhas mantido em silêncio, simulando um desprezo e indiferença, extremos. Procuravas fugir de nós, virar a cara, seguir com a vida, como se não tivesse sido mais do que um sonho, como se não tivesse sido real. Precisavas de esquecer aquele amor, aquela força que nos unia, para seguires em frente e procurares o contentamento na obtenção, com outro homem, daquilo que eu parecia não poder dar-te, da segurança que, realmente, não podia prometer-te, quando havíamos acabado.

Mas quando chegaste ao limite da tua resistência e resignação, o coração falou mais alto que a razão que o tinha calado, antes. E choraste.

Choraste o risco que correste de me perder, choraste o tempo que estivemos separados, choraste o carinho e a atenção que não tiveste de mim, desde então… e choraste a minha angústia, a minha mágoa, a solidão em que vivi e o meu desespero. Choraste o desprezo de que me senti alvo. E acima de tudo, choraste o ódio que nunca senti por ti, a revolta com que nunca tentei atingir-te.

Sim… tive atitudes menos correctas, depois do nosso fim. Mas acabei por respeitar as tuas escolhas e perceber que o amor não depende só da vontade de um dos membros do casal – pelo menos, para se manter.

Abrimos os nossos corações. Revelámo-nos!

Contaste-me o que eu precisava para perceber que não tinhas sido feliz. E remataste, declarando-te arrependida por me teres fechado a porta, por não teres lutado pelo amor que havia entre nós. Por o teres desprezado e desvalorizado, perante outros ideais e objectivos. Afirmaste-te mudada, com uma nova percepção da vida e do que realmente importa. E pediste-me desculpa por não teres sabido ser a companheira que eu precisava de ter, no exacto momento em que, ironicamente, tiveste foi vontade de acabar…

Calei-te, com um dedo nos lábios. Afinal, eu também tinha cometido erros, em relação a ti. Tinha-te tomado por certa, tinha-te “explorado” e abusado do teu afecto, porque eu tinha muito para descobrir e parecia que nunca ia ter tempo; que o tempo que tínhamos juntos nunca era suficiente; porque te achava mais “sintonizada” com a minha visão das coisas e da nossa relação, do que realmente estavas.

Eu também não soube revelar-me totalmente a ti, de um modo que aprendesses a tolerar-me e a mudar o que havia a mudar em mim. Foram os meus erros que te levaram a ir embora. Só depois dessa opção é que te poderias responsabilizar pelos passos que deste.

Sentaste-te ao meu colo e abraçaste-me. Uma lágrima ameaçou sair dos teus olhos, mas apenas lhes deu um brilho mais intenso. Mantive-te nos meus braços, cingindo-te bem contra mim, como que a matar saudades.

E percebeste, nesse abraço, que eu ainda era completamente teu. Que toda a mágoa, toda a angústia que suportei, todo aquele tempo que passei perdido, sem rumo, sem ti, se apagaria e perderia o seu valor, se me desses um beijo e me pedisses para voltar…

Então confessaste que gostavas de poder voltar atrás, de poder voltar para mim. E deste-me esse beijo que selou o rumo da minha resposta. Nada mais pude fazer do que retribuir-te e corresponder-te a esse beijo. E percebeste que me tinhas de novo. Perguntei-te se era mesmo isso que querias e respondeste que sim, sorrindo ternamente e dando-me outro beijo.

Eu não precisava de falar para saberes a minha resposta. Estava estampada na minha expressão de menino grande e perdido. Percebia-la no modo desejoso como retribuía os teus beijos e te abraçava. Viste-a bem no fundo e no brilho do meu olhar. E não disse mais nada. As palavras só iriam estragar o momento. E a felicidade que eu estava a sentir regressar ao meu peito, já havia enterrado todo aquele tempo sem ti, tudo o que sofri… Eu tinha-te de volta, de novo nos meus braços, e era como se não tivesse passado mais do que uma longa semana, como tantas que nos haviam separado no passado, e nos tinham parecido eternas, apesar de não terem mais do que cinco dias…

Ficaste, nessa noite.

A cama era demasiado pequena para nós, mas lá nos ajeitámos. Pouco dormimos. Apenas ficámos abraçados a relembrar, em silêncio, outros momentos, outros lugares. Os nossos corpos sentiam saudade desse nosso contacto, desse toque. E abraçados, quietos, deixámos as horas da madrugada irem passando. Até que a manhã começou a nascer e os pássaros, lá fora, despertaram para um novo dia. Saímos da cama.

Pedi à minha mãe que nos arranjasse algo para uma ou outra refeição. Era sábado e eu queria levar-te de novo àquela casa onde tínhamos começado “oficialmente” a nossa primeira relação. Ao fim de uma hora de carro, chegámos.

Corremos para a cama e dormimos profundamente. Era mais larga, essa. Estávamos mais à vontade. Dormimos e sonhámos, despertando do pesadelo que foi o tempo que nos separou de um modo que parecia para sempre…

Acordámos, já a tarde ia a meio. Tu olhaste para mim, sorrindo. E olhei-te bem dentro dos olhos e disse: Amo-te, meu anjo lindo! É maravilhoso voltar a acordar nos teus braços e seres a primeira coisa que vejo, ao abrir os olhos.

Beijaste-me e deitaste a cabeça sobre o meu peito, como gostavas de fazer… e assim ficámos, enquanto o dia ia escurecendo e os nossos corpos se iam libertando da preguiça de um sono vespertino, juntos! Juntos de novo. Juntos para sempre!

Ex Panta Spirito


Paulo c. Alves

Título: Gotas de Verde

Autor: Paulo c. Alves (todos os textos)

Visitas: 2

809 

Comentários - Gotas de Verde

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios