Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Silagem: armazenamento de grãos alimentares

Silagem: armazenamento de grãos alimentares

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Silagem: armazenamento de grãos alimentares

Silo é uma palavra espanhola, procedente da palavra grega “sírios”, que significa “lugar subterrâneo e enxuto onde se guarda o trigo”.

A construção de silos para armazenar grãos alimentares é uma prática milenar, constando-se registros de silos construídos há mais de 4.000 anos na Índia, e também em outros países como Egito, China e Espanha.

A construção de silos requer cuidados especiais no sentido da perfeita proteção dos produtos armazenados contra intempéries e insetos.

Países ou regiões onde a concentração de chuvas se processa apenas em determinadas épocas do ano, convém aproveitar a produção forrageira do chamado período das águas (chuvoso) para ensilagem desta, garantindo a alimentação animal com qualidade e poucas perdas nutricionais durante o período de seca.

O armazenamento da forragem em silos oferece uma série de vantagens que o torna interessante, apesar de requerer gastos na construção de silos e aumento de trabalho, pois: permite manter maior número de animais por área; torna viável a utilização de plantas grosseiras; melhora a palatabilidade e a digestibilidade das forragens; reduz o custo da alimentação; possibilita total aproveitamento das plantas; assegura o aproveitamento do excesso de pastagens da estação chuvosa; independe das condições climáticas e o produto final apresenta quase toda a sua composição inicial.

A obtenção de uma silagem com boas qualidades nutritivas está na dependência de uma série de fatores importantes, tais como: época de corte da planta forrageira; picagem do material a ser ensilado; tempo gasto no carregamento, compactação e isolamento da massa, para evitar a penetração de ar.

Um dos processos mais vantajosos na prática consiste em misturar gramíneas e leguminosas na mesma silagem.

O milho é uma das plantas mais usadas na ensilagem, por ser um alimento de excelente qualidade. O corte deve-se dar quando os grãos atingirem o estado de leite grosso, pois é nesse estágio que o cereal apresenta maior riqueza em nutrientes.

O sorgo apresenta qualidades bastante parecidas às do milho e o produto final é igualmente de excelente qualidade. Para ensilagem são recomendadas as variedades sacarinas, estando em torno de 40 a 50 toneladas de massa verde o rendimento por hectare. É, entretanto uma planta tóxica quando nova, recomendando-se sua cultura em local isolado de animais.

As gramíneas não podem ser a única fonte de alimentos, dada sua pobreza em proteínas, embora seja rico em energia.

As leguminosas oferecem uma série de vantagens sobre outras forrageiras volumosas, e quando ensiladas corretamente produzem alimento de elevado teor nutricional. Das diversas espécies, as que se prestam mais a ensilagem são: lab-lab, guandu, soja, kudzu, soja perene, alfalfa, feijão miúdo (caupi ou de corda), trevos, etc.


Cláudio Júnior

Título: Silagem: armazenamento de grãos alimentares

Autor: Cláudio Júnior (todos os textos)

Visitas: 2

785 

Imagem por: mr.bologna

Comentários - Silagem: armazenamento de grãos alimentares

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: mr.bologna

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios