Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Como sobreviver sem amor à camisola

Como sobreviver sem amor à camisola

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Como sobreviver sem amor à camisola

Encontrei-os no campo, o sol já ia alto e a sedução limitava-se a ver a filha a subir pelo telhado, lá ao longe, dentro do seu vestido florido, pernas bonitas como as meninas das novelas brasileiras.

Enquanto isso lá andavam eles, de trigo em punhos de latão e o calor os aquecia, sem que o desejo de abandonar as vistas deslumbrantes fosse um dado que lhes melhorasse a produtividade.

O capataz era áspero, desconfiava-se que andava com a mulher do patrão, enquanto o chefe andava a lutar pela vida, nas bolsas dos outros, mercado abaixo, capital na conta bancária acima.




Havia que celebrar aquelas vistas todas: o trigo, a filha do patrão a subir ao telhado e o capataz a rir-se entre-dentes do que eles tinham e do que ele desfrutava.

A mulher do patrão não morria de amores pela camisola, sobrevivia facilmente com o decote provocante, os dinheiros abundantes e o capataz dotado de alegrias que o chefe não lhe conseguia dar.

Afinal a fama tinha a sua razão de ser mas o chefe que sempre estava fora, de nome Alicate e sempre a apertar as dentaduras de raiva pela traição, ah pois, não dormia, tinha por lá umas câmaras num esconderijo, produto de tecnologias avançadissimas, nanotecnologia diziam as gentes, que até permitiam saber se o filho que a patroa carregava no ventre era dele ou não.

E claro que com tanto desapego, qual Sodoma e Gomorra, num quintal de poucos hectares tinha de dar mau resultado.

E nós lá no campo, no preciso dia do reencontro, com fatas morganas incessantes e o trigo a queimar-se do Sol ardente fomos os primeiros a pagar, com taxas de juro para lá do mercado com brutos capitais enviados pelo patrão, nanotecnologia por cada orifício. Então deu-se um eclipse fatal.

Fomos parar a um sítio branco, onde cantavam e saltavam de alegria com sintetizadores e calores inusitados. Perguntaram pelas camisolas, pela catraia que seria a herdeira, pela patroa que era boa, pelo capataz que as fazia delirar às duas, pelo chefe nano-inteligente que mordia sempre a língua de raiva.

Como não sabíamos a resposta, nem nunca havíamos corrido por amor à camisola, tiraram-nos o trigo da mão e substituíram-no por betão, as fatas morganas da visão e substituíram-nas por chefes intragáveis.


António Borges

Título: Como sobreviver sem amor à camisola

Autor: António Borges (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - Como sobreviver sem amor à camisola

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios