Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Como sobreviver sem amor à camisola

Como sobreviver sem amor à camisola

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Como sobreviver sem amor à camisola

Encontrei-os no campo, o sol já ia alto e a sedução limitava-se a ver a filha a subir pelo telhado, lá ao longe, dentro do seu vestido florido, pernas bonitas como as meninas das novelas brasileiras.

Enquanto isso lá andavam eles, de trigo em punhos de latão e o calor os aquecia, sem que o desejo de abandonar as vistas deslumbrantes fosse um dado que lhes melhorasse a produtividade.

O capataz era áspero, desconfiava-se que andava com a mulher do patrão, enquanto o chefe andava a lutar pela vida, nas bolsas dos outros, mercado abaixo, capital na conta bancária acima.




Havia que celebrar aquelas vistas todas: o trigo, a filha do patrão a subir ao telhado e o capataz a rir-se entre-dentes do que eles tinham e do que ele desfrutava.

A mulher do patrão não morria de amores pela camisola, sobrevivia facilmente com o decote provocante, os dinheiros abundantes e o capataz dotado de alegrias que o chefe não lhe conseguia dar.

Afinal a fama tinha a sua razão de ser mas o chefe que sempre estava fora, de nome Alicate e sempre a apertar as dentaduras de raiva pela traição, ah pois, não dormia, tinha por lá umas câmaras num esconderijo, produto de tecnologias avançadissimas, nanotecnologia diziam as gentes, que até permitiam saber se o filho que a patroa carregava no ventre era dele ou não.

E claro que com tanto desapego, qual Sodoma e Gomorra, num quintal de poucos hectares tinha de dar mau resultado.

E nós lá no campo, no preciso dia do reencontro, com fatas morganas incessantes e o trigo a queimar-se do Sol ardente fomos os primeiros a pagar, com taxas de juro para lá do mercado com brutos capitais enviados pelo patrão, nanotecnologia por cada orifício. Então deu-se um eclipse fatal.

Fomos parar a um sítio branco, onde cantavam e saltavam de alegria com sintetizadores e calores inusitados. Perguntaram pelas camisolas, pela catraia que seria a herdeira, pela patroa que era boa, pelo capataz que as fazia delirar às duas, pelo chefe nano-inteligente que mordia sempre a língua de raiva.

Como não sabíamos a resposta, nem nunca havíamos corrido por amor à camisola, tiraram-nos o trigo da mão e substituíram-no por betão, as fatas morganas da visão e substituíram-nas por chefes intragáveis.


António Borges

Título: Como sobreviver sem amor à camisola

Autor: António Borges (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - Como sobreviver sem amor à camisola

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Secretária em vidro

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Mobiliário
Secretária em vidro\"Rua
A maior parte das casas tem um escritório para fazer os trabalhos relativos Á profissão ou outros. È uma divisão extremamente necessária para as pessoas se recolherem a trabalhar. Por isso o escritório deve ser um local com conforto e agradável. O ambiente torna-se extremamente importante para o recolhimento necessário e a concentração que certos trabalhos exigem. Se não se tiver no local de trabalho tem de construir-se em casa.

Em todas as profissões é útil ter uma secretária para colocar um computador portátil. Livros e outros acessórios. É uma peça de mobiliário que não se dispensa de forma nenhuma. Desde sempre que foi indispensável na escola, no escritório, na empresa. A sua funcionalidade é como a do computador que praticamente não se dispensa. Para onde se vá leva-se o computador portátil a servir de complemento.

No que diz respeito à secretária ela exige um bom material e design bonito. E de facto há secretárias muito belas desde o seu modelo ao material e design. Por exemplo uma secretária em vidro fica muito bem num escritório amplo de uma vivenda ou numa empresa particular bem decorada. Pode colocar-se também num pequeno escritório de um apartamento ou numa sala especial e decorada a gosto. Há quem prefira ter uma secretária num espaço pequeno especificamente para trabalho. Deste modo concentra-se mais nele e não pensa no que tem para fazer em casa. Ou seja, dá mais prioridade ao que eventualmente tenha que fazer numa secretária. Para além de ajudar a decorar e embelezar o espaço onde se coloca dá um certo ar de charme e gramou num ambiente. Se este for decorado com objectos bonitos de decoração e uma estante para livros dá um ar mais intelectual ao ambiente. Deste modo mais propício para o recolhimento.

Não é por acaso que muita gente prefere o seu escritório para passar as horas que dispõe no seu quotidiano ou fins – de - semana. É um local propício a pensar mais nos projectos, no trabalho e nos encargos da vida. Deste modo cada divisão da casa tem uma funcionalidade diferente e um ar distinto dos restantes.

Não quer dizer que uma secretária em vidro não fique adaptada noutro local que não seja para o trabalho de estudantes ou outros, ela pode ainda adaptar-se para embelezar ou harmonizar espaços que estejam por preencher numa casa maior ou outro local. Sem dúvida que a secretária em vidro não vai deixar mal nenhum espaço onde se coloque.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Secretária em vidro

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    20-04-2014 às 15:52:38

    Fantástico texto! A Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios