Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Como sobreviver sem amor à camisola

Como sobreviver sem amor à camisola

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Como sobreviver sem amor à camisola

Encontrei-os no campo, o sol já ia alto e a sedução limitava-se a ver a filha a subir pelo telhado, lá ao longe, dentro do seu vestido florido, pernas bonitas como as meninas das novelas brasileiras.

Enquanto isso lá andavam eles, de trigo em punhos de latão e o calor os aquecia, sem que o desejo de abandonar as vistas deslumbrantes fosse um dado que lhes melhorasse a produtividade.

O capataz era áspero, desconfiava-se que andava com a mulher do patrão, enquanto o chefe andava a lutar pela vida, nas bolsas dos outros, mercado abaixo, capital na conta bancária acima.




Havia que celebrar aquelas vistas todas: o trigo, a filha do patrão a subir ao telhado e o capataz a rir-se entre-dentes do que eles tinham e do que ele desfrutava.

A mulher do patrão não morria de amores pela camisola, sobrevivia facilmente com o decote provocante, os dinheiros abundantes e o capataz dotado de alegrias que o chefe não lhe conseguia dar.

Afinal a fama tinha a sua razão de ser mas o chefe que sempre estava fora, de nome Alicate e sempre a apertar as dentaduras de raiva pela traição, ah pois, não dormia, tinha por lá umas câmaras num esconderijo, produto de tecnologias avançadissimas, nanotecnologia diziam as gentes, que até permitiam saber se o filho que a patroa carregava no ventre era dele ou não.

E claro que com tanto desapego, qual Sodoma e Gomorra, num quintal de poucos hectares tinha de dar mau resultado.

E nós lá no campo, no preciso dia do reencontro, com fatas morganas incessantes e o trigo a queimar-se do Sol ardente fomos os primeiros a pagar, com taxas de juro para lá do mercado com brutos capitais enviados pelo patrão, nanotecnologia por cada orifício. Então deu-se um eclipse fatal.

Fomos parar a um sítio branco, onde cantavam e saltavam de alegria com sintetizadores e calores inusitados. Perguntaram pelas camisolas, pela catraia que seria a herdeira, pela patroa que era boa, pelo capataz que as fazia delirar às duas, pelo chefe nano-inteligente que mordia sempre a língua de raiva.

Como não sabíamos a resposta, nem nunca havíamos corrido por amor à camisola, tiraram-nos o trigo da mão e substituíram-no por betão, as fatas morganas da visão e substituíram-nas por chefes intragáveis.


António Borges

Título: Como sobreviver sem amor à camisola

Autor: António Borges (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - Como sobreviver sem amor à camisola

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios