Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Fado: uma herança portuguesa…

Fado: uma herança portuguesa…

Categoria: Música
Visitas: 12
Comentários: 4
Fado: uma herança portuguesa…

A música é uma forma de caracterizar os povos e os costumes. Pensar em Portugal é pensar em Fado. Imortalizado por Amália Rodrigues, este estilo de música é uma das heranças mais ricas e marcantes da cultura portuguesa. Mesmo com a morte da diva portuguesa, cada vez mais o fado ganha fãs e é reconhecido além fronteiras. Quando se fala em fado, associa-se de imediato às tascas que existem pelos diferentes bairros lisboetas e à palavra Saudade, um termo que apenas os portugueses compreendem na totalidade. Cantar o fado não é para todos, é preciso ter alma e aprender a gostar deste estilo de música, também não é fácil.

Confesso que nunca fui muito fã de fado, mas ultimamente tenho ouvido mais e com a proliferação de novas vozes, parece que o fado começa a ganhar nova vida. Mariza é a fadista de nova geração que se tem destacado e que tem levado o bom nome de Portugal a percorrer o mundo. Tal tem sido o êxito, que já passa mais tempo fora do país a cantar do que por terras lusas. O mundo está rendido aos seus encantos! Sinceramente nunca pensei que o fado fosse tão apreciado, mas a verdade é que sempre que alguém visita o pais, uma das paragens obrigatórias é uma casa de fados. Já frequentei algumas e se antes era coisa que não me entusiasmava, hoje vibro e também cantaroleio. Se olharmos à mensagem que as letras tentam passar é sempre de situações com que nos identificamos.

Mais irónico ainda, são cada vez mais as pessoas de nacionalidade estrangeira que cantam fado na perfeição. Akané, como é tratada no meio artístico, é uma japonesa oriunda de Osaka, de 29 anos, que hoje arranca fortes aplausos sempre que actua nas casas de fado. Não sabia o que era fado, até que um amigo amante da guitarra portuguesa a desafiou a cantar fado no Japão. Desde ai que este estilo lhe entrou pela vida e já não se imagina sem o típico xaile preto que usa nas actuações.

Marcela Ortiz Aznar vive na Cidade do México e apaixonou-se pelo fado, graças aos Madredeus. O desejo de saber mais sobre a música e sobre a cultura portuguesa, levou-a a visitar o pais por diversas vezes, tanto que hoje faz do fado uma forma de vida. Confessa que os mexicanas estranham esta paixão, mas Marcela vai conseguindo passar a palavra e até criou o projecto “Fado by Foreigners”, onde juntou uma espécie de irmandade fadista não portuguesa, só falta mesmo é conseguir apoios.

Estas são apenas duas histórias, mas tal como Akané e Marcela, são cada vez mais as pessoas que seguem o fado, seja qual for a categoria (existem três: Menor, Corrido e Mouraria). Apesar de ser um estilo de música portuguesa, o Fado desperta paixões nos quatro cantos do mundo, gerando um amor sem fronteiras. Eu começo a aprender a partilhar desta paixão e você?



Catarina Guedes Duarte

Título: Fado: uma herança portuguesa…

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 12

803 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Nuno CabeleiraNuno Cabeleira

    30-04-2011 às 09:28:17

    E o Carlos do Carmo que é um dos melhores fadistas de sempre, onde se situa? nem sequer falam dele. Para mim é tâo bom como a Amalia Rodrigues.

    ¬ Responder
  • Robertson FrizeroRobertson Frizero

    09-08-2009 às 22:41:11

    O fado, independente da língua portuguesa (se é que isso é possível...), emociona aos que compartilham sua alma de saudade, de melancolia contente... Conheco o trabalho de Marcela Ortiz Aznar e só posso dizer que é fabuloso e digno de apoio - é uma embaixadora da cultura portuguesa, mesmo sem suporte oficial qualquer para isso.

    ¬ Responder
  • Fátima FerreiraClaudina (Dina)

    09-08-2009 às 14:25:37

    Li o que a Catarina escreveu e sensibilizou-me pelo facto da Marcela tentar levar a outras partes do mundo o prazer de se ouvir um fado bem cantado.O fado que nos identifica e que nos toca a todos duma maneira ou de outra duma maneira muito profunda....Eu vivo nos E.U.A. e devo dizer que so aqui bem longe de Portugal foi que eu comecei a gostar do fado e porque? porque com ele eu embarco para esse Pais de alma e coracao e vivo tudo aquilo que nos vai na alma na alma de um portugues..Parabens amiga porque canta muito bem!
    Um grande abraco desta amiga Claudina

    ¬ Responder
  • Marcela Ortiz AMarcela Ortiz A

    08-08-2009 às 22:16:19

    Querida Catarina ,

    Obrigada por fazer mencao ao meu trabalho. É mesmo assim que se faz difusao de nosso esforco. Mais uma vez, obrigada.

    Um abraco desde México

    ¬ Responder

Comentários - Fado: uma herança portuguesa…

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios