Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A mensagem do cristianismo

A mensagem do cristianismo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 88
Comentários: 2
A mensagem do cristianismo

O cristianismo foi a primeira religião monoteísta, fundada com base na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré. Na verdadem Jesus nasceu na Judeia, região onde viviam os hebreus, numa época em que o território pertencia ao Ímério Romano.

Os hebreus, eram monoteístas, e embora a sua religião fosse tolerada pelos romanos, muitos recusavam o domínio romano e abandonavam a sua terra, espalhando comunidades judaicas por todo o mundo.

Jesus Cristo, entre os 30 e 33 anos de idade, com os seus apóstolos, percorreram a Palestina pregando as suas ideias e passando uma mensagem que se baseava nos seguintes princípios:

Fraternidade e paz, o amor a Deus e ao próximo, a condenação da guerra, crença na salvação humana e na vida para além da morte, como recompensa das boas ações, universalidade e igualdade, de todos perante Deus, ricos e pobres, livres e escravos.
Estas mensagens sucitaram desagrado nalgumas camadas da população do Império, que estavam insatisfeitos com as desigualdades sociais.

Contudo, agradou a muitos judeus que consideravam Cristo como Messias, o seu salvador, e perante isto converteram-se ao cristianismo.

Foi então que o Grande Conselho Judaico e outros romanos consideraram Jesus de Nazaré um agitador da população e entregaram-no às autoridades romanas, para o condenarem.
Assim, Cristo foi condenado à morte por blasfémia, e por afirmar que era filho de Deus.
Deste modo, Pôncio Pilates, o representante do imperador na região da Judeia, mandou-o crucificar na cruz.

Esta morte reforçou ainda mais as ideias do cristianismo e os seus seguidores começaram a formar comunidades de cristâos, ou seja, seguidores de Cristo.
Após a sua morte, os apóstolos e os outros cristãos continuaram a divulgar as ideias do cristianismo.

Esta mensagem da nova religião, marcada pelas ideias de igualdade e esperança, foi atraindo cada vez mais pessoas. O cristianismo foi difundindo porque havia grande insatisfação em face das desigualdades e já havia uma boa rede de estradas que a facilitava.

O latim e o grego eram as duas línguas faladas no Império, o que facilitou a transmissão das mensagens. Contudo, o cristianismo foi visto como uma ameaça pelas autoridades, por pregar a fé, num só Deus.

Deste modo, recusava o culto ao imperador e não respeitava os romanos. Comecou então, a haver perseguições, em especial às catacumbas, onde se praticavam os cultos às escondidas.

Apesar das lutas e perseguições, os seguidores de Cristo aumentaram, em todas as classes.
Mais tarde o imperador Constantino, concedeu total liberdade aos cultos e Teodósio, adotou este, como religião oficial do império.

Esta religião ainda hoje marca a nossa cultura, com seus valores de tolerância, igualdade e justiça.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A mensagem do cristianismo

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 88

775 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    30-08-2014 às 22:08:51

    Eu amo o cristianismo. A sua mensagem traz conforto, alívio, amor. Não entendo como as pessoas a criticam tanto, sem ao menos, dar a chance de conhecê-lo melhor. Se formos comparar com outros tipos de idéias, princípios e estilo de vida, veremos que ela é a única fundamentada em valores beneficentes para a sociedade.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãolinda

    02-06-2014 às 23:20:24

    Deus é Fiel!

    ¬ Responder

Comentários - A mensagem do cristianismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios