Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Aprenda um pouco sobre o fado

Aprenda um pouco sobre o fado

Categoria: Música
Visitas: 14
Comentários: 13
Aprenda um pouco sobre o fado

O Fado é um dos grandes cartões de visita de Portugal. Trata-se de um estilo musical muito próprio que evoca a alma portuguesa e que constitui um símbolo mundialmente reconhecido deste país à beira-mar plantado. Usualmente, é cantado por uma única pessoa (fadista) e acompanhado por guitarra clássica (ou viola) e guitarra portuguesa. Reveste-se de formas distintas, dependendo de onde seja cantado: Lisboa, Porto ou Coimbra.

Não se conhece com rigor a origem do Fado, mas supõe-se que terá aparecido na primeira metade do século XIX. A palavra “fado” vem do latim “fatum”, que designa “destino”. Há uma perspectiva ingénua que remete a génese do Fado para os cânticos dos Mouros que ficaram pelo bairro da Mouraria já depois da reconquista cristã, apontando a dolência e a melancolia contidas no Fado como uma herança desses cantos. No entanto, é melhor aceite a versão de que o Fado terá tido o seu começo na extraordinária popularidade da Modinha, nos séculos XVIII e XIX, e na sua síntese popular com outros géneros idênticos, como o Lundum (uma música dos escravos negros do Brasil, que teria sido trazido para Portugal pelos marinheiros, cerca do ano 1822), tendo como resultado a excepcional canção urbana conhecida como Fado. A suportar a hipótese do Lundum está o facto de as primeiras melodias encontrarem ligação ao mar e às terras a que ele conduzia, onde viviam os escravos. Amália Rodrigues, a famosa diva do Fado, entoava «O Barco Negro», que alude, justamente, a uma sanzala.

Outra suposição acerca do surgimento do Fado diz respeito à Idade Média, época dos trovadores e dos jograis. O fundamento assenta nas características das músicas da altura, que o Fado ainda hoje perpetua. Por exemplo, o fado de Lisboa, em muitos dos seus temas, apresenta imensos paralelos com as Cantigas de Amigo, que consistiam nos amores cantados por uma mulher. As Cantigas de Amor, de um homem para uma mulher, assemelham-se ao fado de Coimbra. Paralelamente, e do mesmo período, há as Cantigas de Sátira, ou de Escárnio e Mal Dizer, que encontram ainda no tempo presente, em críticas sociais e políticas, temas frequentes de Fado.

Seja como for, parece certo que o Fado emergiu primeiramente em Lisboa e no Porto, tendo sido posteriormente levado para Coimbra pelos estudantes, onde lhe foram introduzidas mudanças significativas.

Pelo mundo fora, o nome de Portugal traz duas associações imediatas: as touradas e o Fado. Este estreou-se, no Porto e em Lisboa, com versos e ritmos de cariz popular e foi progredindo, tornando-se mais complexo e assumindo a transformação dos tempos. Na primeira metade do século XX, o Fado foi alcançando uma mensurável riqueza melódica e complexidão rítmica, adquirindo um carácter mais literário e mais artístico. Os poemas populares foram sub-rogados por versos elaborados e teve início a audição de décimas, quintilhas, sextilhas, alexandrinos e decassílabos. No decorrer das décadas de 30 e 40 do século passado, o cinema, o teatro e a rádio projectaram o Fado para o grande público, explorando-lhe uma vertente mais comercial. O fadista começou a aparecer como um artista. As vielas e os cantos escondidos deram lugar às luzes da ribalta. Despontaram, então, as Casas de Fado, onde para actuar era preciso deter carteira profissional e um repertório outorgado pela Comissão de Censura, assim como um estilo particular e irrepreensível aparência.

Os assuntos mais comuns no Fado versavam a saudade, a nostalgia, o ciúme, as pequenas histórias do dia-a-dia dos bairros típicos, o sofrimento, o amor, a noite, as sombras, a tragédia, a cidade e as lides de touros. Eram as questões autorizadas pela ditadura de Salazar, que admitia, de igual modo, o Fado trágico, de ciúme e paixão resolvidos de forma violenta, com sangue e arrependimento. Letras que falassem de problemas sociais, políticos ou assemelhados eram proibidas pela Censura.
Actualmente, é uma música do mundo. Tradicionalmente acompanhado à guitarra, existem diversas maneiras de o cantar. Pode ser da Mouraria, corrido, à desgarrada ou dos estudantes de Coimbra.

Em Lisboa e no Porto o Fado é cantado essencialmente na parte mais antiga da cidade, em tabernas ou Casas de Fado, pequenas, antigas, de paredes frias, decoradas com os símbolos daquele formato de canção nessas duas cidades: o xaile negro e a guitarra portuguesa.

Em Lisboa, foi inaugurado nas tabernas e nos pátios dos bairros mais característicos, como Alfama, Castelo, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa. A sua etimologia boémia e ordinária, radicada em tabernas e bordéis e em ambientes de orgia e violência, atribuíram ao Fado uma índole condenável aos olhos da Igreja da época. Hoje, o Fado “típico” mantém os traços do antigo: cantar com tristeza, de forma sentida, mágoas passadas e contemporâneas. Pode ainda contar episódios divertidos com contornos irónicos ou prestar-se ao despique entre dois cantores com capacidade de improviso (a desgarrada).

Em Coimbra, a tristeza também se encontra presente, mas com outras motivações. A angústia de não ter as amadas e o desejo de lhes confiar o coração, bem como o desgosto de deixar os melhores anos da juventude, a vida de borga de um estudante, servem de mote aos desabafos dos fadistas (só homens) envergando trajes negros e capas grossas.

Vale a pena ouvir Mariza, vencedora do prémio World Music 2003 da BBC Rádio, Dulce Pontes, que participou com a «Canção do Mar» no filme de Holywood «Primal Fear» (com Richard Gere), Camané, Mafalda Arnauth e tantos outros. E agora… «Silêncio, que se vai cantar o Fado»!



Maria Bijóias

Título: Aprenda um pouco sobre o fado

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 14

764 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 13 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 19:16:13

    Realmente, o fado em Portugal é muito conhecido e popularizado. Ainda não ouvi, mas estou bem curiosa para saber o seu ritmo!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    08-10-2012 às 00:02:41

    São inúmeros os turistas que visitam Portugal e que procuram o Fado, mesmo sem perceberem uma única palavra de Português. Dizem que é a intensidade, a melodia, a forma sentida com que é cantado. Isto diz muito de quem visita o nosso país e vem espreitar e ouvir o sentido do Fado

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    08-10-2012 às 00:00:28

    Palavras para quê? Fado é Fado!!! Fado é único, é sentido, não é só cantado. Fado é chorado, é sofrido, fado é um desabafo. Património Mundial da humanidade, Fado é muito mais que tudo isso. É uma cultura, é um povo, é um sentimento, é um arrepiar. Naturalmente que cada país terá a sua cultura, mas Fado é nosso é Português... Fado é Fado!

    ¬ Responder
  • Maria GabrielaMaria Gabriela

    06-10-2012 às 00:47:49

    Parabéns pelo texto. Gostei muito.O fado é um dos marcos de Portugal, infelizmente muitas vezes pouco valorizado pelas classes mais jovens porque não percebem o significado do mesmo. É muito bom poder ir as nossas casas de fado e apreciar um bom prato ao som de um bom fado. Apesar de uma das grandes fadistas já ter morrido, Portugal continua um privilegiado nos fadistas que tem. O exemplo da Marisa foi um ótimo exemplo.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    03-10-2012 às 14:17:41

    As pessoas mais idosas da atual geração gostam muito de ouvir fados, devid á sua grande popularidade.Por exemplo a Amália Rodrigues foi uma grande fadista que ainda hoje faz encantar muitos corações.Alguns fados falam mesmo ao coração e aguçam os sentimentos de quem os escuta.

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento

    01-10-2012 às 17:26:31

    Muito interessante este estilo musical de Portugal, o Fado. Eu não sabia que ele era um dos grandes cartões de visita de Portugal. E gostei muito de sua descrição “É um estilo musical muito próprio que evoca a alma portuguesa e que constitui um símbolo mundialmente reconhecido deste país à beira-mar plantado”. Eu nunca ouvi um e agora fiquei interessada em ouvir e conhecer um pouco mais sobre a cultura deste país. Parabéns pelo texto.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    30-09-2012 às 06:27:02

    Excelente e completo texto que nos ensina exatamente as origens do fado e suas peculiaridades.Apesar de ter nascido em Portugal notou-se a partir do século XX uma maior disseminação do fado pelo mundo,tornando-se mundialmente conhecida.O fadista é um grande artista que através de seu canto consegue penetrar nas almas das pessoas retratando a saudade, a tristeza, o amor e muitas outras coisas

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    26-09-2012 às 13:53:12

    Eu pessoalmente gosto muito de fado, tanto de fado de Coimbra como de Lisboa.No entanto não sabia que o fado naceu no Brasil e depois se espalhou em Portugal, como o leitor brasileiro referiu.Agradeço a informação, leitor, mas sempre pensei que o fado fosse português, tal como Carmen Miranda.Na verdade estamos sempre a aprender leitor!

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    26-09-2012 às 02:56:47

    É um dos principais ritmos de música de Portugal.Já faz parte da cultura do povo português.Encanta dos mais novos aos mais velhos.O fado está para Portugal,como o rock está para a Inglaterra.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    23-09-2012 às 15:39:42

    Ótimo texto! Infelizmente, tenho de confessar que não sou uma devota apreciadora de fado, o que, de certa forma me entristece, uma vez que é um verdadeiro monumento imaterial português, tão ou mais típico que o Galo de Barcelos. Penso, no entanto, que o gosto pelo fado deve ser treinado, devendo este estilo de música ser apresentado às crianças desde tenra idade. O fado é tipicamente português e merece ser genuinamente apreciado e preservado.

    ¬ Responder
  • RubensRubens

    28-05-2012 às 21:59:22

    Boa noite. Gostaria de saber, se possível for, do título de um fado que conta a história de uma casal que enrola-se a uma rede de pesca - o homem consegue solta-se, mas a mulher não, então ele retorna e morre junto com ela. É um fado bem antigo que ouvi uma só vez e não consigo lembrar-me mais da letra, nem do cantor(ra). Agradeço antecipadamente,
    Rubens
    Aracaju/SE

    ¬ Responder
  • joao mariajoao maria

    01-11-2009 às 08:42:11

    ESPERO QUE ESSE ERRO DE ( CAMI MIRANDA ) POSSA CHAMAR ATERÇÃO , CARMEN MIRANDA Tinha de Portugal o sangue, do Brasil o ritmo e de ambos sentimento e o génio. Transformou-se para sempre num mito e a sua influência repercutiu para além da morte. Se estivesse viva, Cármen Miranda, a portuguesa mais brasileira de sempre, teria completado cem anos...
    [email protected]

    ¬ Responder
  • joao mariajoao maria

    01-11-2009 às 08:35:42

    Eu como brasileiro estou muito feliz por saber que O FADO naceu no BRASIL e creceu aqui em portugal, diferente de CAMI MIRANDA que passei a minha juventude vendo CAMI e pensando que ela era brasileira e quando soube que era portuguesa isso foi um perda que sempre pensei que era brasileira mas, por saber que O FADO naceu no brasil isso veio para balancia e perda de CAMI MIRANDA para portugal. [email protected] para trocar informaçoes

    ¬ Responder

Comentários - Aprenda um pouco sobre o fado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios