Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > A dança como vertente musical africana

A dança como vertente musical africana

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Visitas: 16
Comentários: 12
A dança como vertente musical africana

À semelhança do que acontece com as canções, na cultura africana, a dança integra a música. Para o africano, a experiência musical é sobretudo uma vivência emotiva: por mais belos que sejam os sons, ficam empobrecidos de sentido se não forem complementados com a dança ou se não contribuírem para dar expressão autêntica ao espetáculo. Além disso, o movimento corporal aumenta o prazer individual da música, mediante a sensação de uma maior participação e através dos impulsos que se criam ao acompanhar o ritmo com o movimento físico.

A dança é importante, porque permite libertar as emoções, funcionando, eventualmente, como forma social e artística de comunicação. Com a dança, os indivíduos e os grupos comunitários manifestam atitudes de hostilidade, de cooperação ou de amizade. Podem demonstrar o seu respeito relativamente aos superiores, a estima e a gratidão para com quem lhes deseja ou faz bem.

Quando um membro do povo akan, do Gana, dança e levanta a mão direita ou ambas as mãos ao céu, o que pretende ele significar? Que está a olhar para Deus. Se levar o indicativo à cabeça, indica que tem um problema, uma coisa em que tem de pensar seriamente. Colocando o indicador debaixo da vista direita, mostra que nada tem a dizer, que vê como as coisas estão a decorrer. Naturalmente que se pode dançar sem a pretensão de transmitir qualquer mensagem, exprimindo apenas os próprios sentimentos.

Como a dança é um veículo de expressão, pode andar estreitamente vinculada aos acontecimentos comunitários do momento. Dançar nos funerais não significa só dor e pesar, mas pode, igualmente, ser homenagem ao defunto e um ato de solidariedade em momentos difíceis como este. As comunidades africanas possuem normas diversas quanto à dança. Tendem a especializar-se nalguns movimentos em detrimento de outros. A diversidade refere-se também à qualidade, ao tempo e à execução dos movimentos. Por exemplo, inúmeras danças do Norte do Gana são mais vigorosas do que no Sul. Em muitas zonas, há algumas diferenças entre as danças de homens e de mulheres, embora os passos fundamentais sejam idênticos.

As palmas, assim como os círculos formados pelas pessoas, são outros exemplos de comunicação não-verbal que exprimem, amiúde, uma profundidade que as palavras não conseguiriam consubstanciar ou, a verificar-se essa capacidade, tornariam mais frio o conteúdo, promovendo, eventualmente, uma distância antagónica ao calor que a música (cantada, tocada ou dançada) em África pretende instituir.


Maria Bijóias

Título: A dança como vertente musical africana

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 16

793 

Imagem por: nickdigital

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 12 )    recentes

  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    05-10-2012 às 09:57:25

    A dança e a música para além de expressarem sentimentos e emoções liberta das pressões do dia-a- dia assim como das preocupações.Os africanos têm uma cultura riquíssima no que diz respeito a folclore,música e dança. São um modo de preencher os seus dias ao som dos tambores, da guitarra ou da lira.

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento

    01-10-2012 às 17:42:06

    Realmente as danças são consideradas muito importantes na cultura africana. Mas, o continente africano é gigantesco e rico em muitos outros tipos de cultura e diferenças, que apensar enriquecem ainda mais as tradições e a cultura em geral. A dança se destaca em meio a cultura africana pelos fatos que a própria autora citou. Nesta região, a dança é incorporada a varias situações da vida, o que muitas vezes não acontece em outros lugares. Parabens.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    30-09-2012 às 06:48:10

    é nítida a importância da dança na cultura africana,percebe-se que para a cultura deles não há sentido se não existir a dança.A importância da dança para a cultura africana evidencia-se bastante aqui no Brasil através da cultura afro brasileira que incorporou muitas das tradições e costumes originais da África e nisso a dança ocupa um lugar de destaque

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    28-09-2012 às 11:31:19

    Olá leitora, não precisa se chatear"!. Se quer saber o nome das danças africanas ´para seu trabalho, aí vão eles.Segundo eu aprendi há uma grande variedade de danças, integradas no folclore africano. E, de entre as mais conhecidas estão o Quizomba, Tarrachinha, Batuque, Semba, Cúduno, Morna, Acarabé,Muituçu e Coladera.Chegam estas?. Sim porque eles são os reis das danças, dos batuques e sons. Valeu?

    ¬ Responder
  • André BelacorçaAndré Belacorça

    25-09-2012 às 18:51:46

    Penso que para os africanos as musicas tradicionais são muito importantes e "sagradas", eles dançam-nas, emocionam-se, vivem aquele momento como um momento chave nos dias deles, é importante para eles o fazer, é assim que os vejo.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    25-09-2012 às 14:09:02

    A dança em àfrica sempre existiu como uma realidade marcante.Os africanos exprimem-se ao som das suas músicas e danças muito peculiares.Isso faz com que a dança esteja aliada à musica e vice versa.Para s africanos não faz sentido uma sem a outra e são bem apetecíveis de ouvir, ver e dançar.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    23-09-2012 às 22:28:33

    As danças são, de facto, uma parte importante das culturas africanas (uma vez que referir “cultura africana” não é correto, sendo África um continente tão grande e com tantas diferenças, pelo que o peso da dança não será igualmente proeminente em todas as áreas do território). Essa abertura em relação à dança seria certamente benéfica se adoptada por países europeus tradicionalmente mais rígidos, uma vez que a dança traz bem-estar e é muito benéfica.

    ¬ Responder
  • Aparecida de Lurdes Onofrecaah leeh paah

    22-05-2012 às 19:52:53

    caralho voc que escrever sobre danças mais nao tem o nome delas nunca vi isso

    ¬ Responder
  • rafael soares

    13-05-2012 às 18:39:49

    saudades do mano chico

    ¬ Responder
  • Eduardo Santos CorreiaAna Maria

    07-05-2011 às 03:42:07

    Gostei muito do que li sobre os griots,achei interessante a influência musical africana,em todos os sentidos,jazz,blues e os calls.

    ¬ Responder
  • madalena silvamadalena silva

    25-06-2010 às 21:31:51

    preciso dos nomes das danças de gana urgente pra trabalho da escola

    ¬ Responder
  • raquel

    25-06-2010 às 00:50:25

    muito bomso falto os nomes das danças pois era isso que tava precisando

    ¬ Responder

Comentários - A dança como vertente musical africana

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: nickdigital

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios