Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > O poder da música

O poder da música

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Visitas: 5
Comentários: 1
O poder da música

A música, considero ser uma das melhores criações da humanidade. Uma boa musica faz-nos sentir emoções profundas, alegria e ajudar-nos a abstrair-nos da confusão e velocidade estonteante do mundo que nos rodeia e ajuda-nos a centrar no aqui e agora ou pura e simplesmente nos nossos sentimentos.

Grandes compositores e granes letras fazem parte da nossa memória coletiva, inclusivamente marcam momentos históricos significantes. Algumas das melhores letras foram escritas e interpretadas em momentos significativos da história mundial ou outras devido à escolha de alguém passaram a ser hinos que nos remetem para certos eventos históricos.

Devemos também referir o poder curativo da música não só no nosso quotidiano, em que muitas vezes não temos noção do ótimo efeito que faz ao nosso estado de espirito o rol de musicas que ouvimos no radio enquanto trabalhamos, bem como existem tratamentos médicos que usam a música como forma terapêutica no tratamento de crianças que necessitem de um especial cuidado na educação.




Também surgiram grandes movimentos artísticos (dança e pintura) que tiveram as suas raízes no uso da música como musa dos seus autores (Andy Warhol e o Studio54, etc).

A música inspira-nos e leva-nos a querer soltar o artista que há em nós, quantas vezes ao ouvir um determinada faixa, não começamos na nossa mente a construir um cenário ou sequência de imagens para complementar o que estamos a ouvir. É daqui que advêm os vídeo clips que agora tornaram-se tão ou mais importante do que a música que acompanham.

O ser humano seria realmente muito diferente sem este fenómeno que chamamos de música, o que seria dos nossos dias, das nossas manhãs a caminho do trabalho, que seca deve ser ter de trabalhar sem ter a possibilidade de ter musica a passar na rádio ou no computador. Para mim seria o mesmo que me cortarem um braço.

Use a música como um escape do dia a dia, seja no trabalho ou em casa, cante e dance aquelas músicas que tanto gosta e verá o que tem andado a perder. Curta o som!


Bruno Jorge

Título: O poder da música

Autor: Bruno Jorge (todos os textos)

Visitas: 5

609 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 20:42:27

    A música tem o poder tanto para o bem como para o mal. Nós temos que saber discernir quais que nos prejudicam. E nos aproveitar daquelas músicas que tanto nos colocam em alto astral.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - O poder da música

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios