Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Como sobreviver a uma tempestade sonora

Como sobreviver a uma tempestade sonora

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Visitas: 2
Comentários: 16
Como sobreviver a uma tempestade sonora

Os dias começam sempre da mesma maneira. A cidade mexe-se sempre ao mesmo ritmo, e dentro habitam sempre os mesmos habitantes em frenética rotina rumo aos mesmos sítios de sempre. Bem há algumas diferenças.

Hoje o céu cobriu-se de pássaros negros que voavam em sincronizada celebração, possivelmente pelo delírio terreno que fazia subir as vibrações até ao infinito.

E as pessoas deixaram-se levar por essas mesmas ondas sonoras. Sem quererem envolveram-se num registo único em que o silêncio era interrompido por ondas crescentes compostas de uma abnegada vontade de levar a perfeição até ao limite da resistência humana.

Cada um encontrou-se consigo mesmo na sua própria dimensão, de vontade própria, com a sua infinita capacidade de criação sem que fosse domesticado a um formato já gasto de tanto ser usado e ainda assim tão lucrativo!




E não podia terminar assim o delírio, a água, ela própria envolvendo toda a beleza e a destruição provocada pela mão perversa do ser humano, começou a elevar-se, gota por gota, enquanto uma guitarra e duas mãos assinaláveis, dedilhavam um conjunto de sons que faziam prescrever qualquer noção de maldade humana. Contraditório, mas o ser humano é assim mesmo...

E o que dizer de dias que começam em oníricas sensações de desapego pelos bens materiais, como se apenas fosse possível alcançar a felicidade pela natureza própria de cada um, por sua vez em absoluta comunhão com a mãe natureza.

E ainda assim as pessoas seguem absortas na sua vontade de viver sempre um pouco mais do mesmo, com limites impostos e impostos para todos os gostos, agudizando dentro das suas cabeças os insuportáveis silêncios ensurdecedores que aliviam apenas a culpa pelo seu egoísmo que as impede de ser cúmplices com a beleza de cada som que as rodeia.

Da mesma maneira que os dias assim começam, quando seguem caminho por direções imprevistas podem encontrar novos estímulos que levam os ouvidos a degustar as impossíveis notas saídas de espíritos que apenas circundam a dimensão em que elas vivem.

E à noite, quando se deitam, possivelmente com as dores de cabeça e a felicidade alcançada por mais um dia de rotina assassina, é possível, ainda assim, que se escutem os sons saídos das suas almas, presas aos corpos que se auto-limitam ao que lhes é impingido.


António Borges

Título: Como sobreviver a uma tempestade sonora

Autor: António Borges (todos os textos)

Visitas: 2

661 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 16 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 19:08:38

    Todos os dias temos tempestades que podemos passar e aprender com eles. Muito bom texto!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãorita crespo

    20-09-2012 às 11:11:13

    Já descobri como se vota! Espero que continues a dar vazão à tua vocação!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoLuiza Caetano

    08-09-2012 às 13:45:26

    "E o que dizer de dias que começam em oníricas sensações de desapego pelos bens materiais, como se apenas fosse possível alcançar a felicidade pela natureza própria de cada um, por sua vez em absoluta comunhão com a mãe natureza."

    Concordo plenamente com esta tua postura literária, até porque comungo com ela no que se refere á fuga às habituais carneiradas com objetivos mais ou menos rotineiros. Sem criatividade nos seus caminhos de vulgaridade quotidiana. A imposição do Yes Sir tem muita força junto daqueles que não tem força, nem ânimo. Não estão nem aí para a sublime espiritualidade com a mãe natureza.
    PARABÉNS pelos textos que são excelentes e pela coragem de ires em frente. Muita Força e Muita Luz, Manuel Marques. Beijos.

    ¬ Responder
  • António BorgesAntónio Borges

    12-09-2012 às 10:13:53

    Obrigado pelas palavras, pela força, pelos elogios. É sempre um privilégio ter um comentário teu! Beijinhos e abraços!!!

    ¬ Responder
  • Dolores Jardim

    05-09-2012 às 21:24:26

    Boa-tarde, meu dileto amigo e autor que saudades!
    Como é gratificante ter diante de meus olhos um texto que realmente faz valer a pena.Ler, e reler e não querer que chegue o final, para poder sorver cada palavra que escreves com a realidade latente a que estamos convivendo.

    Amei intensamente este texto teu, pela veracidade que nele imprimiste, o que aliás é teu estilo.

    Parabéns e continua sempre assim, exatamente assim.

    Forte abraço e beijos
    Dolores Jardim

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarlos Fonseca

    05-09-2012 às 17:13:29

    Excelente este teu texto, gostei bastante,há muito tempo que não lia nada teu. Obrigado.

    Aceita o meu grande e fraterno abraço!

    ¬ Responder
  • TERESA AMARAL

    05-09-2012 às 16:38:23

    Boa tarde , como eh bom voltar a te ver por aqui e escrevendo, saudades dos teus textos, das tuas poesias, enfim saudades de ler algo que me diga alguma coisa. Ateh sempre meu amigo, bjo

    ¬ Responder
  • António BorgesAntónio Borges

    05-09-2012 às 21:38:11

    olá! obrigado pela visita! espero que voltes rápido, porque inundarei este sítio com estas pequenas crónicas de como sobreviver, sempre com uma canção portuguesa como inspiração!!! abraços!!!

    ¬ Responder
  • Virgínia de Sá

    05-09-2012 às 15:56:30

    Sou transportada para um Universo paralelo, o da escrita, que me faz lembrar a delícia que é essa excelente terapia de deixar à solta o nosso cavalo da imaginação. E como soltas esse cavalo!!! Ainda bem que voltaste. Abraço. Sempre.

    ¬ Responder
  • Paulo Vajão

    05-09-2012 às 14:46:52

    Não me surpreende a tua excelente escrita, um Forte Abraço!!!

    ¬ Responder
  • António BorgesAntónio Borges

    07-09-2012 às 00:04:32

    grande abraço amigo Paulo obrigado pela visita e pelos elogios!

    ¬ Responder
  • Paula Victorino

    05-09-2012 às 13:01:04

    Hoje a rotina obscura e asfixiante foi quebrada pelo poder da "PALAVRA" Saudades de te ler, meu amigo.
    Um beijinho imenso para ti, e os meus parabéns ao NERO eheheh....:)

    ¬ Responder
  • António BorgesAntónio Borges

    05-09-2012 às 14:55:16

    pelo Nero obrigado!!! :), pela visita ainda mais e não te esqueças de voltar!!! beijinhos!!!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoElsa Pacheco

    04-09-2012 às 20:43:23

    Muito bonito! Parabéns!

    ¬ Responder
  • António BorgesAntónio Borges

    05-09-2012 às 11:33:57

    olá! obrigado pela visita, volta sempre é isso que dá alegria!!!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoManuel

    05-09-2012 às 21:32:38

    obrigado amigo Carlos! grande abraço e volta sempre que os textos irão continuar!!!

    ¬ Responder

Comentários - Como sobreviver a uma tempestade sonora

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios