Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Como sobreviver a uma sociedade de consumo

Como sobreviver a uma sociedade de consumo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Comentários: 3
Como sobreviver a uma sociedade de consumo

Se a vontade fosse mais forte que o desejo podias sair nesta mesma estação, longe do rebuliço e das ofertas mirabolantes que apenas te esvaziam a carteira.

Claro, não compras, não desfrutas, já sabes que as consequências são sempre fatais, como a mulher que amas.

Penso que ficaria mal falar em homens fatais, é que teria de imaginá-los como a Jessica Rabbit e ela é única dentro dos seus sensuais pixeis que agradam tanto a miúdos e graúdos, aproveitas e procuras pelo dvd, pode ser que haja alguma edição especial com doze discos cheios de extras. Passas por uma loja de eletrodomésticos e aquela televisão ficava mesmo a matar lá na sala, só que tens de arranjar as unhas, o cabelo e as tuas amigas esperam-te.

Espera, desviei-me do assunto, mas o problema das sociedades de consumo são isso mesmo, a panóplia de cores e sabores, aromas e odores desviam-te tudo do devido sítio e acabas por nem ter vontade própria.

Voltando à estação, há um pequeno centro comercial, mas isso já tu sabias, está-te no sangue buscar sítios desses, com escadas para subir e descer, títulos apelativos de gente conhecida, algo que gostarias de ser, mas que não podes, não foi para isso que nasceste.




De tempos a tempos dizem-te que pertencer a uma sociedade dessas é um pecado, que és culpado dos teus atos tresloucados de gastar dinheiro em coisas supérfluas, de tal maneira que nem ficas com dinheiro para pagar as contas do costume. Espera, para isso há aquele cartaz com um menino de África, a morrer de fome e com um olhar suplicante. Pensas na sorte que tens, continuas o teu caminho, sem nada fazer, apenas pensando que és um filho de Deus com o menino, apenas mais afortunado.

Pensaste no menino, porventura já comido pelas moscas, dás graças tua pela sorte e segues caminho. Já te sentes bem e a sociedade de consumo agradece isso mesmo, deu-te as aparências, fez-te sentir culpado, para te lembrar a humanidade que te habita mas agora é tempo de a sustentares.

Para sobreviveres aos teus hábitos bastaria pensar pela tua cabeça, ou então segues os conselhos dos teus verdadeiros donos e baixas a cabeça, culpabilizas-te com a crise e aceitas o castigo, algo cíclico mas que não imaginarias que te tocasse no plo.

Então que esperas que te diga? Também gosto de ir cortar o cabelo embora não ligue assim tanto às unhas, e a Jessica Rabbit é possível que apareça por aí numa qualquer edição especial com o seu coelho a explicarem como foi fazerem o filme naquela altura. Espera... mas eles são apenas produto de uma sociedade de consumo e agora é pecado sequer gostar disso.


António Borges

Título: Como sobreviver a uma sociedade de consumo

Autor: António Borges (todos os textos)

Visitas: 0

601 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 20:02:25

    A cada dia está a aumentar o consumismo em nossa sociedade. Mesmo com tantas crises, desperdícios, o consumo ainda se encontra fortemente enlaçado em muitas pessoas. Agora, até nas crianças isso já é evidente, o que nos deixa tristes e preocupadas.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDomingues

    06-09-2012 às 17:25:22

    Gostei do que li aqui, retrata de um modo geral o que na verdade somos todos, uma maquina que trabalha com o consumo tresloucado de coisas que servem para nada a não ser encher as nossas mãos de sacos para poder passar no shopping e disser EU COMPREI...
    Mas é como tudo, uns sãos mais que outros e então as mulheres com os seus brincos, perfumes e sapatos são demais.
    Deixo aqui o desafio de o ver a escrever mais textos como os que tem escrito por aqui.
    Abraço e até breve

    ¬ Responder
  • António BorgesAntónio Borges

    15-09-2012 às 01:06:40

    Caro Domingues, agradeço a visita e os elogios. Seguramente voltarei para escrever muitos mais textos, é algo que gosto muito de fazer!

    Abraço e volte sempre!

    ¬ Responder

Comentários - Como sobreviver a uma sociedade de consumo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios