Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > O cliente tem sempre razão

O cliente tem sempre razão

Categoria: Empresariais
Visitas: 20
Comentários: 1
O cliente tem sempre razão

Em vendas, acredita-se que para ser um bom profissional é preciso dar sempre razão ao cliente. Na verdade o cliente tem muitas razões, mas nem sempre está totalmente certo. Alguns empresários até apontam a possibilidade de se desistir de alguns clientes. Parece chocante tal expressão, contudo é preciso admitir que nem sempre o cliente em potencial está preparado para realizar a compra ou o mais correto, nem sempre o cliente quis comprar a imagem e o discurso do vendedor. Afinal é fato que o sucesso da compra deve ser determinado pelo relacionamento do vendedor com o cliente, ao seu poder de persuasão.

A partir dos anos noventa, a ideia de que o cliente deve ser conquistado para efetuar uma compra foi difundida e posta em prática pelas empresas. Essa percepção passa pela ação de oferecer ao cliente o máximo possível para que se sinta satisfeito e efetue a aquisição do produto ou do serviço. Diante dessa realidade muitas empresas modificaram sua conduta e os resultados foram bastante diversificados de empreendimento para empreendimento. Alguns lucraram bastante tendo este tipo de conduta, enquanto outros faliram por tentar fornecer ao cliente benefícios em que a empresa não tinha condições de ofertar.

Com isso houve uma reflexão no mundo empresarial quanto a conduta de venda e do relacionamento com o cliente. Além disso, leis foram estabelecidas para garantir ao consumidor alguns direitos. A ideia de que o clinete tem sempre razão sob o ângulo do desejo do cliente é verdadeiro, contudo sob o ângulo da empresa só será verdadeiro se esta razão concordar com o ponto de vista do estabelecimento, ou seja, se as exigências e desejos do cliente estiverem de acordo com as crenças e metas da empresa. Quando cliente insiste na sua razão e esta não é adequada à empresa, essa relação de compra não acontece, estando o cliente, então, para o empreendimento sem razão. Esta questão exige dois ângulos de visão.

Para uma venda de sucesso é preciso escutar as exigências e desejos do cliente, respeitar seus direitos e caso estes fatores estejam de acordo com os princípios da empresa, o vendedor entra em ação no sentido de conquistar este cliente com técnicas de vendas e garantias que concretizarão o negócio. Um bom negócio é realizado para ambas as partes quando é fornecido pelo vendedor o que é possível de benefício ao cliente, dentro das metas e possibilidades da empresa e quando é adquirido pelo cliente dentro de suas expectativas ou de forma que não o decepcione. Por isso, prometer e fornecer o que a empresa não é capaz de cumprir, só gerará uma imagem negativa e um péssimo relacionamento entre cliente e empresa. Construir um acordo sensato em que ambos lucrem com o negócio é a chave do sucesso no mundo das vendas e da prestação de serviço.

O cliente tem as suas razões e por isso deve ser respeitado na sua individualidade. Diante disso, o vendedor deve conhecer o cliente, observá-lo e por em prática técnicas de abordagem e de vendas que vão de encontro ao que o cliente entende por benefício, dando a impressão ao comprador de que está sendo valorizado e tendo um atendimento exclusivo. Essa deve ser uma preocupação importante da empresa: valorizar o cliente na sua individualidade e dar razão a ele se esta razão estiver de acordo com os interesses não só do próprio cliente, mas sobretudo da empresa. Razão não deve ser confundida com respeito. O cliente, estabelecendo a compra ou não, deve ser sempre respeitado, mas tratá-lo como rei, mesmo quando está totalmente errado, ou exigindo o que a empresa não tem condições de oferecer, deve ser reavaliado, afinal é a vitalidade da empresa que está em jogo.


Rosana Fernandes

Título: O cliente tem sempre razão

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 20

803 

Imagem por: Torley

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    09-07-2014 às 20:19:42

    Sempre tem, independente de tudo. Tratar bem o cliente acima de tudo.

    ¬ Responder

Comentários - O cliente tem sempre razão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Imagem por: Torley

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios