Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > "O Fado" - Pintura de José Malhoa

"O Fado" - Pintura de José Malhoa

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 204
Comentários: 2
"O Fado" - Pintura de José Malhoa

“ O Fado” de José Malhoa é uma obra muito intensa a nível temático tendo sido por isso motivo de análise ao longo de toda a sua vida, é uma das obras mais conhecidas no estrangeiro. Esta obra mostrou algo de novo na pintura do artista (conjuntamente com a obra “Os bêbados”). Nela é possível denotar a sua vontade de representar o que de mais popular podia haver na Lisboa mais encoberta.

Almada Negreiros definiu a obra de Malhoa “Ele tem que dizer a pintar o que não sabem dizer aqueles que ele pinta! Já não é só de pintura que se trata, concerteza é mais do que isso! […] desde as tábuas do político de S. Vicente na Sé de Lisboa, que este povo admirável nunca mais teve quem lhe tirasse o retrato”.

A obra “ O Fado” do pintor José Malhoa é considerada como «Obra-prima de Malhoa». É um ícone do naturalismo da Pintura Portuguesa. É um quadro feito a óleo sobre tela, com 1525mm por 1855mm datado de 1910.

Teve a sua primeira apresentação pública em 1910 na Exposição Internacional de Arte do Centenário da República da Argentina, em Buenos Aires com o título Bajo el Encanto na qual obteve uma medalha de ouro. Só em Janeiro do ano de 1912, num evento realizado por Augusto Gama, seu amigo e discípulo a obra fez parte duma exposição denominada “José Malhoa” e foi exposta em Portugal, na cidade do Porto.

Sous le Charme foi o título da obra no Salão de Paris para onde seguiu após a exposição do Porto e após este esteve patente em Liverpool com o título The Native Song. No ano de 1915 esta obra viajou até S. Francisco, e esteve exposta na Panamá – Pacific International Exposition. Esta obra só esteve exposta no ano de 1917 em Lisboa na 14ª exposição da Sociedade Nacional de Belas Artes, após a qual foi adquirida pela Câmara Municipal de Lisboa, e foi colocada no salão nobre dos Paços do Concelho (na época Sala de Sessões) onde esteve até passar para a exposição permanente do Museu da Cidade.

Á data de hoje a obra encontra-se no Museu do Fado na mesma cidade, tendo sido cedida temporariamente pelo Museu da cidade para fazer parte da exposição integrante do museu do Fado. O Museu do fado oferece ao público um tributo ao fado e aos seus divulgadores. Neste mesmo local é possível ver uma das obras testemunho do universo do fado e da influencia de José Malhoa, O mais Português dos quadros a óleo, de João Vieira, 2005. Muitas foram as obras inspiradas por este quadro e muitas vezes este foi representado por diversos artistas nos mais variados materiais e técnicas de expressão plástica.

A obra «os Bêbados» de 1907 parece mostrar uma sociedade rural que vem corresponder ao individualismo na transgressão moral e urbana do «Fado» de 1910.

«O Fado» é uma homenagem boémia e marginal da sociedade Lisboeta de inícios do século XX pouco representada na altura. Existem duas versões de “O Fado” uma pintada em 1909 e outra em 1910, as duas puderam ser vistas lado a lado numa exposição comemorativa de cem anos na Sociedade Nacional de Belas-Artes em Lisboa. O proprietário da obra datada de 1909 é o empresário Vasco Pereira Coutinho. Esta é uma obra que sintetiza socioculturalmente um povo de uma época.

Nesta obra o artista procurou modelos reais, e um ambiente popular adquirido através da Mouraria, bairro mal “falado” de Lisboa. As suas personagens foram encontradas por lá mesmo, Amâncio, (que conheceu através do fotografo Júlio Novais) arruaceiro e tocador de guitarra e a sua amante Adelaide da Facada (que deve o seu nome à cicatriz que tinha no lado esquerdo da face e era considerada por muitos de fama duvidosa). A acção aqui representada tem como cenário o interior de uma habitação numa zona da Lisboa popular, aquilo que se julga a casa da própria Adelaide (Malhôa realizou alguns estudos para este quadro das personagens integrantes no mesmo).

Existe uma relação entre o título da obra “O Fado” e aquilo que se encontra representado na obra. O fado encontra-se representado de uma maneira característica, as suas personagens, a envolvência do ambiente, a melancolia foi uma inspiração para o quadro. Na obra de Malhoa figurou uma classe baixa da sociedade pouco representada. É uma obra cheia de referências tipicamente portuguesas.

Foi um quadro que viajou por alguns países e agora se encontra na cidade que se representa nele, Lisboa. O seu sentido documental de imagens retratava aquilo que era uma parte da sociedade. Foi uma obra que viveu uma “vida” intensa, tendo viajado por muitos países e tendo sido vista e interpretada por muitas pessoas de características muito diferentes e que ficaram a conhecer algo que de tão português existe o fado e a obra de José Malhoa.


Sónia Henriques

Título: "O Fado" - Pintura de José Malhoa

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 204

776 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 02:57:32

    O fado que ultrapassa a música, agora em forma de pintura e isso é genial! Muito linda a história.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãorita

    28-01-2013 às 19:53:27

    que amor de texto sobre o FADO, gostei e aprendi que afinal Fado nao é só musica "triste" da "saudade" ou do destino , mas um maravilhoso quadro de nome FADO

    ¬ Responder

Comentários - "O Fado" - Pintura de José Malhoa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Viagens
Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco\"Rua
Não é novidade para ninguém que o Brasil está passando por uma séria crise econômica e política. Atrelado a isso, a elevação do dólar nos últimos meses tem contribuído para a queda considerável no número de viagens internacionais. Para os amantes de viagens, também chamados travelholics, a crise não é um motivo para adiar aquela viagem tão esperada.
Nesse post você terá dicas de como superar esse momento e realizar seu sonho de uma forma mais econômica, sem precisar de guias turísticos, que encarecem ainda mais a viagem.

Dica 1) Planeje sua viagem com antecedência.
Provavelmente a maioria já ouviu falar disso, mas é a pura verdade. Programar a viagem é o primeiro passo para uma estadia tranquila e bem mais barata. Escolher o destino, a época do ano e com quem ir é o começo de tudo. As passagens aéreas costumam ter preços promocionais quando comprada com antecedência e você poderá escolher melhor onde passará as noites.

Dica 2) Pesquise os preços das passagens diariamente.
Se o destino já está definido, comece a buscar as passagens já. Os preços costumam variar diariamente, e sim, podem cair ou subir absurdamente de um dia para o outro. Eu super indico o Google Voos como busca de passagem. Ele apresenta os valores e os horários das mais variadas companhias aéreas e no final, te redireciona para o site da empresa sem te cobrar nenhuma taxa por isso. Além disso, ter em mente a opção de flexibilizar as datas pode te possibilitar um bom desconto no final. Você e o seu vizinho de assento podem estar indo pro mesmo destino, mas pagando valores completamente diferentes.

Dica 3) Use e abuse do Google Maps para escolher a região de hospedagem.
O Google Maps é uma opção de busca com mil e uma utilidades. Depois de escolhida a cidade, pesquise a localização dos principais pontos turísticos que são do seu interesse. Há várias ferramentas para busca de hotéis e pontos turísticos no site. Se você vai depender de transporte público ou ''viação pé'' para conhecer a cidade, uma boa dica para economizar tempo e dinheiro é ficar na região cultural da cidade. Você poderá pagar um pouco mais caro na estadia, mas economizará em outros quesitos.

Dica 4) Utilize os sites de busca de hotéis para fazer as reservas.
Depois de muito pesquisar, descobri que organizar a viagem por conta própria pode sair até pela metade do preço do que seria através de uma agência de viagem. Existem muitos sites de hotéis, mas é bom pesquisar sua credibilidade em fóruns e sites de reclamação. Minha sugestão é o Booking.com, há anos no mercado com milhões de clientes, ele é reconhecido pela sua transparência e grande assistência àqueles que precisaram resolver algum problema. Utilizando as datas de entrada e saída, e os filtros como valor máximo da diária e número de estrelas, você encontra o melhor hotel pro seu gosto e seu bolso.

Dica 5) Seguro Viagem
É imprescindível a contratação de um seguro viagem se você está indo para o exterior. Dependendo do país, uma diária no hospital pode sair mais cara que toda a viagem. Sem falar que em caso de extravio de bagagem e algum problema mais grave com um parente próximo no país de origem, além de outras questões, o seguro tem a cobertura específica. Não se deixe levar pelos pequenos preços. Procure aqueles conhecidos mundialmente e, de preferência, utilizado por algum conhecido. Quanto mais detalhado for, melhor.

Dica 6) Curta a pré-viagem pesquisando
O período antes da viagem é tão gostoso quanto ela, propriamente dita. Aproveite para pesquisar sobre os locais do seu interesse, restaurantes, lojas e principalmente transporte. Hoje, já existe taxímetro online em grandes metrópoles, onde você pode fazer um cálculo estimado da corrida de um lugar a outro. Como o nosso objetivo é a economia, são muitas as alternativas de transporte. Além do bom e velho ônibus, as vans compartilhadas do aeroporto para o hotel podem sair bem mais em conta que o táxi. Para quem for ficar poucos dias em uma grande cidade, os ônibus vermelhos de dois andares, conhecidos por Hop On Hop Off, dão uma geral na cidade, passando pelos principais pontos e possibilitando ao turista parar onde quiser, e esperar pelo próximo nos pontos indicados. Existem ticktes de 24, 48 e 72 horas ilimitado, a partir do momento do primeiro uso.

Pesquisar mais textos:

Letícia Spínola Flávio

Título:Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Autor:Letícia Spínola Flávio(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Adriana SantosAdriana Santos

    10-11-2015 às 21:16:50

    Gostei das dicas! Valeu!
    Realmente, as pessoas que amam viajar encontram diversas formas, nem que seja um lugar próximo a sua cidade!

    Abraços!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios