Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Alcobaça, Um Símbolo Nacional

Alcobaça, Um Símbolo Nacional

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 2
Alcobaça, Um Símbolo Nacional

Possuía um grande significado político, a nível interno e externo, pois Cister, nesta altura, tinha tanto poder como o Papado. A dimensão e riqueza que alcançou rapidamente transformaram a abadia alcobacense numa das principais estruturas económicas e políticas do país – uma situação que se manteve praticamente impecável até ao reinado de D. José I.

Eles produziam quase tudo o que necessitavam, e o que não conseguiam produzir, utilizavam os excedentes para obter. São os grandes povoadores da Idade Média e os grandes pioneiros dentro da Europa Medieval.

Estamos a falar de pessoas com grandes estudos na área da energia hidráulica. Alcobaça beneficiou das alterações no sistema de cultivo, pois tornaram-se cada vez mais produtivos.

Alcobaça segue o modelo da abadia-mãe de Claraval II, devido à sua filiação e proximidade cronológica (não podemos esquecer que os monges de Alcobaça eram beneditinos, solicitados por D. Afonso Henriques para construírem o Mosteiro de Alcobaça), e portanto percebemos as semelhanças entre a cabeceira de Alcobaça e a cabeceira de Claraval II – semi-circular – com a utilização não só da régua e do esquadro, mas também do compasso.

A nível de curiosidade, o facto de os muros das capelas radiantes não baterem com os contrafortes, mostra-nos que estamos numa fase de experimentação, pois no Gótico pleno isto jamais aconteceria, apenas por uma questão de lógica, ou seja, esta situação provoca grande pressão nas paredes e estas podem cair.

Alcobaça tem uma planta de três naves de igual altura, as naves laterais tem metade da largura da nave central (lembrando-nos corredores) e nove capelas radiantes. Havia ainda um dormitório, onde os monges dormiam todos juntos, símbolo da união, um refeitório e um púlpito neste.

Segundo Virgolino Jorge, a unidade de medida em Alcobaça foi o pé real francês, visto que o projecto veio de Claraval. Encontrou as seguintes dimensões: 16 pés (profundidade das capelas radiais, largura do deambulatório, intervalo médio entre os pilares da nave, largura do parlatório e largura das galerias do claustro), 32 pés (cruzeiro da igreja e largura da nave central), 48 pés (largura do transepto), 64 pés (altura interior do transepto), 160 pés (comprimento do transepto) e 320 pés (comprimento da igreja).


Daniela Vicente

Título: Alcobaça, Um Símbolo Nacional

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 2

615 

Comentários - Alcobaça, Um Símbolo Nacional

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios