Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > No jardim..

No jardim..

Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 14
Comentários: 1
No jardim..

Para se fazer uma omeleta tem de se ter ovos. Da mesma maneira, quem quiser exercitar os seus dotes “jardinísticos” e pretender obter bons resultados precisará de se munir de utensílios adequados. Para começar, é fundamental adquirir uma mangueira, fertilizante, sementes e luvas de jardinagem. Depois de algum tempo, porém, a lista tende a aumentar…

Quando a única coisa que se tem é o gosto pela jardinagem, sem muita certeza do tempo que se lhe pode despender ou do talento inato (ou falta dele), é melhor que o estreante opte por fazer plantações em vasos ou em pequenas filas no jardim, atentando à incidência e rotação do sol. Experimentar a arte de jardinar em coisas simples, para além de evitar desperdícios e a morte em série de plantas e flores, permitirá detectar mais facilmente os erros cometidos e aprender os truques e os segredos, até porque a atenção se encontra mais focalizada, por ter menos por onde se dispersar. Digamos que é um “auto-estágio”… Nesta empreitada, uma ideia que pode ser útil é a de escrever um memorando das actividades, anotando as que resultam e aquelas que, pelo contrário, devem ser melhoradas para a próxima plantação.

Normalmente, na manutenção dos jardins incorre-se em excessos como a rega em demasia (Com medo que as sementes passem sede, acaba-se por afogá-las. É caso para dizer que «não morrem do mal, morrem da cura» …), a fertilização excessiva (Há pais que fazem o mesmo com os filhos – “adubam-nos” tanto que, além de crescerem para cima, desenvolvem-se muito também para os lados…) e cortes demasiado frequentes (Porque quererão jardineiros de ocasião converter-se em cabeleireiros desastrados que deixam “carecas” as pobres plantinhas?...).

Quando se faz a selecção das espécies a dispor, há que prestar atenção para saber se e quais delas necessitam de cuidados e/ou condições climatéricas especiais. É ainda conveniente medir periodicamente o PH do solo. O controlo deste valor pode ser efectuado com o auxílio de um kit apropriado, à venda nos centros de jardinagem, a fim de evitar despesas na contratação de um especialista. De acordo com o resultado captado pelo aparelho, saber-se-a se o terreno precisa de fertilizante ou de uma nova camada de terra. Os níveis de nutrientes e minerais devem, igualmente, ser verificados com relativa frequência. É fundamental criar as condições mais favoráveis para que as plantas germinem e atinjam o seu potencial máximo de desenvolvimento. Já agora, uma dica importante: falar com elas torna-as mais viçosas. E, pelo menos, não consta que mandem calar ninguém…

Maria Bijóias

Título: No jardim..

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 14

624 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    17-10-2014 às 14:12:42

    O jardim é um lugar lindo em que nos sentimos bem e com um ar bem agradável. É preciso deixá-lo sempre limpo, organizado e bonito.

    ¬ Responder

Comentários - No jardim..

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios