Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Bonsai: uma arte milenar

Bonsai: uma arte milenar

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 32
Comentários: 5
Bonsai: uma arte milenar

Árvore em bandeja é o significado de bonsai em japonês. A prática de colocar plantas em vasos na verdade surgiu com os chineses, mas foram os japoneses que aprimoraram a técnica. Essa técnica consiste em criar uma árvore natural em miniatura, seguindo todos os processos pelos quais a planta passaria se estivesse no seu meio ambiente. Não é só questão de poda e adubação, mas, sobretudo, de habilidade e dom artístico. O resultado é belíssimo e tem atraído muitos adeptos por todo o mundo.

Há bonsais de vários tipos e tamanhos, mas eles seguem três estilos distintos: árvores com um tronco e eretas, árvores com tronco composto e raízes aparentes e árvores com o tronco direcionado para baixo. Esse tipo de jardinagem requer tempo e dedicação. Mas quando se começa a praticá-la o resultado é incontestável: beleza artística e equilíbrio emocional.

Com os cuidados adequados um bonsai pode viver muitos anos, sendo passado de geração a geração. É o culto à natureza dentro de casa. Mas como manter uma árvore de grande porte dentro de um vaso? Alguns cuidados básicos são necessários. A planta deve receber água frequentemente, deixando-a úmida, numa quantidade equilibrada. A luz deve ser da mesma forma proporcionada à planta; nem muita luz, nem a falta de luminosidade. É importante proporcionar luminosidade igual para toda a planta. Terra e fertilizantes são os componentes que também garantirão, junto com a água e a luz, o belo desenvolvimento de um bonsai. A terra deve ser densa e os fertilizantes controlados. Buscar informações sobre a poda também é fundamental. A cada período de dois anos é recomendável que o bonsai mude de reservatório e tenha suas raízes podadas. É a poda que garante a escultura da planta e que a mantém em menor proporção, além de ser a marca própria do bonsaísta.

Para os interessados em iniciar nessa arte milenar oriental há vários cursos que dão as informações necessárias para a prática dessa técnica. Alguns atributos também são relevantes para quem quer aventurar-se nessa arte natural. Sensibilidade, percepção e paciência são as características que os bonsaístas devem ter para que um bonsai fique saudável e bonito. Para os amantes de bonsais, a prática serve como hobby ou terapia.

O resultado é uma obra de arte que também serve de decoração. Contudo é preciso estar atento ao adquirir um bonsai de que há espécies que não são indicadas para o interior da casa, mas sim para o jardim. Também é imprescindível observar muito a planta a fim de identificar quando ela não está bem ou por ventura ataques de parasitas, muito comuns, já que o bonsai é uma planta natural. É indicado, para a aquisição de um bonsai, tomar cuidado com a real procedência desta planta ou arbusto. Não são raros os casos de plantas de porte menor ou ainda plantas novas em fase de crescimento serem vendidas como bonsais. Os bonsais mais belos são aqueles com tronco grosso e com aparência envelhecida e copa densa e de um verde intenso.

Bonsais são sinônimos de interação entre o homem e a natureza. Prova de carinho, atenção e dedicação. É possível se passar horas observando um bonsai, seu crescimento, seu formato, sua beleza. Essas plantas são prova da longevidade e da ação do tempo em nossas vidas. Cuidar de um bonsai é alimentar a sensibilidade.


Rosana Fernandes

Título: Bonsai: uma arte milenar

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 32

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    12-10-2014 às 13:19:22

    Um bonsai em casa é maravilhoso! Visto ser uma arte milenar traz grandes benefícios e cuidados especiais. É muito bom ter um bonsai.

    ¬ Responder
  • Selma

    25-10-2012 às 20:02:58

    meu bonsai de cipreste esta lindo, de repente amarelou e acho que morreu.Existe salvação ou devo mantê-lo bem aguado para ele vivificar?

    ¬ Responder
  • ROGÉRIO DIAS

    14-10-2012 às 02:22:55

    NÃO SÃO APENAS 3 ESTILOS.
    Formal Direito
    (CHOKKAN)
    Um tronco direito,vertical, que se prolonga até o topo da árvore e vai afunilando uniformemente da base até ao ápice. Este estilo é mais apropriado e associado às Coníferas Bonsai.

    voltar

    Informal Direito
    (MOYOGI)
    Este é o estilo de Bonsai mais comum. O tronco efetua uma série de curvas que começam na base e continuam até o ápice numa escala decrescente. Este surge habitualmente associado ao afunilamento uniforme. Utilizando em árvores coníferas ou de folha larga.

    voltar

    Inclinado/Oblícuo
    (SHAKAN)
    Está é uma variante dos estilos formal e informal direitos.
    O tronco está inclinado naturalmente ou para a direita ou para a esquerda .
    As coníferas e as espécies de folha larga podem ser tratadas dessa forma.
    voltar

    Vassoura
    (HOKIDACHI)
    De todos os estilos de Bonsai, é o mais autentico na semelhança ás árvores. O tronco é direito. Os ramos abrem-se em leque (bifurcando-se) para formar um dossel cupuliforme e simétrico. É melhor confiná-los às espécies de folha larga.

    voltar

    Semicascata
    (HAN-KENGAI)
    Este estilo imita uma árvore na orla de uma montanha. Os ramos mais baixos caem em cascata, abaixo da borda do vaso. É vulgarmente utilizado para coníferas e, por vezes, para espécies de folha larga.

    voltar

    Cascata
    (KENGAI)
    Inspirado na imagem de uma árvore presa á superfície de um penhasco, o seu ponto inferior, neste estilo, deve cair á baixo da base do vaso. Este estilo (bem como os estilos semicascata ) dão-se melhor se forem plantados em vasos mais fundos do que largos. É melhor utilizá-lo em coníferas, visto que as espécies de folha larga podem enfraquecer nos seus pontos mais baixos.
    voltar
    Estilos não Clássicos

    Varrido pelo Vento
    (FUKINAGASHI)
    O nome diz tudo. É provavelmente o estilo mais difícil de criar com algum êxito. A árvore de parecer estar numa encosta exposta a uma erosão do vento e não como se fosse cair. Pode ser usado para todas as espécies de árvores.

    voltar

    Raízes Expostas
    (NEAGARI)
    Semelhante ao “Raízes na Rocha!”, mas sem rocha, este estilo dramático é raro, visto ser difícil de criar e, conseqüentemente, é bastante apreciado.

    voltar

    Madeira Flutuante
    (SHARIMIKI, SABAMIKI)
    Um estilo abstracto, baseado em árvores de montanha que tiveram partes de casca arrancadas pelos elementos da natureza ou por doença. Áreas de madeira flutuante (“DRIFTWOOD”) (Shari), descoradas com sulfato de cal, imita o crestado provocado pelo Sol e contrastam, com beleza, com a folhagem.

    voltar


    Literati
    (BUNJINGI)
    Recebe o nome de um grupo de sábios chineses que o instituíram. Este estilo implica uma simples conífera com um tronco delgado e folhagem mínima. Representa uma árvore que em tempos se encontrava na ora de uma floresta , mas que agora é a única que aí permanece. É apropriado para coníferas; habitualmente usado nos pinheiros.

    voltar

    Plantado na Rocha
    (ISHITSUKI)
    É como uma paisagem em miniatura. Uma rocha grande tem cavidades, naturais, ou feitas pelo homem, mas quais são plantadas as arvores.
    As árvores são moldadas de acordo com as suas posições relativas na falsa montanha. Por questões de escala, funciona bem com as coníferas.

    voltar

    Tronco em Aspiral
    (Bankan)
    Um estilo não-natural que envolve um tronco artificialmente espiralado ou torcido. Outrora comum na China, está hoje praticamente extinto. Qualquer espécie pode ser destruída por este estilo lhe ser aplicado.

    voltar

    Floresta
    (YOSE- UE)
    Pode ser usada qualquer quantidade de árvores, desde que tenham linhas harmoniosas e diferentes espessuras de tronco. Até perfazer uma dúzia, é mais fácil trabalhar números impares de árvores a partir daí, é indiferente. No entanto, espécies com folhas pequenas oferecem melhores resultados.

    voltar


    Raízes na Rocha
    (SEKIJÔJU)
    Imita uma árvore á crescer na orla rochosa de um curso de água, onde grandes caudais provocaram erosão do solo e expulsara, as raízes, que estão agarradas à rocha. Espécies coníferas ou de folha larga, com raízes fortes e grossas são as melhores.

    voltar


    Aglomerado
    (NETSUNAGARI, IKADABUKI)
    Árvores tombadas podem sobreviver se se enterrarem no solo novas raízes a partir do tronco. Os primeiros ramos crescem para cima para formar novos troncos. Esta forma deve seguir o critério dos estilos de floresta. Podem ser utilizadas árvores de folha larga ou coníferas.
    voltar


    Tronco Duplo
    (SÔJU)
    Este estilo implica um tronco maior e outro menor, juntos na base. Se os troncos estiverem separados, trata-se do estilo conhecido como “mãe e filho”. O termo japonês permanece o mesmo para ambos os estilos de troncos aos pares.
    voltar


    Plantação em Grupo
    (KABUDACHI)
    Este imita o fenômeno natural , que por vezes ocorre quando uma árvore morre ou é derrubada. Novas hastes brotam do tronco e crescem juntas e em simultânea na base. São utilizadas árvores de folhas largas porque não há muitas coníferas que renasçam de tocos antigos.
    voltar

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    09-09-2012 às 18:04:49

    O bonsai é um elemento muito interessante para ter em casa. Contudo, não é uma planta normal que nós temos em casa. Os bonsai são mais sofisticados, sendo indicados para colocar em cima dos móveis. Todavia, são muito mais exigentes. Eu já tive um, mas após um ano começou a ficar sem folha e a secar, e morreu mesmo. Fiquei muito triste, até porque são caros. Até hoje não sei o que aconteceu.

    ¬ Responder
  • Alisson PereiraAlisson Pereira

    02-01-2010 às 14:02:34

    Preciso que lguem me de umas dicas de como cuidar de uma bonsai.

    ¬ Responder

Comentários - Bonsai: uma arte milenar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios