Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Aprenda a regar as suas plantas

Aprenda a regar as suas plantas

Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 2
Comentários: 1

Regar as plantas, qualquer que seja a época do ano, é uma necessidade primordial. As características da água, a frequência e as horas a que se rega influenciam decisivamente o crescimento das plantas, a respectiva floração e a qualidade dos frutos (se for caso disso).

Regra geral, as plantas de interior devem ser regadas a partir de cima, isto é, utilizando um regador deposita-se água na superfície da terra onde a planta está enterrada. Deste modo, a terra ficará uniformemente húmida, uma vez que a força da gravidade se encarregará de empurrar a água para baixo.

A rega a partir de baixo é a ideal para plantas com caules congestionados e carnudos (por exemplo, as violetas), com propensão a apodrecer no centro se a humidade for excessiva. Deita-se, então, água no prato do vaso onde a planta está. As raízes deverão ficar bem embebidas, mas cerca de 20 minutos depois da rega é aconselhável escorrer o prato, a fim de que a planta não permaneça assente na água. Esta é também uma excelente forma de aplicar fertilizante líquido.

Há ainda plantas que crescem nas árvores e que, por esse motivo, ostentam raízes pouco desenvolvidas, auferindo a maior parte da água e dos nutrientes através das folhas ou das rosetas. Nestas circunstâncias, a rega deverá processar-se por pulverização das folhas ou pelo preenchimento da concha formada pela roseta das folhas. Quaisquer que sejam os tipos de plantas, elas não devem ser deixadas embebidas em água, nem regadas vezes sem conta, pois assim morrerão mais depressa.

No que se refere a plantas de jardim, as raízes das árvores e os arbustos adultos podem ser irrigados de maneira espaçada. As plantas jovens, por seu turno, precisam de ser regadas todos os dias, durante o Verão, de manhãzinha ou ao fim da tarde (para que o aproveitamento da água seja máximo, devido à menor evaporação desta nestes períodos) e as folhas não devem ser molhadas.

Relativamente às plantas com flores, a recomendação vai no sentido de as regar de manhã cedo, sem molhar as folhas, nomeadamente se houver exposição ao vento. Recorrer a regadores ou mangueiras debaixo de sol quente é absolutamente desaconselhado.

A melhor forma de regar a relva é com água da chuva. Nessa impossibilidade, preconiza-se colocar água corrente num recipiente de plástico e deixá-la ao sol, para que o astro-rei evapore o cloro com que é tratada. Se se tratar de relva de folhas largas, a irrigação deve ter lugar depois do pôr-do-sol e fazer-se por igual, a fim de que não se gerem manchas amarelas.

São pequenos truques que concorrem para o grande prazer da jardinagem!


Maria Bijóias

Título: Aprenda a regar as suas plantas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

792 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    16-10-2014 às 23:31:05

    Ótimos truques que geram um grande efeito nas plantas. Gosto muito de regá-las porque é como se estivéssemos dando vida à elas. Mas, é preciso conhecer cada tipo de planta para que a rega seja na medida.

    ¬ Responder

Comentários - Aprenda a regar as suas plantas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios