Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > A história do jardim e seus tipos

A história do jardim e seus tipos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 12
Comentários: 3
A história do jardim e seus tipos

Os jardins vieram junto com a criação do mundo. Segundo o Gênesis I e II da religião católica, o primeiro jardim a ser apresentado ao homem foi o do paraíso, criado por Deus, e no qual Adão e Eva foram os primeiros habitantes. A composição de flores, folhas, vegetações e animais eram perfeitas neste jardim.

Com a evolução das civilizações, a ciência e a tecnologia aprimoraram-se e o paisagismo ocupou lugar de destaque nas atividades. Nas civilizações da antiguidade pode-se observar a prática da agricultura e a evolução de técnicas de irrigação e drenagem que possibilitaram a construção de hortas e pomares, simbolizando a fertilidade, a força da natureza e o belo.

A Mesopotâmia, com os jardins suspensos da Babilônia, uma das maravilhas do mundo antigo, o Egito, com a simetria rigorosa dos jardins, a Pérsia, com os “jardins-paraíso”, encontrados próximos aos palácios, a Grécia, com a confeção de jardins mais simples e próximos às casas, Roma, com os jardins meramente recreativos, destinados ao descanso, a China, com os jardins “lago-ilha”, uma fantasia oriental de que poderia haver um jardim da imortalidade e o Japão, com a valorização das plantas e do que é realmente essencial, seguindo a antiga filosofia oriental japonesa fazem parte da história dessa expressão artística que hoje continua sendo muito valorizada: o paisagismo.

Na Idade Média houve uma ruptura com os estilos de jardins anteriores. O paisagismo dessa época caracteriza-se pelo estilo gótico e destinava-se mais a jardins familiares. Já no Renascimento houve uma revolução no pensamento humano, renovando além das áreas das artes, cultura e ciências, a história dos jardins. Os jardins dessa época passaram a retomar alguns elementos dos jardins antigos.

Na Itália eram compostos por terrenos maiores, belamente arquitetados com prolongações e galerias externas, servindo de retiro intelectual para artistas e pensadores. A França a princípio seguiu o estrilo medieval de jardim, mas com o passar do tempo, foi transformando seu estilo baseando-se nos jardins italianos, demonstrando grandiosidade e simetria. Na Inglaterra, os jardins adquiriram formas mais graciosas, com vegetações de tonalidades diferentes, pouco número de árvores, ruínas e pequenos bosques. Dois séculos depois, os ingleses criaram os parques e jardins públicos.

Atualmente podem-se destacar alguns estilos de jardins. São eles: o Formal ou Clássico, com forma e composição simétrica e geométrica, o Desértico ou Rochoso, caracterizado por uma paisagem árida e a inclusão de oásis, o Japonês, recheado de simbolismo e adoração às formas naturais, com a presença significativa de pedras e água corrente, o Tropical, com muito verde e flores, pretendendo simular a beleza de uma ilha paradisíaca tropical, o Rural, ambientado em sítios e fazendas, possuindo um estilo mais romântico, o Colonial, incorporando materiais da época colonial e com a presença de fontes e lagos e o estilo Contemporâneo, mais praticado hoje em dia, devido à liberdade da forma que apresenta.

Em um jardim Contemporâneo, a arquitetura do local é integrada à composição do jardim. Sua criação é livre, não seguindo nenhuma rigidez e pode incluir mais de um estilo na sua construção.


Rosana Fernandes

Título: A história do jardim e seus tipos

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 12

786 

Imagem por: hortulus

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    13-10-2014 às 03:50:53

    Muito interessante a história do jardim e seus tipos, pois é possível ver cono tudo é perfeito, independente de qualquer coisa. Adorei seu texto!

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    24-04-2014 às 22:44:58

    A Rua Direita adorou a história do jardim e seus tipos. Realmente, vive-se num mundo de diversidade. Ainda bem, assim pode-se conhecer vários tipos e não ficar na mesmice. Muito bom!

    ¬ Responder
  • filipa

    09-04-2013 às 00:37:17

    valeu gosto muito dos seus textos , que trabalho legal

    ¬ Responder

Comentários - A história do jardim e seus tipos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Imagem por: hortulus

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios