Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > A história do jardim e seus tipos

A história do jardim e seus tipos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 12
Comentários: 3
A história do jardim e seus tipos

Os jardins vieram junto com a criação do mundo. Segundo o Gênesis I e II da religião católica, o primeiro jardim a ser apresentado ao homem foi o do paraíso, criado por Deus, e no qual Adão e Eva foram os primeiros habitantes. A composição de flores, folhas, vegetações e animais eram perfeitas neste jardim.

Com a evolução das civilizações, a ciência e a tecnologia aprimoraram-se e o paisagismo ocupou lugar de destaque nas atividades. Nas civilizações da antiguidade pode-se observar a prática da agricultura e a evolução de técnicas de irrigação e drenagem que possibilitaram a construção de hortas e pomares, simbolizando a fertilidade, a força da natureza e o belo.

A Mesopotâmia, com os jardins suspensos da Babilônia, uma das maravilhas do mundo antigo, o Egito, com a simetria rigorosa dos jardins, a Pérsia, com os “jardins-paraíso”, encontrados próximos aos palácios, a Grécia, com a confeção de jardins mais simples e próximos às casas, Roma, com os jardins meramente recreativos, destinados ao descanso, a China, com os jardins “lago-ilha”, uma fantasia oriental de que poderia haver um jardim da imortalidade e o Japão, com a valorização das plantas e do que é realmente essencial, seguindo a antiga filosofia oriental japonesa fazem parte da história dessa expressão artística que hoje continua sendo muito valorizada: o paisagismo.

Na Idade Média houve uma ruptura com os estilos de jardins anteriores. O paisagismo dessa época caracteriza-se pelo estilo gótico e destinava-se mais a jardins familiares. Já no Renascimento houve uma revolução no pensamento humano, renovando além das áreas das artes, cultura e ciências, a história dos jardins. Os jardins dessa época passaram a retomar alguns elementos dos jardins antigos.

Na Itália eram compostos por terrenos maiores, belamente arquitetados com prolongações e galerias externas, servindo de retiro intelectual para artistas e pensadores. A França a princípio seguiu o estrilo medieval de jardim, mas com o passar do tempo, foi transformando seu estilo baseando-se nos jardins italianos, demonstrando grandiosidade e simetria. Na Inglaterra, os jardins adquiriram formas mais graciosas, com vegetações de tonalidades diferentes, pouco número de árvores, ruínas e pequenos bosques. Dois séculos depois, os ingleses criaram os parques e jardins públicos.

Atualmente podem-se destacar alguns estilos de jardins. São eles: o Formal ou Clássico, com forma e composição simétrica e geométrica, o Desértico ou Rochoso, caracterizado por uma paisagem árida e a inclusão de oásis, o Japonês, recheado de simbolismo e adoração às formas naturais, com a presença significativa de pedras e água corrente, o Tropical, com muito verde e flores, pretendendo simular a beleza de uma ilha paradisíaca tropical, o Rural, ambientado em sítios e fazendas, possuindo um estilo mais romântico, o Colonial, incorporando materiais da época colonial e com a presença de fontes e lagos e o estilo Contemporâneo, mais praticado hoje em dia, devido à liberdade da forma que apresenta.

Em um jardim Contemporâneo, a arquitetura do local é integrada à composição do jardim. Sua criação é livre, não seguindo nenhuma rigidez e pode incluir mais de um estilo na sua construção.


Rosana Fernandes

Título: A história do jardim e seus tipos

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 12

786 

Imagem por: hortulus

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    13-10-2014 às 03:50:53

    Muito interessante a história do jardim e seus tipos, pois é possível ver cono tudo é perfeito, independente de qualquer coisa. Adorei seu texto!

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    24-04-2014 às 22:44:58

    A Rua Direita adorou a história do jardim e seus tipos. Realmente, vive-se num mundo de diversidade. Ainda bem, assim pode-se conhecer vários tipos e não ficar na mesmice. Muito bom!

    ¬ Responder
  • filipa

    09-04-2013 às 00:37:17

    valeu gosto muito dos seus textos , que trabalho legal

    ¬ Responder

Comentários - A história do jardim e seus tipos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: hortulus

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios