Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Raínha do Inverno

Raínha do Inverno

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 10
Comentários: 3
Raínha do Inverno

O nome Japonês para camélia é Tsubaki que quer dizer "árvore de folhas luzídias", pois as suas folhas são de um brilho incomparável. Esta planta foi apelidada como raínha do inverno porque é na estação mais fria do ano que tem lugar a sua floração. A beleza das flores exuberantes dão origem à planta que foi inspiração para muitos artistas.
As camélias são originárias de vários países asiáticos, nomeadamente da China, mas também do Japão, entre outros.

A sua chegada à Europa continua uma incógnita. No nosso país há indícios da sua existência desde o século XVII com as pinturas de azulejos e loiças, com certeza trazidas pelos descobridores ou missionários. No entanto, não existem provas escritas que o confirmem. Há registos que indicam que a primeira planta na Europa terá sido trazida pelos missionários e levada para a Inglaterra em 1739, mais precisamente para a estufa de Lord Petre. De acordo com o Sr. José Marques Loureiro, o mentor da horticultura portuguesa no século XIX, as primeiras camélias chegaram ao Porto entre os anos de 1808 e 1810, pela mão do Sr. Van-Zeller e outros amadores.

A camélia é um género de plantas pertencentes à família Theaceae e produz as flores cujo nome é o mesmo da planta. Apresenta, de acordo com Joana Andersen Guedes, 119 espécies nativas das florestas do sudoeste asiático, China e Japão. É constituído por árvores de porte médio com folhas escuras, lustrosas e com bordas dentadas.

As flores têm dimensões variáveis que vai desde as muito pequenas, comparável ao tamanho de uma moeda, até às muito grandes, como o tamanho da palma de uma mão.
Algumas espécies como a japónica, são as mais cultivadas devido à beleza das suas flores grandes com folhagem densa, escura e lustrosa, e apresenta um porte baixo. A sinesis também pertence a este género e é uma espécie que das folhas se obtem chá.

Só desta espécie são obtidas mais de 3000 tipos diferentes de camélias e pensa-se que hajam entre 5000 a 8000 variedades. As mais comercializadas são as de flores grandes, com pétalas de cores que variam do branco ao vermelho escuro.

A cidade do Porto, também conhecida pela cidade das camélias desde 1880, proporciona agradáveis passeios aos apreciadores desta planta em alguns espaços públicos, nomeadamente o Palácio de Cristal e o Jardim Botánico, onde é possível apreciar a sua beleza. Como exemplo, no Jardim botãnico existe uma sebe de camélias com mais de 500 metros.

No nosso país foi constituído em 2008 a Associação Portuguesa das Camélias, que tem como objetivo principal a divulgação e promoção das camélias, bem como incentivar os viveiristas a produzirem camélias originárias do nosso país. Esta associação funciona em paralelo com a International Camellia Society que foi fundada em 1962 pelo Professor E.G.Waterhouse na Austrália, e tem espalhados membros por todo mundo.


Cristina Sousa

Título: Raínha do Inverno

Autor: Cristina Sousa (todos os textos)

Visitas: 10

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    13-10-2014 às 03:40:03

    Adoro flores de qualquer tamanho e cor. Essa rainha do inverno é linda e faz grande diferença.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    24-04-2014 às 22:41:37

    Nunca vi esse tipo de espécie, a Camélia, mas adoraria. Deve ser bem comum em Portugal, o que deixa o lugar mais bonito e rico de beleza. Parabéns pelo texto sobre a Rainha do Inverno.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    12-10-2012 às 20:50:26

    Excelente texto. Parabéns pelo tema!

    Os meus cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder

Comentários - Raínha do Inverno

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios