Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Como distinguir as diferentes pinturas

Como distinguir as diferentes pinturas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 10
Como distinguir as diferentes pinturas

A pintura reflete em muito os sentimentos de quem pinta os quadros, seja a óleo, aguarela, carvão ou simplesmente a lápis. Todas as cenas nela retratadas têm um significado especial, bem como a cores aplicadas.

O artista pinta o que lhe vai na alma e transfere as suas emoções para a tela. Por isso as características da pintura são tão diversificadas nos temas, mistura de cores, ou outras técnicas utilizadas pelos diferentes artistas. No entanto ela distingue várias épocas de acordo com os motivos e cenas retratados nos quadros. O que se pretende também na pintura é fazer sobressair a sociedade e os costumes de uma determinada época . Logo, os seus temas sempre variam desde os religiosos, paisagens, figuras femininas, nus, santos, crianças, figuras políticas e tantos outros. Os efeitos deste panorama artístico são naturalmente belos e diversificados. Desde sempre houve artistas célebres e de renome que são do conhecimento de muitos. Não esquecendo quadros célebres como os de Picasso, José Malhoa, Santa-Rita, Júlio Reis Pereira, Jorge Barradas, Mário Eloy etc. Alguns pintores frequentaram Escolas de Belas Artes mas nem todos. Alguns já nascem com um espírito de artista multifacetado e vão aprendendo com a prática. Normalmente nascem com um dom especial que mais tarde consolidam fazendo bons quadros para decorar ambientes.

Distinguem-se diferentes pinturas que vão desde o abstracionismo, cubismo, modernismo, pós-modernismo, pintura naíf e pintura livre. Apesar de serem todas bonitas são diferentes quanto à sua interpretação. Algumas usam figuras geométricas, outras são autorretratos, cenas de semi-nus ou simplesmente mistura de cores fortes. Cada um projeta na tela aquilo que sente.

Por exemplo há quem goste de pintura cubista que se centra mais na forma e menosprezam a cor. A tela reduz-se neste caso a um conjunto de tons escuros, com manchas de luminosidade intensa. Outros preferem uma pintura abstrata que não possui referências de figuras, privilegiando no entanto os contrastes de cores fortes sem haver identificação de tema.

Muito usuais são as paisagens de grande perfeição, santos, temas de barcos, florestas etc. Cabe a cada um escolher de acordo com os seus gostos pessoais.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Como distinguir as diferentes pinturas

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 10

703 

Imagem por: gigi4791

Comentários - Como distinguir as diferentes pinturas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: gigi4791

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios