Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Museu Arqueológico de Atenas

Museu Arqueológico de Atenas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 6
Museu Arqueológico de Atenas

O Museu Arqueológico Nacional de Atenas sucede com o surgimento de uma nova cidade grega. O primeiro núcleo do museu formou-se em 1829, em Egina, em 1834, foi para Atenas, em 1866 deu-se início à construção do edifício que ia receber até aos dias de hoje o museu. Mais tarde, foi acrescentado o segundo piso.

Encontramos neste Museu antiguidades pré-históricas, como a Cabeça Feminina de Amorgo, datada de 2400 a.C.; antiguidades micénicas, Diadema em ouro de Micenas, do século XVII a.C., a intrigante Máscara de Agamémnon, Rhyton em forma de touro com cornos dourados, Taça áurea de Vaphiò com caça ao touro, século XV a.C., das antiguidades cicládicas, ídolo em forma de violino, de cerca de 2800 a.C., Pequena estátua do tocador de harpa sentado, de 2800-2300 a.C., Pequena estátua do tocador de flauta dupla, de 2800-2300 a.C., da escultura arcaica, Kouros de Sunio, de 600 a.C., Ânfora de Milo com Artemisa e Apolo, de 650 a.C., Kouros de Milo, de 540 a.C., Zeus de Cabo Artemísio, de cerca de 460 a. C., Estela fúnebre com duas figuras femininas, datada entre o século V e o século IV a.C., Estela de Hegeso, de 410-400 a.C., da escultura clássica, Fídias Athena Parthenos, de 438 a.C., Policleto Diadúmeno, de 450-425 a.C., O cavaleiro de Cabo Artemísio, de 140 a.C., Efebo de Maratona, de 340-330 a.C., Efebo de Anticítera, 340-330 a.C., do período helenístico, Estátua acéfala de Artemisa Efésia, do século I a.C., os frescos de Thera com pugilistas, século XVI a.C.

Aquando da erupção vulcânica em 1600 a.C., a cidade Akrotiri ficou submersa de cinzas. Uma casa foi descoberta com frescos, de efeito da arte minoica. Para além dos frescos, encontraram também objetos de decoração muito interessantes.

Os frescos de Thera com pugilistas, do século XVI a.C., contêm dois pugilistas a praticar pugilismo com grande sagacidade. Encontram-se nus, apenas com uma tanga e o cabelo apanhado no alto da cabeça. Os frescos de Thera com antílopes têm alguma ligação com os frescos da ilha de Creta. Sobre um fundo branco, os animais são desenhados com um contorno preto de linha espessa. A cabeça tem detalhes em vermelho.

Daniela Vicente

Título: Museu Arqueológico de Atenas

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

666 

Comentários - Museu Arqueológico de Atenas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios