Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > A origem do Croissant

A origem do Croissant

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Visitas: 304
Comentários: 14
A origem do Croissant

O croissant, a especialidade cujo nome significa “meia-lua” é o pão de massa folhada mais famoso em todo o mundo, tendo muitos adeptos que não lhe resistem.

Porém, e ao contrário do que muitos pensam, a sua origem não está em terras francesas, mas sim na Áustria. A sua origem é mesmo considerada uma das grandes lendas de todos os tempos.

Reza pois a lenda que esta especialidade foi inventada por volta de 1683 em Viena de Áustria – por essa altura, o Império Otomano tentava aumentar as suas possessões na Europa. Como não conseguiam entrar nas portas da cidade de Viena, o exército decidiu que, durante algumas noites iriam escavar um túnel até ao centro da cidade.
Todavia, não contavam com os padeiros de Viena, que permaneciam acordados durante a noite para que de manhã houvesse pão fresco em todas as mesas. Ora, os padeiros ouviram barulho e deram o alarme, o que fez com que os turcos não tivessem êxito na sua tentativa de conquistar a cidade.

Os padeiros não quiseram nenhuma recompensa a não ser o direito exclusivo a criar algo que comemorasse a vitória sobre o inimigo. Decidiram criar uns pãezinhos folhados em forma de meia-lua, símbolo representado na bandeira turca: assim, os vienenses tinham a oportunidade de, ao comer este pão, poderem destruir o símbolo dos inimigos. Este pãozinho ficou conhecido por “Viennoiserie”.

Só mais tarde, por volta de 1770 é que o croissant chegou à território francês, através de Maria Antonieta, austríaca de nascença e que se tornou Rainha de França. Este era um pãozinho que a mesma adorava e como tal levou-o consigo para o país que a acolheu. Por lá, rapidamente se tornou popular e foi por essas terras que tomou o nome por que hoje é conhecido em todo o mundo.

Hoje, o croissant é uma presença assídua nos pequenos-almoços das famílias francesas, e vendido em todas as padarias e ruas de França.

E aqui para nós: mesmo não sendo francês, quem é que consegue resistir ao bom aspecto de um croissant fofo e macio, com uma crosta crocante, e uma bela cor dourada? É mesmo de dar água na boca! Ao pequeno-almoço, ou ao lanche, simples ou com chocolate, doce de ovos ou compota de frutos, ou ainda com mel, um croissant sabe sempre tão bem!

Catarina Bandeira

Título: A origem do Croissant

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 304

787 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 14 )    recentes

  • Luiz Quintanilha

    19-08-2013 às 01:07:08

    Procuro a receita original de croissants. Já tentei quatro receitas e nenhuma ficou parecida com os que degustei em Paris.

    ¬ Responder
  • alannys

    22-06-2013 às 12:47:10

    ou mais que cosa

    ¬ Responder
  • Regiane

    26-10-2012 às 07:40:12

    O significado da palavra "croissant", de origem francesa, não seria "crescente"?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAdriana dos Santos da Silva

    13-09-2012 às 22:57:12

    Os lanches salgados sempre foram os meus preferidos. Em especial, esses croissants fazem minha alegria quando bate aquela torrente fome. São saborosos, sua massa é agradável e dependendo do seu recheio que pode ser de queijo, presunto e até mista, renovam nossas energias sempre que a comemos. A sua origem é bem interessante, nos remota a um povo francês. Os brasileiros também possuem uma variedade de gostos e preferências que se adaptam a qualquer sabor.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    09-09-2012 às 14:05:12

    Simplesmente adorei o seu texto. Eu adoro conhecer lendas, e esta é, simplesmente, deliciosa, não só pelo tema, mas também pela referência histórica. Para mim, conjugar lendas e História é a combinação ideal para me chamar a atenção. Para completar a sua escrita é muito boa, muito assertiva. Li o texto num só fôlego. Estava atraída pela lenda. Acho que um escritor, um bom escritor, passa por atrais o público com a sua escrita.

    ¬ Responder
  • MarisagonçalvesAna Maria

    05-07-2012 às 15:25:05

    não encontrei a resposta que procurava.gostaria de saber mais ou menos o ano que começou a ser comercializado em Portugal, o croissant.

    ¬ Responder
  • marcantoniomarcantonio

    14-02-2012 às 16:09:42

    @fabiano sousa
    ahahahahahahahahahahahahahah nao nao é

    ¬ Responder
  • soniasonia

    14-02-2012 às 00:40:24

    alguém pode me dizer, se o croissant pode ser de sal.

    ¬ Responder
  • fabiano sousa

    28-12-2011 às 20:40:20

    o croissant e estraordinariamente o melhor pão de massa folhada que existe

    ¬ Responder
  • ThaisThais

    20-10-2011 às 21:11:03

    Não achei a informação que procurava !
    Mais o texto está muito bom.

    ¬ Responder
  • pedropedro

    06-11-2010 às 01:08:49

    Muito bom

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFernanda Ribeiro

    26-08-2010 às 01:31:24

    ameeeei super hiper megal legal
    contribuiu muito para o meu trabalho

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAntonio Neves

    18-03-2009 às 23:12:48

    Eu sou português e tambêm como croissant. Amigo Pierre que não acha confusão, em portugal há croissant, ok?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPierre Grunftez

    18-03-2009 às 11:48:12

    Je suis françes e toda a minha vida comi e como todos os dias croissant.
    Muito, muito obrigado, por homenagiares o croissant.

    Quentinho, com pouco de manteiga e fatia de fiambre, olálá... e simplesmente com chocolate,...divinal.

    Merci!

    ¬ Responder

Comentários - A origem do Croissant

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios