Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Superstições

Superstições

Categoria: Outros
Comentários: 4
Superstições

Uma das superstições em que mais gente acredita é no número 13. O número 13 é o número do azar e sinal de infelicidade e mau agoiro. A sexta feira é um dia da semana como outro qualquer. Mas, quando combinada com o número 13 torna-se no mais temível dos dias. Há quem tenha muito medo deste dia e tome até medidas de prevenção. Existem pessoas que têm fobia em relação a esta data.

Outras não vão trabalhar e desmarcam todo o tipo de compromissos com receio de que algum infortúnio lhes possa acontecer. Há outras pessoas que não permitam que exista na mesa, em reunião ou jantar, treze pessoas ou convidados. Até porque os serviços de pratos e talheres são compostos por doze peças de cada.

Reza a história que durante o banquete de doze deuses Loki, o espirito do mal e da desavença apareceu sem que tivesse sido convidado para o banquete. O certo é que Loki apareceu sem ser chamado e iniciou uma luta em que Balder acabou morto. O espirito Balder era um dos deuses favoritos.

Na versão católica a 13 de Outubro de 1307 terá acontecido um evento de azar quando Filipe IV declarou a Ordem dos Templários ilegal. Outra hipótese apontada pelos cristãos é o facto de Jesus Cristo poder ter sido morto numa sexta-feira, 13.
Existem ainda outras versões conhecidas e muitas outras de origem popular.
Seja verdade ou não, mais vale prevenir do que remediar… Proteja-se na sexta-feira, 13! E fuja dos gatos pretos neste dia pois se já é terrível, se vir um gato preto ainda será pior!

Este é um mito muito enraizado nos povos. Mas, existem outros relacionados com o azar:
Há quem defenda que se deixar a mala no chão a felicidade desaparece assim como o dinheiro que tiver na sua carteira!

Se tiver o azar de partir um espelho ou entornar uma garrafa de azeite terá de aguentar 7 anos de azar!

Para que o seu filho nunca se case varra os seus pés! Este mito é muito conhecido pelas sogras e pelos solteiros, com alguns funciona com outros não!
Nunca abra um chapéu de chuva dentro de casa, é sinônimo de mau agoiro.


Rua Direita

Título: Superstições

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    28-07-2014 às 20:02:34

    Não acredito em superstições. Puro fruto da imaginação do ser humano e de um mundo de ilusão.

    ¬ Responder
  • Carina Anjo

    04-11-2014 às 11:48:55

    Acreditar ou não é relativo. Mas, pessoalmente, gosto de ler sobre o assunto.

    ¬ Responder
  • Wanderson TiagoWanderson Tiago

    11-05-2014 às 12:35:37

    Gostei de descobrir as prováveis origens dessa superstições com o número 13. Bom texto, parabéns!!!

    ¬ Responder
  • Carina Anjo

    12-05-2014 às 23:04:33

    Obrigada Tiago! Se tiver alguma sugestão de artigo me fala!

    ¬ Responder

Comentários - Superstições

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios