Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 3
A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

O desemprego nos centros urbanos tem sido um constante problema para a sociedade e traz graves consequências; tais como o surgimento de favelas, um crescente número de menores desamparados, fome, subnutrição, doenças, além da vadiagem, dos roubos e dos crimes.

O aumento do número de favelas nas grandes cidades deve-se ao fato da falta de emprego para as famílias que habitam estes lugares. Estas, sem dinheiro para ir a outro lugar, e sem ter como se sustentar e ter uma casa decente, acabam construindo habitações precárias em morros e lugares onde obviamente, não se concentra a população empregada. Um exemplo disso é o Rio de Janeiro, onde o número de pessoas sem emprego cresce cada vez mais, vivendo em situações ruins, não tendo como mudar isso.

Além do aumento do número de pessoas vivendo em casas precárias, há também o crescente número de menores desamparados, que, sem ter como arranjar um emprego para suprir suas necessidades, acabam vivendo nas ruas, passando fome sem ter de onde tirar dinheiro até mesmo para se vestir.

A subnutrição, a falta de higiene adequada e falta de informação acabam as fazendo contrair diversas doenças. Estes, desempregados, não conseguem pagar os estudos, nem têm de onde tirar dinheiro para suprir tais necessidades.

Para tentar terminar com tais problemas, e cansados de viver sem emprego, sempre à margem da sociedade, e não tendo como garantir o próprio sustento de forma honesta, acabam aderindo a tão mal falada vadiagem, aos roubos aos crimes, justamente por falta de opção e de oportunidades melhores. Este problema aumenta o índice de mortes e prisões, gerando cidades onde as pessoas têm medo até mesmo de sair nas ruas; e onde a própria polícia, que deveria defender e proteger a população, se vende afim de não sofrer retaliações por meio dos marginais.

Alguns programas do governo como o Bolsa família, ajudam a minimizar um pouco a situação, mas não é uma solução definitiva. Empresas e mais empresas tem se conscientizado e colocado em prática várias formas de ajudar tais seres humanos; mas acredito que cada um de nós pode fazer a sua parte, se você não tem dinheiro, com certeza tem conhecimento em alguma área que poderia vir ajudar estas pessoas a terem alguma perspectiva de vida. Pense, conscientize-se e venha para esta causa, por um mundo melhor e um futuro diferente.


Clarissa Reinoco Machado

Título: A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

Autor: Clarissa Reinoco Machado (todos os textos)

Visitas: 2

13 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Claudia Reinoço Machadoclaudia

    24-01-2016 às 11:01:31

    concordo com vc,a pergunta é -Oque estamos fazendo em relação a tudo isso?

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana Santos

    11-01-2016 às 15:37:05

    Excelente abordagem da sociedade que a cada dia está doente. Acredito muito que é possível transformá-la! A consciência de cada um é um dos passos!

    ¬ Responder
  • Clarissa Reinoco MachadoClarissa Reinoco Machado

    12-01-2016 às 17:38:29

    Isso mesmo Adriana, as vezes a indiferença é tanta que nem parece que fazemos parte de um todo.

    ¬ Responder

Comentários - A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios