Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > A vida na "Ilha"

A vida na "Ilha"

Categoria: Viagens
Comentários: 1
A vida na "Ilha"

Viver numa ilha...

Bem, viver numa ilha, de fato, não será para toda a gente. As pessoas deparam-se diariamente com o típico problema de "claustrofobia", de olhar em volta e só conseguir alcançar o imenso oceano que nos rodeia, de querer ver "caras novas", de poder ver algo diferente . Quem nos visita acha-nos isolados, com poucas opções, acha que temos que nos deparar com a falta de emprego e que temos uma vida um tanto ao quanto, enfadonha...

Bem visto, mas será só isso, viver numa ilha será que são só revezes? Ou será que existirá algo de mágico e de belo? A verdade é que se não vivesse numa ilha, se não lidasse diariamente com todas estas situações, possivelmente, acharia que seria incapaz, completamente incapaz de habitar num destes pequenos paraísos, as ILHAS.

A "minha" ilha do Faial situa-se no extremo ocidental do Grupo Central do arquipélago dos Açores. É separada da ilha do Pico por um bocadinho mar com de 8,3 km de largura, conhecido pelo canal do Faial. A ilha tem a forma aproximada de um pentágono irregular, com 21 km de comprimento no sentido leste-oeste e uma largura máxima de 14 km, ou seja, é mesmo "pequenota". A nossa população residente ronda os 15 mil habitantes.

O clima é temperado oceânico, com temperaturas médias anuais do ar que oscilam entre os 13º C no Inverno e os 22°C no Verão, com frequentes vendavais e uma humidade relativa do ar em média acima dos 79%.

Temos uma marina mundialmente conhecida, a "Marina da Horta", local de escala de iates nas travessias entre o continente americano e a Europa. A ilha é localmente conhecida por ilha Azul, designação que foi popularizada a partir da descrição de Raul Brandão em Ilhas Desconhecidas. Somos neste momento, uma das 37 mais bonitas Baías do Mundo, temos locais inimagináveis, paisagens abaladoras, vistas de cortar a respiração...

Bem, acho que tenho razões mais do que suficientes para continuar a falar desta "Pérola do Atlântico" e convencer os leitores, que morar numa ilha é algo de único e inigualável. Acompanhem diariamente os depoimentos de quem, como eu, vive rodeado por mar.

Até já...


Elisa Silva

Título: A vida na "Ilha"

Autor: Elisa Silva (todos os textos)

Visitas: 0

778 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    18-04-2014 às 23:36:21

    A Rua Direita adoraria ter essa vida na ilha. Que texto convidativo..srsrs. Parabéns!

    ¬ Responder

Comentários - A vida na "Ilha"

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios