Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > A vida na "Ilha"

A vida na "Ilha"

Categoria: Viagens
Comentários: 1
A vida na "Ilha"

Viver numa ilha...

Bem, viver numa ilha, de fato, não será para toda a gente. As pessoas deparam-se diariamente com o típico problema de "claustrofobia", de olhar em volta e só conseguir alcançar o imenso oceano que nos rodeia, de querer ver "caras novas", de poder ver algo diferente . Quem nos visita acha-nos isolados, com poucas opções, acha que temos que nos deparar com a falta de emprego e que temos uma vida um tanto ao quanto, enfadonha...

Bem visto, mas será só isso, viver numa ilha será que são só revezes? Ou será que existirá algo de mágico e de belo? A verdade é que se não vivesse numa ilha, se não lidasse diariamente com todas estas situações, possivelmente, acharia que seria incapaz, completamente incapaz de habitar num destes pequenos paraísos, as ILHAS.

A "minha" ilha do Faial situa-se no extremo ocidental do Grupo Central do arquipélago dos Açores. É separada da ilha do Pico por um bocadinho mar com de 8,3 km de largura, conhecido pelo canal do Faial. A ilha tem a forma aproximada de um pentágono irregular, com 21 km de comprimento no sentido leste-oeste e uma largura máxima de 14 km, ou seja, é mesmo "pequenota". A nossa população residente ronda os 15 mil habitantes.

O clima é temperado oceânico, com temperaturas médias anuais do ar que oscilam entre os 13º C no Inverno e os 22°C no Verão, com frequentes vendavais e uma humidade relativa do ar em média acima dos 79%.

Temos uma marina mundialmente conhecida, a "Marina da Horta", local de escala de iates nas travessias entre o continente americano e a Europa. A ilha é localmente conhecida por ilha Azul, designação que foi popularizada a partir da descrição de Raul Brandão em Ilhas Desconhecidas. Somos neste momento, uma das 37 mais bonitas Baías do Mundo, temos locais inimagináveis, paisagens abaladoras, vistas de cortar a respiração...

Bem, acho que tenho razões mais do que suficientes para continuar a falar desta "Pérola do Atlântico" e convencer os leitores, que morar numa ilha é algo de único e inigualável. Acompanhem diariamente os depoimentos de quem, como eu, vive rodeado por mar.

Até já...


Elisa Silva

Título: A vida na "Ilha"

Autor: Elisa Silva (todos os textos)

Visitas: 0

778 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    18-04-2014 às 23:36:21

    A Rua Direita adoraria ter essa vida na ilha. Que texto convidativo..srsrs. Parabéns!

    ¬ Responder

Comentários - A vida na "Ilha"

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios