Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Austrália – um continente exótico e longínquo

Austrália – um continente exótico e longínquo

Categoria: Viagens
Comentários: 2
Austrália – um continente exótico e longínquo

A Austrália é a maior das cinco ilhas gigantes do mundo. Em extensão (com 7,7 milhões de quilómetros quadrados), já que a nível populacional não passa dos 21 milhões de habitantes. Embora tenha sido, supostamente, visitada pelos Portugueses na segunda metade do século xvi, provavelmente pela adjacência com a costa norte da ilha de Timor, onde os lusos marcaram presença há quinhentos anos, somente no século xviii começou a ser colonizada pelos britânicos.

Ainda assim, na costa noroeste da Austrália restam ainda resquícios que evocam a passagem dos Portugueses pelo continente. O nome Abrolhos é um deles e deriva de uma frase típica dos marinheiros lusitanos ao navegar por aquelas águas traiçoeiras: «Abre os olhos!» Outro sinal evidente diz respeito à fronteira terrestre da Austrália Ocidental, com traço de régua e esquadro, bem à maneira anglo-saxónica e praticamente uma réplica do meridiano de Tordesilhas. Aliás, não fora o tratado celebrado nesta terra e a Austrália integraria, quase de certeza, os PALOP (Países de Língua Oficial Portuguesa), não obstante ser distante e exótica e pouco ou nada ter a ver com a realidade lusa.

Consta que foram os madeirenses os primeiros emigrantes portugueses a instalar-se na ilha, estabelecendo uma pequena comunidade piscatória em Fremantle, na década de 50 do século passado. Os Portugueses regressavam, deste modo, à Austrália quatro séculos depois da sua descoberta por Cristóvão de Mendonça. O afluxo de pessoas nascidas em Portugal à Austrália foi crescente até aos anos 90 do século xx, apontando o recenseamento do Australian Bureau of Statistics para 17 mil portugueses a viver na Austrália, mais nove mil descendentes, o que no total se traduzia em 0,15 por cento da população australiana.

Perth, Melbourne e Sidney são cidades onde se pode encontrar centros culturais e recreativos, restaurantes e mesmo bairros onde se fala exclusivamente a língua de Camões, saborear iguarias de Portugal (como o famoso pastel de bacalhau) e beber uma bica acompanhada por um pastel de nata. Como acontece noutros sítios onde estão portugueses, a gastronomia funciona como imagem de marca da comunidade lusitana, ainda que os nomes possam variar ligeiramente. O frango no churrasco, por exemplo, que é conhecido como portuguese piri-piri chicken, tem uma adesão formidável, o mesmo acontecendo com o portuguese custard tart (pastel de nata). Apesar do sucesso gastronómico e da prosperidade dos negócios subjacentes, é facto que as habilitações literárias dos portugueses ficam imensamente aquém da média nacional, o que os limita em termos de participação mais efectiva na sociedade australiana. Porém, e por paradoxal que pareça, a taxa de desemprego destes indivíduos é menor do que noutras áreas de maior qualificação e a qualidade de vida é bastante boa. Os quadros superiores portugueses na Austrália acabam por ser discretos no que se refere à proveniência e existe a tendência de assimilação por parte da sociedade australiana.

Não obstante, há australianos, como Kenneth Gordon McIntyre, de 95 anos, que promovem a imagem de Portugal. Este professor universitário apaixonado pela obra de Camões estudou português e publicou, em 1977, o livro «The Secret Discovery of Australia» (traduzido para português e publicado em 1989 pela Fundação Oriente), posteriormente adoptado como manual escolar na Austrália, onde restituiu a Cristóvão de Mendonça o devido lugar de legítimo descobridor da ilha.
Não quer vir também descobrir este mundo à parte?


Maria Bijóias

Título: Austrália – um continente exótico e longínquo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

628 

Imagem por: dicktay2000

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 17:41:39

    A Rua Direita recomenda não apenas visitar, mas morar. A Austrália está em primeiro lugar como o melhor para se viver em todos os aspectos da vida.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMaria Nunes

    02-07-2013 às 09:17:58

    Aí está um país que eu gostaria de visitar . Pelo que li parece-me muito interessante .

    ¬ Responder

Comentários - Austrália – um continente exótico e longínquo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: dicktay2000

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios