Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Diga não ao sedentarismo

Diga não ao sedentarismo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Comentários: 3
Diga não ao sedentarismo

O sedentarismo assume-se, cada vez mais, como a doença da modernidade, com graves implicações para a saúde dos afetados, devido ao aumento das condições de conforto, de entretenimento e de lazer áudio e vídeo. Estima-se que cerca de 70% da população mundial seja sedentária e, como tal, esteja altamente predisposta a contrair doenças não contagiosas como diabetes, hipertensão, obesidade e cancro. Uma tal epidemia obriga, com carácter urgente, à alteração da forma contemporânea como se encara o exercício físico – é absolutamente necessário (tal como o é a alimentação ou a respiração) e não opcional.

É no trabalho e em casa que o sedentarismo se verifica e instala, mais entre os homens do que entre as mulheres, por motivos que se prendem com a divisão tradicional das tarefas: as mulheres, ainda hoje, são as fadas do lar e, como tal, acabam por combater mais o sedentarismo, pois passam parte do dia de pé, movimentando-se, a realizar tarefas como lavar louça, varrer, passar a ferro, etc. Os homens acabam por ceder mais às tentações do sofá, já que a televisão, o vídeo, a consola de jogos e, ultimamente, a televisão digital, surgem como tentações transponíveis apenas pela força de vontade.

E é mesmo aqui que reside a solução: mudar um mau hábito implica apenas uma dose moderada de força de vontade e a certeza de que, se não mudar, irá estar a comprometer seriamente a sua sobrevivência a longo prazo. As mudanças podem verificar-se nos seguintes aspetos: dedique 30 minutos do seu dia à prática exclusiva de exercício físico. Inicialmente, deverá encetar caminhadas que, progressivamente, se tornarão mais longas. Depois, poderá começar a correr, devagar. E vá, se assim o desejar, aumentando o ritmo, sempre de forma gradual e ouvindo o seu corpo – se se sentir mal ou demasiado cansado, reduza a atividade física. Outras alternativas passam pelo uso do elevador em detrimento das escadas, por evitar do uso de escadas rolantes ou do carro para deslocações curtas, por assumir tarefas domésticas – que acabam por se tornar agradáveis –, por encurtar o tempo dispendido em frente ao computador ou à TV, por estacionar o carro mais longe do que o habitual, por programar mais passeios ao ar livre, por utilizar a praia preferencialmente para fazer caminhadas e não para dormir, por passear mais com o seu cachorro e, finalmente, por adquirir um podómetro que lhe permitirá saber se deu, num dia, pelo menos 10 000 passos, a quantidade recomendada em média para uma pessoa saudável.

Já sabe: ponha-se a mexer e melhore consideravelmente a sua saúde, a médio e longo prazo!

Isabel Rodrigues

Título: Diga não ao sedentarismo

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

636 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    25-07-2014 às 03:02:53

    O sedentarismo é um mal que se a gente deixar - vira um hábito horrível! Espero que eu largue logo meu sedentarismo praticando atividade física como a caminhada. Também quero dizer "não" ao sedentarismo.

    ¬ Responder
  • nelson

    02-10-2012 às 08:49:06

    peco pra me enviarem um artigo de muitas paginas com o titulo o sedentarismo e suas implicacoes. agradecia o grande favor

    ¬ Responder
  • sabrinasabrina

    01-12-2009 às 12:06:37

    Acheii super interessante...Quandoo busqueii o que era sedentarismo..se nao fosse o trabalho escolar de educação fisica que estou fazendoo nem saberia o que era isto...eñtão espero que todos que leiam este artigoo saibam o quantooo ele e importante para todos nos..by:Biiná

    ¬ Responder

Comentários - Diga não ao sedentarismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios