Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Combater o stress com a meditação

Combater o stress com a meditação

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Combater o stress com a meditação

O stress é um sinal de que perdemos o equilíbrio na nossa vida, o que prejudica tanto o nosso bem-estar mental como o físico. Contudo, o ser humano possui um excelente reparador, que nos reequilibra naturalmente; o corpo luta constantemente por alcançar um estado de equilíbrio e vigorosa energia interior, de modo coeso e inato.

Por vezes, recorremos à ajuda dos amigos ou familiares, outras vezes, torna-se mais fácil falar com terapeutas, pessoas desconhecidas que nos ouvem mas não nos julgam.

Falar com alguém ajuda-nos a ver os problemas com exactidão e maior clareza. Ao expormos aos outros as nossas mágoas e os nossos receios, transformando sentimentos e sensações em palavras, compreendemo-los melhor, assim como a própria visão de alguém que está de fora, é sempre mais clara e mais objectiva do que a nossa. Mas nem todos reagimos do mesmo modo. Nem todos gostamos de desabafar o que sentimos ou aquilo porque passamos...

Nesses casos, não vale a pena forçar. Melhor do que falar, é aprender a relaxar o corpo e a mente, recuperando lentamente o vigor e a harmonia e ampliando progressivamente a sensação de bem-estar.

Independentemente dos casos, existem duas hipóteses a seguir: mudar o estilo de vida e relaxar. A modificação dos hábitos e rotinas, pode implicar uma mudança de emprego, uma reprogramação de horários, uma reavaliação dos objectivos de vida ou simplesmente adoptar uma atitude mais aberta face a tudo o que fazemos ou enfrentamos.

Ter uma sensação de controlo dos acontecimentos, acaba por diminuir a nossa ansiedade, diminuindo também a possibilidade do aparecimento ou reaparecimento de stress.

A descontracção diária, constitui provavelmente, o elemento mais importante para uma mente e um corpo sãos.

Relaxar profundamente não é o mesmo que dormir. Shiatsu, Yoga, técnicas de respiração e auto-controle, exercícios de auto-ajuda, Do-In, Wa-Do, Tai-Chi, Aikido, Kempo, Chi Kung, massagens, regressão, hipnose, Reiki, Homeoterapia, Aromoterapia, Jin Shin Jyutsu, Cristaloterapia ou Cura Prânica, são artes milenares que nos proporcionam algumas técnicas ou métodos que nos podem ajudar a relaxar momentaneamente, sem grandes esforços ou exigências.

Uma dieta equilibrada, rica em fibras, água ou sumos naturais, cereais, fruta e verduras, assim como uma redução de açúcar, sal, chá e refrigerantes, assim como a prática de algum exercício físico, também são factores preponderantes para mantermos a saúde, a vitalidade física e o bem-estar espiritual e emocional. No entanto, muitos de nós, fogem ao exercício... Temos hábitos de sedentarismo e de resignação muito acentuados...

A meditação, é uma forma muito simples, natural e eficaz de desanuviar a mente, e esquecer o stress quotidiano, focando-nos somente no relaxamento mental.

Acima de tudo, a meditação tem a ver com um estado de consciência centrado no presente, deixando-nos em contacto com o que nos rodeia, e simultaneamente, projectando-nos para o nosso mundo interior.

Actualmente, milhares de pessoas tiram grandes benefícios do facto diária ou semanalmente, se dedicarem à meditação, exploração do seu Eu Interior e reestruturação física, emocional e espiritual. Os métodos utilizados são muitos, uns mais simples outros mais avançados, mas a pessoa pode optar por ir alterando o método, ou adaptando-o às suas necessidades ou dia-a-dia. Alguns seguem meditações áudio guiadas, outros procuram sentar-se num local sossegado, sem serem incomodados ou interrompidos, concentrando-se sobre um objecto, a chama duma vela, um som, uma cor ou um mantra, outros fixam a mente nos movimentos de inspiração e de expiração, e outros concentram-se totalmente no que estão a fazer momentaneamente. Há quem se concentre, por exemplo, na forma como se movimenta; dando atenção aos movimentos dos pés, às sensações que recebe enquanto caminha, à reacção do solo sobre os sapatos, aos ruídos dos passos, ou aos sons e cores em seu redor. Podemos meditar e relaxar a mente até enquanto comemos; sentindo a textura dos alimentos, saboreando detalhadamente cada pedaço, fixando-nos nas reacções do nosso corpo, nas sensações que os alimentos provocam, na sua cor, aroma ou paladar.

Meditar deixou de ser um mito. Não está ligado às religiões orientais ou a um grupo restrito de pessoas. Não se prende a uma filosofia específica, nem é necessário, ao contrário de muitos preconeitos, que se faça exclusivamente numa postura erecta, sentados de pernas cruzadas, ou deitados numa posição descontraída e confortável.

A meditação pode ser feita em qualquer local, por qualquer pessoa, independentemente das suas crenças, sexo, idade ou ideologias.

20 a 30 minutos, (de preferência, no início ou no final do dia), relaxa o físico, elimina a tensão existente, clarifica e acalma a mente; abranda o ritmo cardíaco; reduz o consumo de oxigénio e a produção de dióxido de carbono; aumenta os níveis de resistência da pele à dor ou à exposição de choques eléctricos; relaxa os músculos, assim como reduz a actividade do sistema nervoso.

Praticada regularmente, a meditação ajuda a combater a depressão, reduz a hipertensão e alivia a ansiedade, a enxaqueca, e as doenças psicossomáticas. Melhora a concentração, a memória e a criatividade, regula o nível do sono e diminui o cansaço, aumentando o vigor físico e a nossa capacidade de abstracção, minimizando as dificuldades e os problemas diários. Também tem grandes benefícios quando feita ao longo do dia, seguindo a necessidade urgente de serenizar a mente ou revigorar o corpo.

Ficamos mais saudáveis, mais produtivos, mais satisfeitos, mais centrados, mais conscientes do que somos, do que temos e do que nos rodeia. Há quem use música ambiente suave, de flautas, de água a cair, chuva ou pássaros a chilrear; incensos; velas ou luzes suaves, mas o importante, não é como o fazemos, o método que utilizamos ou quanto tempo dura, mas sim que nos sintamos confortáveis a fazê-lo e que nos sintamos bem posteriormente.

Inicialmente a concentração será menor, o pensamento dispersar-se-á com facilidade, mas tudo isso é natural, pois a mente ainda não está disciplinada para o vazio e para a concentração no momento presente. O importante é que se vá fazendo, tentando, melhorando e inovando e tudo isso, reflectir-se-á em nós, na nossa forma de agir, no nosso jeito de ser, falar, actuar e de estar, connosco e com os outros...

Com o tempo verificamos que não somos só nós que acalmamos. O meio ambiente que nos envolve e as pessoas que nos cercam também acabam por serenizar. Nós projectamos o que sentimos na nossa postura e na nossa forma de estar. E quer queiramos quer não, isso reflecte-se no nosso dia-a-dia. Portanto, melhore a sua vida e a de todos os que o rodeiam: DIGA NÃO AO STRESS! BOA MEDITAÇÃO!!


Susana Farias

Título: Combater o stress com a meditação

Autor: Susana Farias (todos os textos)

Visitas: 2

633 

Comentários - Combater o stress com a meditação

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios