Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Conheça sete tipos de anticoncepcionais

Conheça sete tipos de anticoncepcionais

Categoria: Saúde
Comentários: 4
Conheça sete tipos de anticoncepcionais

Um dos métodos anticoncepcionais mais utilizados pelas mulheres é a pílula, pois ela é considerada a mais segura, com uma eficácia de 99%. Mas, atualmente, vários outros métodos puderam ser descobertos graças aos avanços científicos, tais como: hormônios injetáveis, implantes, DIU e adesivos. Dessa forma, muitas mulheres podem ficar em dúvida sobre qual deles é a melhor opção para combater a gravidez.

Segundo especialistas, no momento de escolher o melhor anticoncepcional é preciso considerar a idade, histórico de doenças e, até mesmo, o estilo de vida da mulher. Além disso, é importante ressaltar que esses métodos não previnem contra doenças sexualmente transmissíveis, como faz a camisinha. Conheça sete tipos de anticoncepcionais e depois, consulte um ginecologista para descobrir qual e o melhor para você.

Pílula oral – Existe em vários tipos de composições e em diferença de dosagens. Todos os dias devem ser ingeridos, no mesmo horário, apenas um comprimido e, esse procedimento deve ser feito por 21 dias seguidos. Na semana que a mulher ficar sem tomar a pílula, ela irá menstruar.

Injetável mensal e trimestral – O anticoncepcional mensal é mais aconselhado para mulheres que sofrem com náuseas, problemas intestinais e intolerância gástrica às pílulas orais. Já a trimestral não apresenta tantas contraindicações para as mulheres que sofrem com possíveis problemas cardiovasculares, pois sua composição não contém estrogênio.

Entretanto, ele pode provocar ganho de peso e dificulta a gravidez até mesmo quando seu uso é suspenso.

Adesivo transdérmico – Esse adesivo é colocado sob a pele, e assim, ela começa a absorver os hormônios. Cada um dura uma semana e ele deve ser trocado por três vezes seguidas. Depois, é feita uma pausa para que ocorra a menstruação, e o ciclo se inicia novamente. Ele é indicado para todas as mulheres que sofrem com intolerância gástrica à pílula e não é recomendável para quem tem trombose ou doenças coronarianas.

Pílula de progesterona – Indicada para mulheres que não podem ingerir substancias que contém estrogênio. Ele interrompe o fluxo menstrual e evita cólicas, entretanto, ele pode causar retenção de líquidos.

Anel vaginal – Ele é aconselhável para todas as mulheres que tem enjoo ou sofrem com dor de cabeça com o uso da pílula oral. Quando colocado, ele libera hormônios durante três semanas e depois disso, a mulher menstrua.

Implante subdérmico – Ele dura até três e é inserido na pele da mulher, assim, ele libera progesterona. Ele é o mais indicado para as mulheres que estão amamentando ou sofrem com endometriose. Entretanto, ele pode provocar acne e ganho de peso.

Minipílula – Sua eficácia é menor do que as pílulas normais, pois, possui baixas doses de progesterona. É indicado para as mulheres que tiveram filho e que ainda estão no período de amamentação.

DIU (Dispositivo Intrauterino) com progesterona – Ele dura cinco anos, evita as dores da cólica e é aconselhado para as mulheres que tem endometriose ou sofrem com excesso de fluxo na menstruação. Já o DIU de cobre, pode durar por até dez anos, dependendo do caso, e não pode ser usado por mulheres com cólicas ou excesso de fluxo, pois ele pode agravar esses quadros.


Rua Direita

Título: Conheça sete tipos de anticoncepcionais

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

707 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    22-07-2014 às 21:15:50

    É importante salientar que apesar de existirem muitos anticoncepcionais, cada mulher reage de modo diferente. Então, não se pode usar um só porque deu certo com a amiga. Consultar a ginecologista é bem recomendável.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoHelder

    09-07-2012 às 10:40:54

    A minha mulher anda usando um contraceptivo a alguns anos, e ela agora não consegue engravidar, vi ai no texto o método trimestral tem esse efeito secundário, mas não acho que seja esse que ela anda a tomar, será que existe outro que tenha esse mesmo efeito secundário?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSusana

    09-07-2012 às 10:35:06

    Eu no que toca a Anticoncepcionais eu usava o método Injetável mensal e trimestral, mas depois quando quis engravidar não consegui, fui ao médico e ele me disse que os efeitos secundários dos método Injetável mensal e trimestral poderia ser esse.
    Agora optei pela adopção. :P

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMonica Alves

    09-07-2012 às 10:32:02

    Eu já testei alguns dos métodos que falou, e fiquei muito mais contente com a pílula normal, pois esse Anticoncepcional para mim foi o que me deu menos problemas e foi mais eficaz.

    ¬ Responder

Comentários - Conheça sete tipos de anticoncepcionais

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios