Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > UM DIA NÓS VAMOS NOS ENCONTRAR (Lição de Vida do Pai que perdeu o Filho)

UM DIA NÓS VAMOS NOS ENCONTRAR (Lição de Vida do Pai que perdeu o Filho)

Categoria: Literatura
Visitas: 4
Comentários: 5
UM DIA NÓS VAMOS NOS ENCONTRAR (Lição de Vida do Pai que perdeu o Filho)

Um pai revirava todos os documentos e toda a papelada de uma caixa e uma mãe aflita no telefone da sala. O pai logo fala:

— Não achei nenhuma pista, meu bem.
— Ninguém sabe notícia dele. O que nós vamos fazer? A mãe fala depois que desliga o telefone da casa.
— Não sei meu bem! Disse o pai aflito com as mãos na cabeça.
— Já são três dias que ele está desaparecido, meu bem. Responde a mãe em pranto.

O pai sem resposta se levantou do sofá da sala e ficou andando pela a casa sem saber o que fazer. Enquanto a sua esposa só chorava lembrando-se do filho dentro de casa brincando de bola, jogando videogame, ora imaginava o mesmo comendo um belo basquete na sua cozinha. Que dor essa mãe está sentindo, que se lembra do sorriso do seu filho, sem saber o paradeiro dele, não sabe se aconteceu algo ruim ou não.

O pai já cansado porque passou três dias direto procurando o filho, não teve nenhum resultado positivo. Enquanto a mãe ligou para todos os conhecidos e parentes, mas também ninguém soube notícia do menino.

No primeiro dia do desaparecimento, socorreram a polícia. O policial pediu todas as informações sobre o filho: Como é o nome dele? Quantos anos ele tem? Que roupa ele estava quando saiu de casa? Se ele saiu com alguém?

A mãe naquele momento só chorava e o pai mesmo em aflição passou todas as informações do seu filho: — Ele é moreno, tem quatorze anos, está usando uma camisa bege que eu dei de presente para ele. Saiu sozinho para jogar bola, não sei se ele foi se encontrar com alguém. Já rodei nos locais aonde ele joga, mas ninguém o viu.

Os policiais disseram por enquanto só isso e foram a procura do menino. Mas já está com três dias, nada de notícia, nem ruim e nem boa. O pai rodando pela a casa sem saber como agir numa situação que só Deus para fazer um milagre acontecer, ele se depara com a sua esposa de joelho de lado com a cama do filho, dizendo pra alguém mais poderoso que tudo nessa vida:

— Oh meu Deus! Faça o meu filho aparecer, nem que o Senhor use um anjo para encontrá-lo. Tenha misericórdia da nossa dor.
O pai encostando-se à porta do quarto do filho, só chorava enquanto a sua esposa falava com Deus.
— Nos ajude a encontrar o nosso filho meu Deus. O pai também clamou a Deus com lágrimas escorrendo pelo o rosto.
Naquele momento a campainha da casa toca. O pai desesperadamente vai atender a porta, é uma policial que traz notícia:
— Parece que nós encontramos o seu filho.
A mãe já na sala cai de joelho e agradece a Deus. O pai logo pergunta:
— Ele está bem, policial?
— Nós o encontramos numa praça junto com vários jovens mendigos e drogados, mas não temos certeza se é ele. Por isso que nós viemos buscá-los para conferir.
Assim todos foram a tal praça, quando descem do carro, o pai de longe logo avista o filho que corre ao seu encontro. O menino olha para o pai e diz:
— Você é meu pai? Eu não sabia com certeza que eu tinha pai e mãe, mas eu não me lembrava de nada, Mas às vezes eu me lembrava do meu pai e de minha mãe cuidando de mim em uma casa.
Uma policial se aproximou e disse: — Com certeza, deram drogas a força pra ele, por isso que ele está assim. Jogaram aqui para se viciar e ser mais um a comprar drogas com roubo.
— Você vai pra casa, meu filho! Disse a mãe.
— Mas os meus amigos, quem vai ficar com eles. Em vezes enquanto chega um pessoal aqui e bate neles, mas quando eu estou aqui ninguém bate neles.

Os policiais logo o dizem:
— Não se preocupe. Nós vamos mandar alguém buscá-los.

A policial oferece a carona aos pais: — Vamos! Eu vou deixar vocês em casa.

Mas o pai e a mãe abraçaram o seu filho com tanta força que nem percebeu o que a policial falou. O pai ficava repetindo direto as mesmas palavras:

— Nunca mais você sai da vista, eu vou ficar te vigiando direto, de dia e de noite. Nunca mais eu vou te perder.
Nesse momento, o pai acorda e diz com lágrimas nos olhos: — É a primeira vez que eu sonhei com o meu filho que faleceu a um ano atras. Uma coisa eu tenho certeza, ele está bem e está esperando por mim no Reino de Deus. Porque um dia, nós vamos nos encontrar.

Conclusão: Oi, pessoal! Esse foi o primeiro sonho que tive com o meu filho, fiquei triste porque não era realidade tudo aquilo. Mas mesmo assim, eu agradeço a Deus, pelos os quatorzes anos que vivi com ele. Mas foi a primeira vez que eu o vi em um sonho, aquele sonho me provou que um dia, eu ainda vou me encontrar com ele.
Então você que perdeu um familiar, um amigo, entregue a sua vida para Deus. E creia que um dia você vai também se encontrar com aquela pessoa tão amável que foi nessa vida. Você, marido ou esposa que perdeu o seu conjugue, lembre que um dia você vai se encontrar com ele ou ela, mas, porém você que ficou, tem que está andando na mesma fé da pessoa que já se foi dessa vida para outra.

Por favor, comentem com as suas palavras abaixo sobre tudo isso que eu falei sobre a minha lição, da vida real.
Obrigado a todos pela força e até a próxima.

Eu dedico esse texto ao meu filho Cicero Janderson.
Cicero Mattos.



Cicero Jodecir Ferreira Matos

Título: UM DIA NÓS VAMOS NOS ENCONTRAR (Lição de Vida do Pai que perdeu o Filho)

Autor: Cicero Jodecir Matos (todos os textos)

Visitas: 4

308 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Natanael Genoel

    11-02-2015 às 16:33:26

    Realmente emocionante a história meu irmão na fé. Que venha sempre realizar os desejos de seu coração!

    ¬ Responder
  • Cicero Jodecir Ferreira MatosCicero Jodecir Ferreira Matos

    22-02-2015 às 15:45:13

    Obrigado pela a força de suas palavras, irmão Natanael.

    ¬ Responder
  • Carolina Mello

    06-01-2015 às 14:15:15

    Cícero, que história comovente! Também já perdi pessoas queridas e tenho certeza que eles estão do lado de Deus descansando e se preparando para nos reencontrar, abraços!

    ¬ Responder
  • Cicero Jodecir Ferreira MatosCicero Jodecir Ferreira Matos

    22-02-2015 às 15:55:58

    Oi, Carolina! Obrigado plea a sua força. Realmente não é fácil perder um filho de 14 anos. Mas eu, graças a Deus, transformei o meu luto em luta. A saudade fica, mas eu tenho certeza que ele está mlehor do que a gente, pois ele está no Reino de Deus.

    ¬ Responder
  • aroldo ferreira

    31-12-2014 às 18:31:09

    Realmente é uma história muito triste, a perda de um ente querido é uma coisa muito profunda, palavras não conseguem expressar o sentimento da falta. Mas, a pessoa que confia em Deus, sabe que Ele tem seus própositos, nós não conseguimos ver os caminhos de Deus, porque sabemos que os caminhos Dele são bem maiores. Que Deus a cada dia fortaleça-te ,em todos os momentos da sua vida. E que a lembrança de seu querido filho, e os bons momentos que vocês tiveram juntos venha preencher o vazio da falta dele. Que Deus abençoe te a cada dia.

    ¬ Responder

Comentários - UM DIA NÓS VAMOS NOS ENCONTRAR (Lição de Vida do Pai que perdeu o Filho)

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios