Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Viver a Inércia

Viver a Inércia

Categoria: Literatura
Viver a Inércia

Em um cenário triste, de muita chuva, o menino dormia sem deixar, sem querer de viver esta noite em que por uma infelicidade teve de viver, pois, em 1958, na capital da Turquia um sangrento e lamentável ataque terrorista ocorreu roubando a infância de um lindo bebê, a plenitude da criança que nada sabe em relação ao que se vê, que nada mais era do que um roubo, na mão grande, de seu maior tesouro que foi o desencarne de sua mãe solteira.

Com a criança que, nem mesmo, sabia seu próprio nome, eles foram embora, mas não pense que tudo terminou assim, pois depois de dezessete anos, eles começaram a treiná-lo para que ele fosse um deles e nunca frequentou uma escola regular para que, ao menos, soubesse seu nome.

Depois de um ataque surpresa, a quem tinha como pai que depois do ocorrido perdeu os movimentos e ficou paraplégico, então ele passou a se dedicar mais e mais ao seu pai que foi responsável por tirar a vida de sua mãe, além de matar mais e mais, incansavelmente em nome do Islã até que em um desses ataques, ele conheceu quem o faria mudar, apaixonando-se incondicionalmente, porém, não, um minuto que seja de cuidar de quem lhe roubou a infância e a vida de sua mãe.

Em uma manhã de sexta-feira, quem o tinha como pai morre após passar cinco anos vivendo a inércia e, desde então, o garoto viveu o resto de sua vida com a culpa de o ter matado, até se deixar vitimar pela depressão.
Essa garota, por quem, se apaixonou o garoto que nem mesmo sabia seu nome, descobriu o câncer em seu cerebelo que já havia se espalhado e ela teve de cortar o cabelo loiro, sua maior fascinação.

Ela, por meio de cartas, deu a notícia e o propôs que a fizesse viver o hoje como se fosse o seu último dia e ela queria viver a experiência de ser mãe. Esse desejo maçante de ser mãe foi o motivo que a fortaleceu muito, pois esse momento na vida de toda mulher é um divisor de águas.
A partir daí, ela começou a cabular suas aulas para realizar seu maior sonho e teve sua primeira relação sexual com esse menino e engravida dele.

No final de semana, em que os dois se encontram ela conta a ele sobre o câncer e que estava grávida e combinaram um dia para ele cortar o cabelo dela e ela o dele.
No dia em que se inicia o tratamento, ela começa a sentir os sinais de sua gravidez.

E seis meses depois, ela recebe a melhor notícia de sua vida que é de sua cura e os dois começam um relacionamento carregado por frutos sadios.


Kaique Barros

Título: Viver a Inércia

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Viver a Inércia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios