Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Sou cabeleireira e estou amementando posso trabalhar minha filha tem dois meses

Sou cabeleireira e estou amementando posso trabalhar minha filha tem dois meses

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 26
Sou cabeleireira e estou amementando posso trabalhar minha filha tem dois meses

A amamentação é muito importante para o bébé recêm- nacido mas não invalida que deixe de se trabalhar.
No caso de não se poder estar muito tempo em casa e não ter licênça de maternidade há cuidados que se devem ter quando se volta a trabalhar.
Apesar da ansiedade típica que se tem num momento desses pode voltar-se á vida ativa e garantir o aleitamento.
Este vai-se tornando mais fácil com o decorrer dos meses e o aperto no peito diminui gradualmente.

Com a necessidade de se trabalhar, por exemplo como cabeleireira, surge a opção de tirar o leite com auxílio de uma bombinha elétrica, por exemplo.
Depois basta guardar o leite que se retirou num frasco de vidro esterilizado, que deve ferver durante dez minutos. Em seguida deixa-se secar naturalmente sobre um pano num prato limpo.

O leite pode assim ser guardado na geladeira durante vinte e quatro horas.
Quando se está a trabalhar no salão, deve em primeiro lugar prender-se os cabelos, escolher um local calmo e sem pessoas, para retirar o leite.
Além disso o ideal é optar por um vestuário acessível, como blusas abertas.
Deste modo é mais fácil reirar o leite excedente, para dar mais tarde ao filho.

No entanto antes destes procedimentos, convêm durante uns dias antes de voltar ao trabalho, habituar o bebé a beber o leite da mamadeira com outra pessoa.

Sem o contacto com a mãe o bébé habitua-se melhor a beber o leite do frasco, ao invés de preferir o peito da mãe.

Deste modo a mãe deve manter-se longe e não se mostrar para ele, a fim de não estragar o hábito.

Neste caso da mãe deve dar de mamar logo de manhã e quando chega a casa.
Noo início ele vai estranhar mas logo se habitua com outra pessoa.

No caso de juntar muito leite deve colocar-se em frascos no freezer, com etiquetas do dia em que retirou o leite. Assim, ele pode estar lá durante quinze dias, sem estragar, desde que vá dando sempre o mais antigo.
O leite que se retira no trabalho deve ser colocado numa geladeira e à tarde transportado num saco térmico até chegar a casa e ser colocado no freezer ou geladeira.

Se estes passos forem seguidos e a mãe tiver o cuidado de se cuidar na alimentação e com exercício físico, a amamentação não sofre alteração e pode produzir o leite suficiente.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Sou cabeleireira e estou amementando posso trabalhar minha filha tem dois meses

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 26

676 

Comentários - Sou cabeleireira e estou amementando posso trabalhar minha filha tem dois meses

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios