Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Regras De Concordância Verbal: Sujeito Simples

Regras De Concordância Verbal: Sujeito Simples

Categoria: Outros
Visitas: 4
Regras De Concordância Verbal: Sujeito Simples

Para quem quer aprender mais sobre a língua portuguesa ou gosta muito de escrever, a dica de hoje refere-se ao uso da concordância verbal no sujeito simples. É importante saber dessas regras, pois são elas que nos direciona para uma escrita e um modo correto de uso.

Não tem como não estudá-las. Mesmo sabendo que não iremos decorar nunca, porém quanto mais você as estuda e pratica, mais você se familiariza e aprende. Depois, torna-se natural e não necessitará recorrer a elas.

Regras gerais:
- Ocorre quando o verbo se flexiona para concordar com o seu sujeito. Exemplos:
1) Ele gostava daquele seu jeito carinhoso de ser;
2) Eles gostavam daquele seu jeito carinhoso de ser.

Casos de concordância verbal: sujeito simples
Regra geral:
- O verbo concorda com o núcleo do sujeito em número e pessoa. Exemplo:
1) Nós vamos ao cinema.
O verbo (vamos) está na primeira pessoa do plural para concordar com o sujeito (nós).

Casos especiais:
a) O sujeito é um coletivo – o verbo fica no singular:
- A multidão gritou pelo rádio.
b) Coletivos partitivos (metade, a maior parte, maioria, uma porção de, grande número de, etc) – o verbo fica de preferência no singular:
- A maioria dos alunos foi à excursão.

c) O sujeito é um pronome de tratamento – o verbo fica sempre na 3ª pessoa (do singular ou do plural):
- Vossa Alteza pediu silêncio;
- Vossas Altezas pediram silêncio.
d) O sujeito é o pronome relativo que – o verbo concorda com o antecedente do pronome:
- Fui eu que derramei o café.

e) O sujeito é o pronome relativo quem – o verbo pode ficar na 3ª pessoa do singular ou concordar com o antecedente do pronome:
- Fui eu quem derramou o café.
f) O sujeito é formado pelas expressões: alguns de nós, poucos de vós, quais de..., quantos de..., etc. – o verbo poderá concordar com o pronome interrogativo ou indefinido ou com o pronome pessoal (nós ou vós):
- Qual de vós me punirão?
- Qual de vós me punireis?

g) O sujeito é formado de nomes que só aparecem no plural – se o sujeito não vier precedido de artigo, o verbo ficará no singular. Caso venha antecipado de artigo, o verbo concordará com o artigo:
- Estados Unidos é uma nação poderosa;
- Os Estados Unidos são a maior potência mundial.
h) O sujeito é formado pelas expressões mais de um, menos de dois, cerca de..., etc – o verbo concorda com o numeral:
- Mais de um aluno não compareceu à aula;
- Mais de cinco alunos não compareceram à aula.

i) O sujeito é constituído pelas expressões a maioria, a maior parte, grande parte, etc – o verbo poderá ser usado no singular (concordância lógica) ou no plural (concordância atrativa):
- A maioria dos candidatos desistiu;
- A maioria dos candidatos desistiram.

j) O sujeito tiver por núcleo a palavra gente (sentido coletivo) – o verbo poderá ser usado no singular ou plural se este vier afastado do substantivo:
- A gente da cidade, temendo a violência da rua, permanece em casa;
- A gente da cidade, temendo a violência da rua, permanecem em casa.


Luene Zarco

Título: Regras De Concordância Verbal: Sujeito Simples

Autor: Luene Zarco (todos os textos)

Visitas: 4

397 

Comentários - Regras De Concordância Verbal: Sujeito Simples

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios