Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O melhor alimento que a natureza preparou para os bebés

O melhor alimento que a natureza preparou para os bebés

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 8
Comentários: 4
O melhor alimento que a natureza preparou para os bebés

O aleitamento materno é a melhor opção para a alimentação de um recém-nascido, uma vez que o leite materno contém todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o seu bebé necessita para ser saudável.

O processo de amamentação traz benefícios para a saúde física e mental, da mãe e do bebé, além de reforçar o vínculo entre mãe e filho. Isto é de uma importância extrema, pois para além de proporcionar ao bebé a parte da alimentação, ajuda-o a sentir, através do contacto físico, que é amado.

O leite materno fornece todos os nutrientes que o bebé necessita, protege-o de alergias, de vírus e bactérias, contribuindo para um crescimento saudável. Este adapta-se ao apetite e à sede de cada bebé, reduzindo a probabilidade de infecções respiratórias, criando uma maior resistência a diarreias e otites, reduz também, a probabilidade de o bebé se tornar uma criança obesa, ajudando ao seu desenvolvimento mental.

É mais facilmente digerido, promovendo o bom funcionamento dos intestinos, melhora a formação da boca e o alinhamento dos dentes.

Mas há também vantagens para a mãe, uma vez que facilita a perda de peso, ajudando a que a mulher volte a alcançar mais depressa o peso que tinha antes de engravidar, ajuda o útero a regressar ao seu tamanho normal, diminui o risco de cancro da mama e dos ovários, da osteoporose e de doenças cardíacas, está sempre pronto, poupa tempo, aumenta a confiança da mãe e diminui o grau de ansiedade, só para não mencionar que poupa dinheiro.

O leite varia na composição e na quantidade ao longo do período de tempo em que decorre a amamentação, ao longo do dia e ao longo de cada mamada, para assim poder responder às necessidades de cada bebé: quando o bebé nasce, é produzido o Colostro, um líquido amarelado e muito concentrado, rico em gorduras, sais minerais, proteínas e vitaminas e de fácil digestão.

Tem ainda propriedades laxantes para que as primeiras fezes, que se formam antes do parto, sejam rapidamente expulsas. Com o passar dos dias, irá surgir o leite maduro. Durante cada mamada, o peito produz dois tipos de leite: o leite inicial, mais líquido e indicado para matar a sede, seguido de um leite mais grosso e com mais gordura. Por isso é tão importante que o bebé mame uma mama inteira, pois necessita do leite produzido nestas duas fases, a do início e a final.

À medida que o bebé vai crescendo, a composição do leite também se altera, para assim poder acompanhar o desenvolvimento do bebé e irá responder às necessidades nutricionais do mesmo. Por isso se diz que o leite materno é o alimento mais perfeito que a natureza prepara para os bebés.


Catarina Bandeira

Título: O melhor alimento que a natureza preparou para os bebés

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 8

736 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    28-07-2014 às 18:03:09

    Que ótimo saber disso! Muito bom, adorei e obrigada.

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    16-09-2012 às 23:20:33

    Karina, não posso deixar de comentar a sua realidade. Acredito que se sinta deprimida e que esteja sujeita a um turbilhão de emoções e que o facto de não poder amamentar ainda agrave mais o seu estado de espírito. no entanto deve pensar que não está a amamentar para se tratar e para ser a mãe que quer ser. Saudável, atenta, presente e feliz. Isso vai fazer com que o seu bebé seja feliz também.

    ¬ Responder
  • KARINAKARINA

    10-11-2010 às 14:03:13

    acaabei me emocionando, tenho um bebê que acabou de completar quatro meses, a 15 dias atras foi diagnosticada em mim depressao pós parto, por esse motivo tive que parar de amamentar, tô muito sentida e sei que meu bebezinho sentiu tbm, não posso ver fotos de mulheres amamentando que começo chorar, quero ficar bem,mas infelizmente é mais forte que eu...

    ¬ Responder
  • VanessaVanessa

    21-05-2010 às 16:04:41

    Muito lindo,este bêbe.
    Parabéns pela escolha!

    ¬ Responder

Comentários - O melhor alimento que a natureza preparou para os bebés

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios