Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Ajuda (Des)humanitária

Ajuda (Des)humanitária

Categoria: Outros
Ajuda (Des)humanitária

A mãe natureza por vezes se mostra implacável em sua fúria, e em janeiro de 2010 um pequeno e humilde país, o Haiti, se depara com um dos maiores desastres ambientais já registrados, um terremoto 7.0 na escala Motherfucker a 25 km de sua capital, Porto Príncipe, o sismo atingiu cerca de 03 milhões de pessoas e o governo confirmou pelo menos 80.000 pessoas enterradas em valas comuns.

Uma tragédia sem limites e sem tamanho, o mundo enviou ajuda humanitária e financeira (cerca de 01 Bilhão de dólares para reestruturação sendo pelo menos 50 milhões do Brasil), o governo brasileiro também incentivou a migração cedendo vistos de trabalho para os haitianos, sem emprego ou moradia comprovada em terras tupiniquins, também fornecendo o mesmo visto para quem conseguisse chegar ao Brasil (legal ou ilegalmente no colo dos coiotes).

Em um ano após a tragédia já contávamos com mais de 1.600 refugiados, que não tinham para onde ir, apenas jogados de campo em campo tentando sobreviver a nossa intricada burocracia e problemas sociais, porém ainda tinham esperanças de serem acolhidos no país mais "receptivo" do mundo, o país da copa e do carnaval.

A imigração acontecia principalmente na fronteira com o Peru e o Acre nas cidades de Brasileia e Epitaciolandia, e no Amazonas na cidade de Tabatinga, em 2012 concentramos 4.000 refugiados do Haiti e Republica Dominicana, o governo decide então endurecer as regras para emissão de vistos em Porto Príncipe para 100 por dia, para pessoas com emprego comprovado e poderia ser acompanhado da família.

Desordem é a palavra que combina com nossa politica para abrigar refugiados, em 2014 chegamos à marca de 20.000 refugiados no Brasil, os refugiados encontravam abrigos de condições precárias pelo país, entre eles o abrigo de Brasileia, que contava com uma capacidade de 250 pessoas e estava operando com 1.100, fora as 80 pessoas chegando por dia.

O local estava em péssimas condições de habitação, os banheiros há muito haviam superado sua capacidade e o local estava com um vazamento de água mal cheirosa, as pessoas não tinham acesso a sabão ou creme dental, alimentos eram escassos, 40 º de calor e muitas pessoas com febre e dores abdominais, fora o preconceito dos habitantes locais e nenhuma certeza de onde ir.

Desde 2004 o governo Brasileiro usa o Haiti como vitrine internacional, para demonstrar a força de seu exercito ou sua organização para resolver calamidades ambientais (a região serrana do Rio que o diga), em 2010 nossa economia ia um pouco melhor se comparada com o resto do mundo, isso foi noticia internacional e incentivou a imigração e o governo com sua vaidade também.

Mas a corda estourou. A falta de planejamento em longo prazo só gerou medidas paliativas, a ultima delas é a desativação do centro de refugiados de Brasileia (aquele desumanitário), realocaram os refugiados em um novo centro em Rio Branco, a medida espera conter a imigração por aquela área (esquecendo a fronteira com a Bolívia).

Do abrigo em Rio Brando, que está recebendo refugiados de outros abrigos, pretende-se escoar os refugiados para as outras capitais, para então eles fazerem Deus sabe o que, afinal são apenas medidas paliativas sem resultado em longo prazo e engrossando nossas camadas pobres e provavelmente aumentando o numero de favelas.

Além da população média (ou Burra como preferir) que os vê com preconceito e desconfiança, os refugiados encontram um país em caos com seus sistemas básicos de infraestrutura, a maior taxa de impostos do mundo sem retorno, burocracia e corrupção enraizada na cultura, sofrem nas mãos dos coiotes para chegar aqui e sofrem nos hospitais públicos (como todos os Brasileiros, porém não são os primeiros atendidos em ordem de prioridade).

E no país mais "receptivo" do mundo ainda reina a politica dos velhos vaidosos, com seu falso moralismo, levantando bandeiras ideológicas que já deviam ter morrido; aqueles que dizem que seus protestos eram melhores, suas musicas eram melhores, seus políticos eram melhores, seu sistema é melhor, essas pessoas que construíram um mundo de muita vaidade, jogos de poder, dinheiro e nenhuma humanidade, por pura soberba acolhem pessoas já fragilizadas e lhes retiram de um inferno para jogar em outro desconhecido e intolerante. Parabéns

Brasil por uma psicopatia a nível internacional.


Victor Ponciano

Título: Ajuda (Des)humanitária

Autor: Victor Ponciano (todos os textos)

Visitas: 0

569 

Comentários - Ajuda (Des)humanitária

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios