Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Máquinas > Até onde a evolução das máquinas?

Até onde a evolução das máquinas?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Máquinas
Visitas: 4
Comentários: 2
Até onde a evolução das máquinas?

Embora no cinema as máquinas sejam capazes de fazer tudo e mais alguma coisa, na vida real isto ainda não é uma realidade. Não obstante, e apesar de a inteligência artificial estar a evoluir a uma velocidade menor do que a expectável, os robots têm já no seu currículo uma série de preciosas ajudas aos humanos, no que concerne a tarefas tão diversas como a exploração espacial, o auxílio a pessoas com deficiências físicas, o resgate de vítimas em distintos cenários de dificuldades e o cuidado a idosos. E pensar que eles começaram a sua “carreira” a abrir frigoríficos…!

A robótica inteligente constitui uma área de pesquisa em franco desenvolvimento. As técnicas de controlo robótico que se vão aperfeiçoando permitem aos robots executar funções bastante mais complexas, próprias do Homem, entre as quais se incluem a aprendizagem com a experiência, navegar por meios desconhecidos, desviar-se de obstáculos imprevistos e reagir de forma judiciosa a estímulos do ambiente.

Hoje em dia, fala-se já em micro-robótica e nano-robótica, no contexto de robots e máquinas orgânicos para combater doenças. Seria, certamente, o primeiro passo da criação de órgãos artificiais que o organismo não rejeitaria, uma vez que, à semelhança do que acontece com o corpo humano, trabalhariam com energia proveniente dos açúcares. Portanto, a aposta em tecnologias biomédicas assentes no progresso da Biologia Molecular, da Genética e da Informática, proporcionaria a cura das doenças e o aperfeiçoamento biológico do próprio ser humano, que apenas morreria de egoísmo e burrice. Os chips de DNA atuariam como medicamentos personalizados, agindo no foco exato da maleita, de maneira natural, segura e absolutamente eficaz. Abrem-se boas perspetivas de podermos ter dentro de nós micro-robots a cuidar da nossa saúde!

Há quem adiante, a título de suposição, com será a vida em 2038, prevendo que se habitará em casas alimentadas pelo perfil psicológico dos ocupantes, a partir de chips implantados no cérebro. Será que, finalmente, as donas de casa irão realizar, através destas novas interações, o seu sonho de ver os trabalhos domésticos feitos mal pensem em realizá-los? Tudo limpo e arrumado só com a força da mente...

Bem, uma marca com grande prestígio mundial concebeu já um robot movido pelo pensamento, não sendo necessário qualquer músculo para lhe enviar instruções. Estaremos no início de uma nova era da Humanidade, em que se enceta uma conversação telepática com as máquinas?!...

Certo é que a comunicação Homem-máquina tem sofrido alterações significativas. O rato do computador, por exemplo, estará prestes a ser aniquilado pelo sistema touch. Ainda assim, alguns idealistas acreditam no total descanso das mãos, admitindo o reconhecimento de gestos como substituto de vários comandos no computador.

Na área dos electrodomésticos, uma marca de renome lançou uma inovadora máquina de lavar roupa capaz de utilizar água previamente aquecida pela energia solar. É o que se poderia apelidar de tecnologia ao serviço do Meio Ambiente.

Também no domínio da aviação se pretendem aviões controlados à distância por processos electrónicos e computacionais, sob a supervisão e o governo humanos, naturalmente, mas sem precisão de pilotos embarcados. Pelo menos, não mais se darão acidentes por erro humano…!

Os robots especialistas da actualidade (como o Deep Blue, que derrotou a campeão russo de xadrez, Kasparov) estarão, por este andar, a dar brevemente lugar a outros mais sentimentais.

E não tardará muito para que se vejam desfilar em passerelles belos modelos da robótica, quiçá cumulados de piropos de agrado. No fim disto tudo, resta saber se, num mundo de máquinas perfeitas, ainda cabem os seus criadores, de condição humana e limitada…


Maria Bijóias

Título: Até onde a evolução das máquinas?

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

808 

Imagem por: rumpleteaser

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãocarla

    29-08-2011 às 21:33:03

    concordo com o PRP agora a tecnologia tá muitooo moderna!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPrP

    06-07-2010 às 23:32:21

    Man, tu estás muito ultrapassado. Já existem máquinas de telepatia facilmente introduzidas em pessoas para lhes ler os pensamentos facilmente.Quer uma prova?Vá ao google e procure por Neurosky tecnologies.
    A era que entramos é perigosíssima com essas máquinas nas mãos de inconsequentes!

    ¬ Responder

Comentários - Até onde a evolução das máquinas?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: rumpleteaser

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios