Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Máquinas > Bem-vindo à era do “Homo Maquinis”

Bem-vindo à era do “Homo Maquinis”

Categoria: Máquinas
Comentários: 1
Bem-vindo à era do “Homo Maquinis”

Há alguns milhões de anos, em plena pré-história, vagueava pela Terra o Homo Erectus, que adivinhava já a ancestralidade da insatisfação. Efectivamente, ele passou a não se contentar com ferramentas de madeira colectadas na Natureza, tendo começado a fabricar outras de pedra, encetando assim o primeiro período pseudo-industrial denominado de Idade da Pedra. Daí em diante, o desenvolvimento de habilidades não mais teria fim: arranjou forma de cozinhar, de se vestir (com roupas provenientes de peles de animais e cosidas com agulhas feitas de osso), de construir abrigos e lareiras, …

Na actualidade, quase toda a gente depende das máquinas para quase tudo: trabalho, lides domésticas, deslocações, confecção e conservação de alimentos, limpeza da casa, higiene pessoal, diversão, informação, comunicação e até a manutenção ou prolongamento da vida. Nos últimos tempos, inclusive, já nem é necessário levantar o real traseiro, comodamente aconchegado no sofá, para mudar o canal da televisão, nem colar a barriga ao fogão à espera que a água ferva para o café.

Não deve haver nenhum emprego onde as máquinas não se encontrem, directa ou indirectamente, presentes. Nas fábricas, em escritórios, na agricultura, enfim, todos os sectores foram afectados por esta autêntica “pandemia”. A criação de máquinas está relacionada com uma ambição de crescimento, que é intrínseca e que motivou os nossos antecessores a lançar-se em novas descobertas. A cada dia que passa, a eficiência do que se vai criando em termos de maquinaria cumpre objectivos de exigência e complexidade superiores, e o progresso apresenta-se como uma realidade irrefutável. Não obstante, por vezes, parece que o Homem se esquece que foi ele o autor das máquinas, pelo que se afigura ridícula e até insana a frequente escravidão, proveniente do orgulho e, sobretudo, da ganância ante um produto criado por ele próprio!

Por outro lado, os benefícios que os engenhos mecânicos aportam podem transformar-se em consequências maléficas pelas mesmas mãos, de acordo com a boa ou má vontade do ser humano. É inegável, por exemplo, a redução da penosidade que a mecanização veio permitir nos trabalhos agrícolas, a par do admirável incremento do rendimento desse labor e das áreas cultivadas. Todavia, as questões ambientais revestem-se de uma crescente premência nos países em que tais processos estão mais disseminados.

Têm-se produzido guias de boas práticas, com o intuito de informar e sensibilizar os agricultores, destacando aspectos relativos aos solos, à erosão, à aplicação massiva de fertilizantes e de produtos fitofarmacêuticos, ao destino a dar aos óleos de motores queimados, à emissão de dióxido de carbono para a atmosfera. Afinal, a ruralidade pode não ser assim tão inofensiva…

Ainda que estejamos na era do “Homo Maquinis”, não há que esquecer que as máquinas “nasceram” para tornar a vida mais fácil, e nos concedem tempo livre para a gozarmos!



Maria Bijóias

Título: Bem-vindo à era do “Homo Maquinis”

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

659 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJaime Antunes

    16-05-2009 às 00:37:22

    Maria, foi um texto deveras, muito tecnico e profundamente interressante, no entanto muitas duvidas poderam ficar do proprio texto por não abordar os outros temas menos relevantes para aquelas pessoas que raramente têm contacto com as máquinas. Queria expressar então á Maria( que na minha leitura será uma engenheira) o meu forte agradecimento por este texto sobre o topico "Máquinas" focar aspectos especificos. Toda a minha tese de engenharia civil, baseia-se em perpectivas rectas de uma matéria que está sempre em movimento...como as máquinas...sempre em movimento. Irei ter uma curiosidade futura de acompanhar os textos Seus e de acrescentar uma pequena gota de conhecimento ao mesmo com o meu comentário. Eu sei que para comentar a este nivel profundo academico requer coragem. E coragem nem todos têm. Tenho colegas que falam , falam , falam e não dizem nada. Conheço máquinas que tem mais coragem do que muitos Homens.
    Queria então concluir Maria, e tentando ser o mais curto e claro possivel, que o Homem criou as Máquinas.

    Poderá ser uma forte verdade que nem todos os engenheiros estejam preparados para compreender. Acredito mesmos que para aqueles com limitações de conhecimento se sintam amedrontados com esta verdade tão forte.

    O Meu mais profundo , grato, reconhecido e agradecimento pelo seu texto do topico - Máquinas.

    Cordialmente,

    ¬ Responder

Comentários - Bem-vindo à era do “Homo Maquinis”

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios