Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Máquinas > O controlo das máquinas

O controlo das máquinas

Categoria: Máquinas
Visitas: 2
Comentários: 1
O controlo das máquinas

Vivemos numa era em que, basicamente, a mecanização assumiu o controlo. As pessoas e as organizações são vistas como máquinas, e os seus critérios de utilidade e validade estão intimamente relacionados com a produtividade máxima de que são capazes. O próprio planeamento das empresas é feito à imagem e semelhança das máquinas, esperando que os colaboradores se comportem como componentes destas, absolutamente desprovidos do seu espírito humano, criatividade e capacidade de acção espontânea.

Na Idade Média, os camponeses encontravam sustento na agricultura, vivendo de e para as suas colheitas, condicionadas pelos ciclos da noite e do dia e das estações do ano. Os artesãos trabalhavam nas suas oficinas, geralmente anexos da casa que habitavam, dando asas à sua arte, com base nas solicitações dos clientes. O tempo de trabalho era medido em função do término dessas produções. Com a Revolução Industrial, porém, as tarefas passaram a ser repetitivas, cronometradas e ordenadas a um agregado final que o trabalhador desconhecia ou nunca veria composto. Ele perdeu, deste modo, a ligação entre o que realizava e o resultado. Separou-se o produtor do produto, alheando-o do serviço que prestava.

A mecanização foi tão profunda que, pouco a pouco, o operário foi sendo substituído pelas máquinas nas tarefas passíveis de verem aumentada a repetição. Trouxe ainda redução nos preços e a popularização dos bens, estimulando o aumento dos mercados e fomentando o desejo pelo consumo. Não obstante o desenvolvimento económico potenciado, o acto de trabalhar perdeu importância no imaginário humano, dado que foi extinta a relação emocional que se estabelecia com o fruto desse labor. Ele deixou de ser voluntário para se tornar compulsivo, forçado. Já não constitui uma satisfação, mas uma obrigação, uma necessidade. Passou a ser encarado como um sofrimento inevitável, vazio, inútil, cansativo.

O seu status de valor e de dignidade humana foi suprido pela transformação do Homem num apêndice das máquinas. Desapareceu o seu significado e falar de prazer neste contexto soa a ridículo.

Consequentemente, as organizações convertem-se em estruturas onde a frieza e a insensibilidade, características das máquinas, imperam, e em que executar é a palavra de ordem. Todavia, este sistema mecanicista não se adapta facilmente a situações de mudança, porque dotadas de uma delineação rígida de planos estanques para a prossecução de objectivos predeterminados. As inovações não têm espaço neste clima de austera inflexibilidade, para além de que ninguém questiona coisa nenhuma, porque, cumprindo o seu papel de boa “máquina”, prevalece uma total privação do uso do raciocínio! Para inverter esta conjuntura, terá de ocorrer uma Revolução Humana…



Maria Bijóias

Título: O controlo das máquinas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

781 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Sandro Evonio G. SantosSandro Evonio G. Santos

    16-09-2009 às 15:27:31

    Enfatizo ainda, que sob o nome de colaboradores é que são designadas estas pessoas que ao contrário das máquinas não só executam como acrescentam sugestões importantes em qualquer processo de produção ou serviços. A mecanização que acompanha a evolução tecnológica, sofre muito mais pela gestão dos números secos e frios de pessoas que analisam os fins e desconhecem os meios. É muito fácil dezer que o número não foi atingido e ao invés de buscar-se conhecer a causa de uma falha apontar um culpado. Se existe este tipo de comportamento? O chão de fábrica pode responder melhor do que ninguém! Um trabalho corporativo e que tenha como seu maior ativo as pessoas, não precisa ser feito de belas imagens ou belos discursos, mas sim de atitudes que valorizem o verdadeiro tesouro de qualquer organização.

    ¬ Responder

Comentários - O controlo das máquinas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios