Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Vestuário > Peças indispensáveis no seu guarda-roupa

Peças indispensáveis no seu guarda-roupa

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Vestuário
Comentários: 1
Peças indispensáveis no seu guarda-roupa

Um guarda-roupa básico é constituído por peças de vestuário práticas e versáteis. E claro, umas toillets para momentos especiais e, quando o emprego o exigir, umas fatiotas mais pomposas. Todavia, esta “pomposidade”, à semelhança das outras características, não significa necessariamente que se tenha de gastar muito dinheiro; efetivamente, existem indumentárias básicas a preços modestos e acessíveis ao comum das bolsas.

Por outro lado, as peças podem ser misturadas entre si, o que, para além de favorecer visuais distintos, revela criatividade. Várias podem ser as aparências conseguidas com a mesma base em combinações e contextos diversos. O segredo de uma elegância intemporal é, antes de mais, obter primeiro o básico e só depois ceder a algumas propostas da moda. É que esta é efémera…

Assim sendo, as mulheres devem optar por roupa de boa qualidade (tendo em conta o tecido, os acabamentos e o conforto), que inclua um ou mais conjuntos femininos de casaco e saia ou casaco e calça, em preto, azul-marinho, castanho ou cinza, um blazer preto, castanho, cinzento ou bege, saias e calças pretas, camisas de manga comprida ou curta brancas, blusas de malha pretas, beges, brancas ou castanhas, meias finas da cor da pele, vestidos pretos, castanhos, azul-marinho, verde-escuros, vinho, beges ou cinzentos, malas e cintos pretos e castanhos, tal como os sapatos (que devem ser de salto médio), colares e brincos a condizer com os trajes e relógios clássicos (de preferência prateados e dourados).

No que respeita aos homens, em ambientes de trabalho que não obriguem ao uso de fato e gravata, a liberdade de escolha é maior, e, portanto, as dúvidas e a possibilidade de cometer erros também. Os itens de avaliação da boa qualidade das vestes são os mesmos, sendo que devem preferir ternos pretos, cinzentos ou azul-marinho, casacos ou blazers pretos, castanhos cinzentos ou beges, calças direitas, sem muitos pormenores, em preto, castanho, cinzento, café ou bege, camisas sociais lisas em branco, azul claro, cinzento claro e creme, sapatos pretos e castanhos (à semelhança dos cintos) e gravatas boas de tons discretos.

A palavra-chave em termos de roupa é discrição. Por outro lado, quando se investe numa tendência de alta qualidade (um casaco ou outro acessório de moda) é sensato não deixar de o usar assim que ele deixar de estar na berra; a moda é cíclica! No fim de contas, o mais importante é dar um toque pessoal à maneira de vestir, mantendo a discrição e a elegância e uma (desejável) diferenciação dos demais.


Maria Bijóias

Título: Peças indispensáveis no seu guarda-roupa

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

744 

Imagem por: Idhren

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    23-08-2014 às 20:47:56

    Não pode faltar um bom jeans descolado, um tênis moderninho e uma camiseta bem fashion! Adoro um estilo informal, simples e arrojado! Quanto aos acessórios, cintos e brincos são essenciais!

    ¬ Responder

Comentários - Peças indispensáveis no seu guarda-roupa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Imagem por: Idhren

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios