Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Vestuário > Como aproveitar da melhor maneira o espaço de um guarda-roupa

Como aproveitar da melhor maneira o espaço de um guarda-roupa

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Vestuário
Visitas: 16
Comentários: 3
Como aproveitar da melhor maneira o espaço de um guarda-roupa

A maior parte das vezes a nossa roupa e acessórios é sempre em demasia para o espaço que possuímos para a sua arrumação.

Todavia, existem alguns truques que podem jogar a nosso favor. E nada melhor que aproveitar a mudança de estação para os pôr em prática.

O vestuário deverá ser arrumado de modo a que o ar circule livremente, pois só assim se impedirá que o cheiro a mofo se instale nos nossos armários.

A roupa também não deverá ser comprimida, pois assim ficará amarrotada.

Quando usar uma peça de roupa que não pretende lavar ainda, tenha o cuidado de a deixar arejar, antes de arrumar. Aperte botões e feche todos os fechos das mesmas, acerte colarinhos e vincos antes de proceder à sua arrumação.

Os cabides grossos são indicados para peças de roupa mais pesadas, como casacos. Os de plásticos, são ideias para outro tipo de roupa. Qualquer um deles, deve ter um bom formato, de modo a não estragar a linha dos ombros.

As camisolas grossas e os pulôveres, devem ser dobrados. Para tal, coloque papel de seda ou papel vegetal nas costas de cada peça de roupa antes de as dobrar.

Peças de seda e de algodão não devem ser arrumadas em sacos por muito tempo, pois precisam de ser arejadas. Opte por envolvê-las em lençóis velhos ou então em papel de seda.

Antes de guardar roupa de inverno ou de verão, lave-as ou mande-as limpar a seco.

Os sapatos e botas devem ser limpos, secos e arejados antes de serem arrumados.

Os chapéus deverão ser enchidos com papel de seda amachucado, para que não percam a forma.

Os lenços, gravatas e cintos devem ser colocados em cabides próprios.
Organize o espaço com caixas e com divisões.

Rotule sacos e caixas com listas, mencionado o seu conteúdo, para assim ser mais fácil de encontrar o que pretende, e não perder tanto tempo.

Num guarda-roupa, as prateleiras deverão ser usadas para arrumar a roupa de casa, malas e chapéus.

Tudo o que for utilizado com mais frequência deverá ficar nas prateleiras mais baixas e tudo o resto nas que estão mais altas.

Nas gavetas, coloque peças de roupa pequenas, como meias e roupa interior.

Os varões são ideais para pendurar saias, casacos, blusas e vestidos. As peças mais compridas deverão ser separadas das mais curtas, porque o espaço que fica abaixo destas poderá ser utilizado para mais arrumação.

Os cestos de arame são ótimos para acondicionar camisolões e roupa mais grossa.

Os espaços abertos podem ser usados para arrumar pastas e malas.

O calçado deverá ser colocado lado a lado numa prateleira, pois precisam de muita ventilação


Catarina Bandeira

Título: Como aproveitar da melhor maneira o espaço de um guarda-roupa

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 16

762 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-06-2014 às 02:20:11

    Os cabides são imprescindíveis. Muitas pessoas enrolam as camisas, blusas, bermudas e as colocam nas gavetas. Assim, abrem mais espaço no guarda-roupa. Creio que também é uma boa ideia.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarla Horta

    09-09-2012 às 12:40:57

    Se o guarda roupa for alto, porque não colocar 2 varões um mais acima e o outro mais abaixo? Assim ganha-se o dobro do espaço e a roupa fica mais arejada e prática de ver e escolher.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJoão Humberto

    06-04-2009 às 00:23:16

    Foi muito interressante o teu texto catarina. Claro, direto e muito enriquecedor, no entanto eu tenho um grande problema:

    - Onde colocar tantos pares de calçado da minha mulher?

    Ao longo dos 12 anos de casados, ela, têm tido uma tendencia para comprar sapatos, mas estamos a falar, todos os meses. Ás vezes todas as semanas. Os sapatos até parecem uma "droga" para a minha mulher. Eu adoro a minha mulher, mas esta tendencia que têm em comprar sapatos deixa-me a bater um pouquito mal.

    São sapatos de todas as cores feitio e formas. São dezenas de sapatos. Talvez algumas centenas.

    - Onde colocar tantos pares de calçado da minha mulher?

    ¬ Responder

Comentários - Como aproveitar da melhor maneira o espaço de um guarda-roupa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios