Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Ama ou Escolinha – O que escolher?

Ama ou Escolinha – O que escolher?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 8
Ama ou Escolinha – O que escolher?

Quando se está gravida, existem imensidões de coisas que são obrigatórias pensar e decidir. Entre a preparação para a chegada do pequeno rebento, pensar no período pós licença de maternidade é fundamental. Deixar estas decisões para quando o bebe nascer, pode ser um erro, pois não terá tempo para escolher conforme deve ou quer.

Uma das decisões mais importantes que terá de tomar é onde fica o bebé quando chegar a dolorosa altura de voltar ao trabalho, após ter terminado o período de licença de maternidade.

Longe vai o tempo em que as avós não tinham uma vida profissional o que facilitava em todos os aspetos sobre o assunto. No entanto, vivemos na era em que todos trabalhamos e com horários muitas vezes considerados alucinantes, o que deixar o seu bebé com uma das avós pode ser uma ideia posta de parte logo à partida.

Na hora de decidir, aconselhe-se com quem já é mãe. Melhor que ninguém, elas têm conhecimentos e podem recomendar da melhor forma. Boas ou más experiencias saltam nas conversas que mantiver com algumas delas.

Nesta escolha, poderá optar por uma de duas hipóteses. Amas ou escolinha com berçário. Mas afinal quais são as diferenças que podem fazê-la por optar por uma e excluir a outra?
Há vários fatores que têm de ter em consideração.

Quando se escolhe uma ama faça-o por recomendação. Alguém que more perto de sua casa e que conheça vai dar-lhe alguma segurança. Verifique se tem por habito sair de casa e deixar as crianças entregues a alguém e se atividades de desenvolvimento estão previstas. Existem muitos casos em que as amas não estão credenciadas e nestes casos é melhor refletir mais do que uma vez. Peça à ama para recebê-la lá em casa.

Verifique onde é que o seu bebé vai dormir, comer e ser trocado. E na eventualidade de ele se sujar, onde vai tomar banho? Quantas crianças estarão na ama ao mesmo tempo?

Verifique se passam recibos dos pagamentos que vai fazer. Este assunto diz muito sobre a organização desta ama. Quem passa recibos, está inscrita na Segurança Social e isso acarreta um controle bem melhor do que as amas que trabalham clandestinamente.

Se optar por uma escolinha, verifique quantos bebés estão no berçário. As caminhas estão separadas e cada um tem a sua? Pergunte quantas educadoras e auxiliares estarão com os bebés. Nessa salinha é suposto estarem crianças até 1 ano. Verifique se é isso que se passa.

Peça sempre referencia e verifique a situação legal de ambas as situações. Pagar menos por vezes implica riscos que com toda a certeza não vai querer correr.


Carla Horta

Título: Ama ou Escolinha – O que escolher?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 8 )    recentes

  • SophiaSophia

    26-05-2014 às 04:26:31

    Acredito que a mãe precisa ficar com seu bebê, pelo menos, nos primeiros 3 anos de vida. Por isso, a gravidez tem de ser bem planejada! É nessa fase que ela aprenderá os hábitos que formarão seu caráter e a mãe é que deve educá-la, então, terá que se abster de um trabalho secundário e ficar integralmente com seu filho(a).
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarla

    30-07-2012 às 10:48:53

    Quando a minha filha nasceu não tive onde a deixar. Não conhecia nenhuma ama de confiança e as avós da minha filha ainda trabalhavam. Deixei-a num colégio particular que o meu sobrinho já tinha frequentado. O colégio era muito bom e de grandes referencias, mas confesso que chorei o caminho todo quando a deixei lá a primeira vez com 4 meses, pois tive de voltar a trabalhar. Foi muito doloroso, apesar de ela estar bem.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarolina

    26-07-2012 às 11:38:11

    Tenho as melhores recordações da minha ama. A “avó” Amélia era do mais docinho que podia haver. Papinhas boas, miminhos e lembro-me que a casa dela cheirava sempre a arroz doce que nos oferecia em bocadinhos pequeninos em colheres especiais. Mimava-nos tal e qual como uma avó e até acho que ela nos sentia como netos. Lembro-me dela comovida no dia em que deixei de lá estar pois fui para a escola.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoClarice

    26-07-2012 às 11:37:50

    Ter a ideia de que as amas são sempre ilegais é errada. A ama das minhas sobrinhas sempre foi fantástica e passava recibos. Avisava quando ia tirar o seu período de férias (o mesmo à anos) e nunca houve nenhum problema. Só aceitava 3 crianças de cada vez e só as tinha até aos 3 anos. Quando elas entraram na creche já sabiam pintar e agarrar bem nos lápis. Na ama, até atividades tinham. Ela é perfeita.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoLuana

    24-07-2012 às 10:38:13

    Até posso concordar que nos primeiros meses, nada como as avós, mas e quando elas estão a trabalhar? Quando não se tem essa sorte? Quando a minha filha mais velha nasceu, deixei-a na casa de uma ama na minha rua. Sempre tive boa impressão da ama, pois via-a com as 2 crianças que tomava conta na altura e via que elas eram bem tratadas. Pedi informações sobre a senhora e a minha Iris passou a ficar lá até ter feito os 3 anos. Por essa altura passou a ir ao colégio.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSandra

    24-07-2012 às 10:27:51

    O melhor de tudo é deixá-los na casa da avó até terem idade de entrar na pré-primária. Nada como os mimos e a atenção das avós. Depois das mães só mesmo elas para ajudarem na educação e na criação dos valores morais dos filhos. Nada como uma educação dada dentro do seio familiar.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoNúria

    23-07-2012 às 12:29:18

    Cada vez que se fala de amas, lembro-me sempre de situações ilegais de senhoras sem muitas condições que tomam conta de crianças. Não consigo pensar em deixar num sitio desses a minha filha quando for a hora de eu ir trabalhar. Posso ter uma ideia errada, mas num infantário é diferente.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoInês

    23-07-2012 às 12:28:50

    Deixei sempre os meus filhos com a mesma ama que tomou conta dos meus sobrinhos. Além de a conhecer há muitos, muitos anos acho que a educação com uma ama antes da entrada numa escola é o ideal. O conforto, o miminho são algumas das coisas que julgo são diferentes de uma creche.

    ¬ Responder

Comentários - Ama ou Escolinha – O que escolher?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios