Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > “Bilhete de identidade” e virtudes do bacalhau

“Bilhete de identidade” e virtudes do bacalhau

Categoria: Alimentação
Visitas: 2
Comentários: 1
“Bilhete de identidade” e virtudes do bacalhau

O bacalhau é um peixe de águas frias que entrou nos menus de todo o mundo. Dele aproveita-se tudo: a carne (fresca, seca, defumada ou salgada), o fígado (de onde se extrai óleo), e a bexiga (para fazer cola).

Os cientistas chamam-lhe Gadus morhua ou cod, mas os portugueses tratam-no por bacalhau; é torsk para os noruegueses; baccalà para os italianos; bacalao no dizer dos espanhóis; morue em francês; codfish para os ingleses. Os portugueses, sendo os maiores consumidores do mundo, também o apelidam de “fiel-amigo”.

Há vários peixes da espécie do bacalhau. O Gadus morhua ou cod é o bacalhau legítimo. Pesca-se no Atlântico Norte. É o maior e o mais largo. As suas postas são altas. Tem coloração palha uniforme, quando salgado e seco. Depois de cozido, desfaz-se em lascas claras e tenras. É o mais apetitoso.

O Gadus macrocephalus, o bacalhau do pacífico, é parecido com o cod. Distingue-se pelo rendado branco na cauda, por não se desmanchar em lascas, pois é fibroso, e apresenta-se menos agradável ao paladar.

O Pollachius virens é o chamado bacalhau da Península Ibérica. A sua área estende-se da Noruega até ao Mediterrâneo. É escuro e tem um sabor forte. Utiliza-se em bolinhos, saladas e ensopados de bacalhau.

O ling é mais estreito. Tem uma cor clara, bonita e por isso atrai os compradores e o zarbo é o mais pequeno de todos. O Theragra chalcogramma é conhecido como o paloco do Pacífico.

O bacalhau foi descoberto pelos Wikings, mas foram os bascos que iniciaram a sua comercialização e os portugueses que o levaram para os quatro cantos do mundo. Por ser seco ou salgado, o bacalhau conserva-se muito tempo.

Até à II Guerra Mundial (1939-1945), o bacalhau foi um alimento barato. Era comum na mesa dos pobres. Daí virá a expressão: «Para o que é, bacalhau basta.» Existe uma tradição de comer bacalhau, sobretudo em países de língua portuguesa, em determinadas ocasiões, geralmente associadas a datas religiosas, como é o caso do Natal e da Páscoa.

O Bacalhau, salgado ou seco, conserva todas as propriedades do peixe fresco.

É nutritivo, saboroso, de fácil digestão, rico em minerais e vitaminas e com colesterol quase nulo. O valor alimentício de um quilo de bacalhau equivale a três quilos de outro peixe. O bacalhau é ainda mais nutritivo do que a carne de porco, vaca ou frango.

Com maior ou menor acentuação do seu sabor, não faltam receitas que sugerem combinações deste com outros alimentos das mais variadas naturezas.



Maria Bijóias

Título: “Bilhete de identidade” e virtudes do bacalhau

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

767 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • BADGER SILVEIRABADGER SILVEIRA

    26-05-2010 às 14:24:22

    O bacalhau Theragra chalcogramma é conhecido como o paloco do Pacífico (no brasil chamamos de Merlusa do alasca)É BACALHAU? Como em vem em file (tipo peixe)e desalgado, como prepara-lo como bacalhau? Poço servi-lo como se fosse bacalhau ou o ideal é mistura-lo com um Shait por exemplo. grato.

    ¬ Responder

Comentários - “Bilhete de identidade” e virtudes do bacalhau

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios