Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > As 1001 maneiras do Bacalhau

As 1001 maneiras do Bacalhau

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Visitas: 2
As 1001 maneiras do Bacalhau

Bacalhau com todos e para todos. Se julgamos que o bacalhau é um peixe muito consumido em Portugal, é porque não sabe que ele é consumido em muitos, muitos outros lugares.

Conhecido na Alemanha, na Dinamarca, Itália, França ou em Espanha (onde se diz Bacalao), o bacalhau é consumido das mais diversas formas e com qualquer acompanhamento ou especiaria. Pois saiba ainda que o bacalhau é tão velhinho que é milenar e existem registos que na Noruega, no Séc. IX, os vikings foram extraordinários descobridores da arte de conservar este peixe.

De baixo teor de gordura e alta concentração de proteínas, o bacalhau é considerado rei pela forma como o podemos secar sem que perca todos os seus nutrientes. Num tempo em que a refrigeração era um sonho ainda por inventar, o bacalhau salgado e seco permitia que o seu paladar fosse conservado na hora de o cozinhar e degustar.





Mas afinal o que é de tão importante no bacalhau? É que este peixe é o único em que existem 1001 maneiras de o cozinhar. Não acredita?
Se começámos por falar no Bacalhau com Todos, falemos dele. Com grão, batata e couves, o bacalhau é cozido e regado com azeite, alho e cebolinha picada e coentros. Há quem com as sobras, faça uma receita tipicamente Portuguesa – Roupa Velha – onde se desfaz tudo, se salteia na frigideira e é de Deuses.

Bacalhau com Natas (com várias versões), à Brás (quem não o sabe fazer afinal), à Zé do Pipo, Espiritual, na Cataplana ou na Caldeirada, a tão alentejana Açorda de Bacalhau, em pasteis (no Brasil conhecido por bolinhos de bacalhau), à Minhota (frito), no forno, Assado (com batata a murro), com Broa, á Gomes Sá (com o ovo e as deliciosas azeitonas pretas)… E tudo isto, só em Portugal.

Se nos virarmos para outras gastronomias e para os vizinhos Espanhóis, descobrimos o bacalhau com Tomate (tipo salada), Al Pil Pil (frito com molho de azeite) e claro Bacalhau Som Quichote (com pimentão vermelho) e as famosas Tortilhas.

Carpaccio de Bacalhau, Piperade e Lasanha em Itália. Também Rondelli de Bacalhau por estas terras se come com muito gosto.

Em França, encontramos Bacalhau Avignos, um clássico a provar. E com molho de creme de leite, não deixe de provar Brandade de Morue.

O Bacalhau é um mundo e se existem as 1001 noites, porque não a experimentá-las com novas ou tradicionais, mas sempre deliciosas receitas de bacalhau.


Carla Horta

Título: As 1001 maneiras do Bacalhau

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 2

648 

Comentários - As 1001 maneiras do Bacalhau

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios