Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Telemóveis > iPhone - O Telemóvel que todos querem...

iPhone - O Telemóvel que todos querem...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Telemóveis
Visitas: 20
Comentários: 5
iPhone - O Telemóvel que todos querem...

Em junho do ano passado, a loucura instalou-se um pouco por todo o mundo: o iPhone 3G estava prestes a estar disponível no mercado. Milhares de pessoas estavam em lista de espera para ter o novo telefone da Apple. Mas o que torna este telemóvel tão especial? Além de permitir um acesso mais rápido à internet, tem iPod e GPS assistido pelo Google Maps que indica o local exato onde a pessoa está, tem uma câmara fotográfica de 2 megapixels, transfere dados de forma três vezes mais rápida… não acha que já são motivos mais do que suficientes para adquirir um?

Ah, parece que para muitos o único inconveniente é o elevado preço, acima dos 500 euros. Só que nem este fator impediu milhares de consumidores de o adquirirem. Mas uma análise mais pormenorizada demonstra que este telemóvel apresenta algumas falhas básicas, tais como: não grava vídeos, não recebe nem envia mensagens multimédia, não tem bateria extraível, não tem rádio FM, não tem bluetooth estéreo… E são estas faltas que modelos topos de gama de outras marcas colmatam.
Por isso, ainda não tinha saído para o mercado e o iPhone 3G já contava com muitos concorrentes. Porém ter um produto da Apple é sempre garantia de qualidade. Para muitos ter um Mac é mesmo uma filosofia de vida. Tudo o que é desenvolvido pela marca tem sempre uma identidade inovadora e exclusiva, com uma forte aposta no design. Steve Jobs, o proprietário da marca, é de tal forma exigente com os produtos que comercializa, que os empregados trabalham em clima de terror. Mas tem sido o sigilo que impõe aos colaboradores, que acaba por se o sucesso de marketing da empresa.

A verdade é que mais que uma ferramenta de trabalho ou de lazer, ter o iPhone 3G é também um símbolo de estatuto social. Muitas foram as pessoas que o encomendaram diretamente dos Estados Unidos, sem se preocuparam com os enormes custos de porte e nem mesmo com o facto de o aparelho não funcionar bem em redes europeias. Um pouco por todo o lado, veem-se pessoas com o telemóvel “em punho”, como se fosse um brinquedo, aliás, muitos encaram-no como tal. Atualmente não se fala de outra coisa e poucas são as pessoas que não gostariam de ter um. Aposto que você é uma dessas pessoas… Mas não se preocupe, que qualquer dia Steve Jobs anuncia mais uma novidade e ter um iPhone passar a ser para qualquer um. É que num mercado forte e competitivo, como o mercado dos telemóveis, o que é hoje inacessível, amanhã deixa de ser. Por isso, se ainda não tem o telemóvel da moda, não desespere, o amanhã está quase a chegar…

Catarina Guedes Duarte

Título: iPhone - O Telemóvel que todos querem...

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 20

655 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    29-10-2014 às 10:07:30

    O iPhone é sempre uma febre! Todos realmente o querem por causa das suas grandes funcionalidades e acredito também que é vaidade. Sempre há novos lançamentos e as pessoas não cansam de querer os últimos modelos.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    02-06-2014 às 06:13:27

    O iPhone é a sensação do momento e possui inúmeros modelos com características diferentes. Não sei se teria um desses, mas seu design e serviço são muito bons.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    16-09-2012 às 21:14:12

    Para mim a Apple tem bons produtos, derivado ao seu design, aos materias utilizados na sua construção que permitem uma maior longevidade do produto e também pelo facto de serem produtos virados para a produtividade e qualidade.Quanto ao iphone foi o primeiro a surgir do género, mas à medida que a concorrência aumenta têm-se verificado um pouco inadaptado, principalmente pelas limitações impostas pelo fabricante.

    ¬ Responder
  • Wallace RandalWallace Randal

    14-09-2012 às 14:06:13

    Sou definitivamente time Android. Ainda mais agora, com o lançamento recente do iPhone 5. Ele não tem nada de especial, então prefiro continuar com meu aparelho da Motorola, e com o sistema Android. Essa galera que compra por modismos não faz de fato uma análise de custo benefício e no final só estão interessadas em status.Bom, se o status é importante para alguns, fico com o que realmente é importante: preço, qualidade, e satisfação.

    ¬ Responder
  • ana raquelana raquel

    13-11-2009 às 10:58:12

    quanto custa o iphone com a rede da vodafone

    ¬ Responder

Comentários - iPhone - O Telemóvel que todos querem...

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios