Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Um momento a sós comigo.

Um momento a sós comigo.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Um momento a sós comigo.

Um dia entrei no meu quarto, respirei fundo e disse: “agora somos só nós”. Nós. Eu e o meu reflexo no espelho. Quantas vezes já teve vontade de fazer isto? Quantas vezes teve vontade de se desligar de tudo e de todos para dar atenção a única pessoa? Quantas vezes precisou de uns momentos, umas horas, por vezes dias para fazer uma análise cuidada do seu ser? Muitas, não é verdade? Todos nós temos a necessidade de desaparecer por momentos, quer seja para pôr as ideias em ordem, quer seja para fugir ao stress do dia-a-dia, ou simplesmente para recarregar energias.

Esta é uma necessidade inerente ao ser humano. Não há como escapar. Se não dermos atenção a esse sinal do nosso organismo entramos em rotura. Por exemplo. Imagine um balão vazio.aos poucos enchemos o balão e quando ele está no seu limite o que é que acontece? Simplesmente rebenta. Isso também pode acontecer com qualquer pessoa. Quero com isto dizer que, se acumularmos os problemas, as ansiedades, as multiplas tarefas obrigatórias do dia a dia, em casa ou no trabalho, vamos ter a mesma reação que um balão. Simplesmente vamos rebentar. E isso é inevitável se não fizermos nada a respeito enquanto ainda é tempo.

Agora coloca-se a inevitável questão: Como podemos reconhecer os sinais? É simples, através do nosso corpo. Quando sentimos demasiado cansaço, fadiga, dores de cabeça, irritabilidade, perda de apetite, ou fome a toda a hora, quando suspiramos por tudo e por nada, quando perdemos a paciência com facilidade, é hora de parar uns segundos e tentar descodificar o que se está a acontecer. O nosso corpo dá-nos sempre o alerta. Cábe-nos a nós colaborar com ele dando-lhe o que ele precisa.

No mundo moderno em que vivemos a doença que está na moda é o stress. E algumas pessoas simplesmente não conseguem relaxar. Pior que isso é que algumas dessas mesmas pessoas acham que não podem relaxar. Porquê? Elas sabem que existe uma situação com a qual não querem lidar e, por isso, tentam distrair-se mantendo-se permanentemente atarefadas. O problema é que não resulta. Além do tempo perdido em tarefas não-esenciais (qualquer coisa serve quando não queremos encarar a realidade), aquilo a que tentam escapar não desaparece.

Então o que podemos fazer para não chegarmos a esse estado de rotura? Primeiro precisamos de reservar algum tempo a sós. Sim! Tempo a sós com o nosso próprio espelho. Pode ser de manhã, à tarde, ou á noite. Pode ser em casa ou na rua.Desde que seja numa hora e num lugar em que possa relaxar sem ser incomodado. E o que fazer durante esse tempo? Nesse momento introspectivo, fale consigo próprio. Sim. Fale consigo próprio. Esqueça tudo o resto, os problemas, as ansiedades, o almoço, o jantar, o marido, a mulher, o gato, o cão, e o periquito. Lembre-se que também é gente e que se não se sentir bem não vai conseguir ser útil para ninguém.

Aproveite esse momento para se livrar do peso que sente. Tome um banho relaxante. Ouça uma boa música, leia um bom livro, faça uma caminhada, pense só em si.

Por vezes eu também sinto essa necessidade de estar sozinha. De me refugiar deste mundo louco. De fugir das minhas próprias insanidades. Por vezes sinto que não vou aguentar mais esta pressão que a sociedade me apresenta. Então só tenho uma solução. Fugir para dentro de mim em busca de soluções, em busca de otimismo, em busca de prespectivas diferentes. É normal pensar assim? Claro que sim. E mesmo que nos digam o contrário, mesmo que digam que a solidão e o isolamento fazem mal à saúde, eu continuo a achar que é exactamente o contrário. Sei que se não pararmos uns momentos não vamos conseguir aguentar. Vamos sofucar. Ou rebentamos como um balão demasiado cheio.

É por isso que eu acho que a escrita é uma terapia. Cada vez mais acredito que sim. Pois quando escrevo fico mais calma e desenvolvo ainda mais as minhas capacidades. Posso dizer que além de ser uma profissão a escrita liberta o nosso pensamento e faz-nos esquecer tudo aquilo que não nos faz bem.

Assim, quando achar que está num daqueles momentos de rotura tire algumas horas só para si e vai ver que quando estiver num momento de stress vai ser muito mais fácil manter a calma e decidir o que fazer.


Jovita Capitão

Título: Um momento a sós comigo.

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 0

614 

Comentários - Um momento a sós comigo.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios