Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Como é uma consulta no Ginecologista?

Como é uma consulta no Ginecologista?

Categoria: Saúde
Como é uma consulta no Ginecologista?

Informar-se sobre o tipo de pergunta que o ginecologista irá fazer durante a consulta e os possíveis exames físicos que serão realizados é importante não só para que a paciente não tenha surpresas desagradáveis, mas também para que não deixe de ir ao médico por receio.

De acordo com o Dr. Jarbas Magalhães, presidente da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), muitas pacientes omitem informações importantes ou deixam de fazer perguntas durante a consulta por vergonha, o que impede o profissional de fazer o diagnóstico e prescrição de tratamentos adequados, além de comprometer a prevenção de doenças.

Dr. Jarbas lista o passo a passo da consulta ginecológica para que a mulher vá preparada para responder questões íntimas e realizar os exames de praxe:

1- Entrevista: primeiramente, o médico irá fazer perguntas sobre seu histórico de saúde, estilo de vida e práticas sexuais.

2- Exame clínico: inclui pesagem e medição de altura, aferição da pressão arterial e auscultação do coração e dos pulmões com estetoscópio.

3- Avaliação das mamas: o médico irá apalpar os seios para detectar nódulos ou outras alterações.

4- Exame ginecológico e coleta de Papanicolau: o exame ginecológico é realizado periodicamente nas mulheres com vida sexual ativa. O Papanicolau consiste basicamente na coleta de material para análise de diagnóstico de alterações nas células cervicais. Para isso, o médico irá passar uma espécie de palitinho na parede da vagina, um procedimento completamente indolor.

5- Outros exames: o médico também pode solicitar outros exames além dos realizados em consultório, como exame de urina, colposcopia, ultrassom de abdome, mama ou transvaginal e mamografia. Estes são realizados em laboratório.

Para algumas mulheres, a primeira visita ao ginecologista é motivo de pânico. Geralmente, esta consulta ocorre após a primeira menstruação, quando o corpo assume comportamentos totalmente desconhecidos pela menina até então. Neste momento, buscar a orientação de um ginecologista sobre o ciclo menstrual e as mudanças que chegam com ele é a melhor opção. As mães, por mais que já tenham passado por isso, não têm a didática nem o mesmo conhecimento de um profissional especializado.

Por falta de informação ou por constrangimento, muitas adolescentes adiam ao máximo este encontro. Entretanto, o acompanhamento ginecológico é indispensável para a saúde de toda mulher. Entre os 11 e os 15 anos, é o momento ideal para a primeira visita ao médico ginecologista¹. Esse profissional acompanhará a mulher ao longo de sua vida, prevenindo e tratando doenças do aparelho reprodutor, bem como outros diagnósticos comuns às mulheres como o de osteoporose, por exemplo.

Para desmistificar este momento tão importante e necessário, respondemos algumas das perguntas mais frequentes quando o assunto é a primeira consulta ao ginecologista.

♥ O que o ginecologista pergunta?

A primeira consulta geralmente é uma conversa informal, na qual o ginecologista faz perguntas sobre doenças da infância, hábitos, ciclo menstrual, doenças na família e histórico de câncer de mama. Dependendo da idade, o médico trará orientações sobre sexo, gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. Se você tem queixas ou dúvidas, mesmo que pareçam banais, exponha-as ao seu médico. Tudo ainda é muito novo, então não existe pergunta óbvia.

♥ Vou ter que fazer algum exame?

Se a paciente é virgem, o médico examina apenas os seios, a região abdominal e a parte externa da região genital. Entretanto, se a menina estiver muito nervosa, o ginecologista prefere deixar o exame físico para mais adiante, quando a paciente se sentir confortável para isso. A importância do exame é a prevenção e o diagnóstico de doenças.

♥ Minha mãe deve entrar junto comigo?

A sua vontade será respeitada. Tem menina que prefere que a mãe esteja presente no início, porque ela ajuda a responder as perguntas como a última menstruação, ou sobre o histórico de doenças na família. Por outro lado, quando o assunto são as dúvidas sobre sexualidade, a presença da mãe pode ser constrangedora e prejudicará a consulta. O que pode ser feito é um combinado entre o médico e a mãe sobre o momento certo para deixar sua filha a sós.

♥ O ginecologista vai relatar a consulta aos meus pais?

As conversas entre médico e paciente são sigilosas. Principalmente em se tratando de adolescentes, a segurança de que o ginecologista não vai relatar a consulta aos pais é extremamente importante para que haja confiança e sinceridade. Apenas em casos extremos, se a paciente relatar abusos ou for diagnosticada alguma doença que a coloque em risco de vida, o médico procurará os pais.


Elisangela Lourenço de Oliveira

Título: Como é uma consulta no Ginecologista?

Autor: Elisangela Lourenço Oliveira (todos os textos)

Visitas: 0

186 

Comentários - Como é uma consulta no Ginecologista?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios