Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Em tempo de piquenique cuidado com as carraças

Em tempo de piquenique cuidado com as carraças

Categoria: Saúde
Em tempo de piquenique cuidado com as carraças

Quando o sol chega e com ele traz o calor, logo se começa a pensar em sair de casa e ir fazer uns piqueniques reunindo desta forma amigos e familiares. São as crianças quem mais adoram estes passeios e é com eles que todo o nosso cuidado é pouco. Mas, se é nos meses de verão que mais apetece passear nas zonas verdes é também nesta mesma altura que uns bichinhos chamados de carraças, se encontram mais ativas e por isso mais perigosos.

Para que saiba, existem muitas espécies destes pequenos animais pelo mundo fora e só em Portugal podem ser encontradas cerca de uma dezena de espécies diferentes.

Na verdade, é entre Abril e Setembro que podem ser encontradas com facilidade alguns exemplares destes animais nas zonas verdes, essencialmente nas zonas relvadas. Face a esta grande probabilidade de encontrar um destes animais na relva do jardim e não sendo proibidos os passeios nestas zonas torna-se de primordial importância uma maior vigilância face a estes perigosos predadores.

As carraças e as doenças que transmitem

As carraças consistem em aracnídeos pertencentes à família das aranhas e vivem sobretudo nas áreas arborizadas, nos campos com arbustos alimentando-se do sangue dos seus hospedeiros. Estes animais são perigosos, quer para os animais quer para as pessoas, podendo mesmo transmitir doenças entre os hospedeiros.
A sua perigosidade está relacionada com os diferentes mecanismos que estes têm para provocar doenças:
• Lesões provocadas na pele pelas peças bucais.
• Efeitos tóxicos provocados pela saliva uma vez que esta possui neurotoxinas capazes de provocar paralisia.
• Transmissão de doenças originadas pelos protozoários, bactérias ou vírus como é o caso da Doença de Lyme e da Encefalite.

Cuidados a ter

Para se manter em segurança é necessário ter sempre presente alguns cuidados:
• Evitar o contacto com as carraças.
• Evitar a s zonas arborizadas e densas que apresentem relva alta e pouco cuidada assim como zonas de relva morta.
• Usar um repelente na pele e roupas com mangas e pernas compridas. O uso de botas ou meias por cima das calças também é aconselhável.
• Não caminhar por cima destas zonas.
• Observe todo o corpo mesmo as zonas mais escondidas e tome banho logo que lhe seja possível.

Se encontrar uma carraça no corpo

Se encontrar uma carraça não entre em pânico e proceda da seguinte forma:
• Retire a carraça sem a torcer nem a partir. Se isso acontecer pode deixara s peças bucais da carraça na pele continuando a ser infetado. Para tal use uma pinça segurando a carraça o mais junto da pele possível.
• Depois lave a zona muito bem com água e sabão e desinfete-a com uma solução alcoólica ou iodada.
• Mantenha-se atento aos sinais de doença (febre, cansaço fácil, dores musculares e náuseas) durante quatro semanas e aconselhe-se com o seu médico.


Isabel Costa

Título: Em tempo de piquenique cuidado com as carraças

Autor: Isabel Costa (todos os textos)

Visitas: 0

652 

Comentários - Em tempo de piquenique cuidado com as carraças

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios