Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Complexos masculinos – não se deixe vencer por eles!

Complexos masculinos – não se deixe vencer por eles!

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 1
Complexos masculinos – não se deixe vencer por eles!

Na sociedade em que vivemos, fortemente controlada por meios de observação do ser humano e suas atitudes (revistas, jornais, televisão, câmaras de vigilância, e a própria educação das pessoas – ou falta dela – que as leva a julgar diariamente todos os que as rodeiam, com base em premissas vagas como indicadores físicos ou materiais), existe uma cada vez maior tendência para se exacerbarem defeitos e, como antídoto, sugerir «curas».

Podemos imediatamente lembrar-nos dos complexos femininos, que tanto entorpecem milhares de mulheres em todo o mundo e que acabam por conduzir, nalguns casos, a doenças sérias como a anorexia nervosa, depressão, bulimia, ortorexia, entre outros.
No entanto, há que mencionar também – até porque são colocados em menor evidência – os homens. De facto, os homens acabam por sofrer, muitas vezes em silêncio, as consequências dos ditames existenciais, sociais, económicos e da moda.

Assim, poder-se-ão enumerar algumas questões que, mais ou menos, acabam por afetar os homens:
baixa estatura;
tamanho das orelhas;
calvície;
excesso de pilosidade corporal (nomeadamente nos ombros e peito);
barriga proeminente;
tamanho do pénis;
frequência e qualidade da atividade sexual;
solidez e prestígio do emprego;
automóvel;
idade (crises de meia-idade, em que o homem reflete sobre o que já alcançou e o que lhe falta ainda fazer – por volta dos 30 anos – e outras, em que o homem cisma sobre erros que cometeu na vida, desejos de mudar de emprego e, até, por vezes, de família, ocorrendo divórcios e separações – estas já mais tarde, por volta dos 45 anos).

Ao correr os olhos pela lista, o leitor poderá considerar que estes fatores apenas surgirão como motivo de vergonha, dissimulação, nervosismo e, até, incapacidade, se o homem, de facto, der ouvidos às correntes da atualidade. E é aqui que reside a chave para a problemática. Nunca é demais reforçar a auto-estima das pessoas. Obviamente que não poderemos esperar (ainda que por vezes suceda) que esses reforços positivos provenham da mesma sociedade que se habituou a observar, a julgar, a catalogar, a rotular e a destinar as pessoas pelo seu aspeto físico, posição social, êxitos alcançados, etc.
O que estará, então, ao nosso alcance?

Dentro do seio familiar, fazer ver aos elementos masculinos (maridos, filhos, pais, avós) que são amados e valorizados pelo que são na sua essência e não por outros aspetos superficiais. No caso dos filhos, dever-se-á incutir desde sempre (nascimento) boas doses de auto-estima e afetividade, a par de regras sólidas, que os ajudem a crescer com a consciência de que uma moda social nada mais é do que isso mesmo: uma opinião que apenas poderá interessar a quem a imaginou e proferiu. A integridade humana deverá, pois, ser sempre preservada.


Isabel Rodrigues

Título: Complexos masculinos – não se deixe vencer por eles!

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 2

3 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Adriana SantosAdriana Santos

    19-02-2016 às 12:02:40

    Excelente! Adorei!

    ¬ Responder

Comentários - Complexos masculinos – não se deixe vencer por eles!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios