Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Poluição Afecta O Fígado

A Poluição Afecta O Fígado

Categoria: Saúde
A Poluição Afecta O Fígado

A poluição constitui um tema estafado, apesar de sempre, e cada vez mais, actual a que muitos já fecham os ouvidos e a respeito do qual outros tentam esgrimir os seus melhores argumentos no sentido de arranjar justificações para integrar este problema mundial num contexto de inevitabilidade cerrado. A questão é que as descobertas acerca dos efeitos nocivos da poluição apontam para uma assustador alargamento dos domínios de tal acção perniciosa. De facto, a poluição já não se restringe a rios, mares e atmosfera; na actualidade, sabe-se que os próprios órgãos internos do ser humano (e animais) apresentam consequências nefastas da exposição a insecticidas (como o heptacloro, a aldrina, o clordano, …), fungicidas, pesticidas, e outros produtos e compostos (como as dioxinas e o furano) decorrentes de processos de combustão.

Há estudos que revelam, inequivocamente, a co-responsabilidade dos poluentes no aumento do número de casos de doenças no fígado. Efectivamente, o abuso de álcool, a hepatite viral, a obesidade e a diabetes deixaram de estar sós no ranking das principais causas das cerca de 90 formas de patologia hepática, que incluem a hepatite, a cirrose, o fígado gordo e mesmo o cancro: a poluição ambiental tem vindo a demonstrar um importante papel no aparecimento de enfermidades passíveis de comprometer a função hepática.

Na realidade, os poluentes orgânicos persistentes (POP) têm sido, de maneira crescente, objecto de preocupação por parte da comunidade internacional, que estatuiu algumas medidas de controlo, tendo em conta as características dos POP que os tornam uma ameaça para a saúde mundial.

Os POP, geralmente ligados ao fabrico e utilização de compostos químicos, são pouco solúveis em água, mas apresentam um alto grau de solubilidade lipídica, o que acarreta a sua acumulação nos tecidos adiposos. Isto, a par do longo tempo que os POP permanecem no Ambiente antes de serem degradados em compostos mais simples (os POP são resistentes à degradação química, fotolítica e biológica), multiplica as probabilidades de virem a ser integrados na cadeia alimentar. Por outro lado, a semi-volatilidade dos POP fautoriza o seu transporte aéreo para distâncias longuíssimas, de modo que podem ser encontrados em todo o mundo, inclusive em sítios onde nunca foram fabricados ou manuseados.

À semelhança do que acontece com outros poluentes, não é fácil imputar directamente a etimologia de uma doença a um composto categorizado como POP. Ainda mais porque, normalmente, eles estão em associações e não como um único composto. Não obstante, os custos elevados e a fraca divulgação têm contribuído para que as alternativas existentes (que colmatariam as restrições impostas) não tenham, por enquanto, um uso universalizado.

A exposição das pessoas aos POP pode dar-se através da alimentação, de acidentes e da poluição ambiental. A agricultura e a manipulação de resíduos são actividades de alto risco. Paralelamente, condições de trabalho inadequadas, ausência de formação e manipulação de equipamento desajustado promovem maior risco de exposição dos trabalhadores da indústria química.



Maria Bijóias

Título: A Poluição Afecta O Fígado

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Comentários - A Poluição Afecta O Fígado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios